Helga Szmuk:
hszmuk@osite.com.br

Uma vida de contrastes
e de
histórias interessantes

 


TRANSIT

A HISTÓRIA DA ASTRONOMIA E DA NAVEGAÇÃO ESTÁ CHEIA DE ATOS HERÓICOS DE PESSOAS LUTANDO PARA VER ALGUMA COISA RARA E PRINCIPALMENTE PARA AJUDAR A NAVEGAÇÃO A ACHAR A LONGITUDE, QUE FOI UM DOS GRANDES DESAFIOS DO PASSADO. CABRAL, COLOMBO, MUITOS NAVEGANTES NA COSTA DA ÁFRICA SE PERDERAM POR QUE NÃO SABIAM ESTABELECER A LONGITUDE. LATITUDE É FÁCIL, CADA ESCOTEIRO SABE FAZER ISSO, MAS A POSIÇÃO LONGITUDINAL É MUITO MAIS COMPLICADA.

O TRANSIT DE VÊNUS TAMBÉM É UMA FORMA DE ESTABELECER A DISTÂNCIA DO PLANETA, SEU TAMANHO (PELA TRIANGULAGEM), ALÉM DE SER UM ESPETÁCULO LINDO E RARO, QUE ACONTECE SOMENTE 2 VEZES EM CADA SÉCULO.

EU VOU CONTAR ALGUMAS HISTÓRIAS TRÁGICAS, MAS PITORESCAS SOBRE A HISTÓRIA DO TRANSIT. PESSOAS QUE ARRISCARAM A VIDA EM BARCOS FRÁGEIS NUM LUGAR AFASTADO DA FAMÍLIA E AMIGOS PARA VER E MEDIR O TRANSIT DE VÊNUS SOBRE O DISCO SOLAR.   AQUI VAMOS...

O transit de novembro de 1639 foi observado  somente por 2 pessoas: um padre inglês e um astrônomo, Jeremiah Horrocks e seu amigo  William Crabtree. Horrocks precisava celebrar a missa (era um domingo),  correu para casa e viu Vênus às 3horas 05 min "objeto do meu mais ardente desejo" neste momento entrando no disco do sol. Pareceu muito menor do que previsto por Kepler, que falara que  iria cobrir 1/4 do disco do sol! Sozinho não pôde triangular Vênus, mesmo se tivesse um relógio. Crabtree ficou tão maravilhado com o que viu, que esqueceu de anotar os dados. Ele falou: - Astrônomos são distraídos pela vista de tanta beleza!

Guillaume le Gentil partiu da França, navegando, em 26 de março de 1760 para ver o transit da Índia no ano seguinte. Um mansoon (tempestade)  levou-o para longe da rota, no meio do oceano Índico. Ele decidiu  esperar pelo transit seguinte,  em 4 de junho. Uma nuvem apareceu no momento do transit (o destino de muitos astrônomos). Na chegada, soube que os herdeiros  tinham vendido tudo após sua ausência de 11 anos e 6 meses. Ele pegou uma desinteria no meio do oceano e ficou num hospital na Índia por 9 meses, depois que o barco perdeu o mastro durante um Hurrican. Ele morreu na miséria e abandonado da família.

H.M.S. Endeavor navegou de Plymouth em 26 de agosto de 1768 bem equipado de telescópios, equipamento meteorológico, relógios e barris de pregos!! Os nativos adoraram os pregos para fazer jóias e enfeites.

Cap. James Cook, navegador, matemático, astrônomo (autodidata) observou o eclipse solar em 1766 e determinou  a longitude de Newfoundland  com um erro de  2 milhas. Nas  Folklands foi atacado, por que o vice rei pensou que "TRANSIT" significa que o polaris vai passar pelo pólo sul. Eles perderam 4 homens. Apos 7 meses e meio eles chegaram em Taiti. Ele proibiu que levassem qualquer objeto de ferro, pois um dos navios quase afundou, por que os marinheiros levaram os pregos de presente para as meninas nativas.

Sob Cook  Bank, um observatório foi construído e o transit foi observado em 3 de junho de 1769. Por causa da atmosfera de Vênus, o tempo do transit difere entre Cook e  Charles Green em 20 segundos. Mesmo assim a distância  terra - sol (UA - unidade astronômica) foi estabelecida com um erro de 10 segundos.

Jean-Baptiste Chappe D'auteroche foi mandado pela Academia Francesa ao interior da Rússia, através do Volga congelado e florestas da Sibéria, a cavalo e em trenós, chegando a Tobolsk 6 dias antes do transit, onde foram barrados pela multidão furiosa que os culpava por terem causado a enchente do Volga porque eles interferiram com o Sol e a Natureza. Ele morreu 8 anos mais tarde, depois de ter observado o transit em Baja Califórnia, em 1769. Todos morreram, por causa de uma epidemia, menos um que, ao retornar reportou o transit como ele havia prometido.

Astrônomos têm uma coisa diferente das outras profissões, as coisas especiais são muito raras e às vezes uma vida humana é curta demais para poder apreciá-las. Isto aconteceu com Halley. Ele não viu o retorno do cometa com seu nome - e quase ninguém pode ver este cometa  2 vezes, pois ele aparece a cada 76 anos. Mas Halley também perdeu o transit de Vênus: no primeiro, o tempo estava ruim e no segundo ele já havia morrido.

A história mais triste aconteceu durante a revolução francesa. O astrônomo Royal deveria ter fugido do povo enfurecido, mas um transit de Vênus aconteceu neste ano e ele não quis perder a oportunidade de usar os instrumentos do Observatório Royal. O povo entrou no observatório e pensou que todas essas "coisas" apontadas para fora da janela fossem canhões. Assim, eles destruíram todas  as "coisas", os telescópios do observatório, os mais finos instrumentos da Europa. O astrônomo fugiu e foi salvo, por um milagre. Outra vez a ignorância reinou acima da ciência.

TODAS ESSAS HISTÓRIAS TÊM ALGO A VER COM A LONGITUDE,  PORQUE O RELÓGIO SEM PÊNDULO AINDA NÃO HAVIA SIDO DESCOBERTO E, SEM RELÓGIO, NÃO PODE SE MEDIR A LONGITUDE. MAS LOGO  O RELÓGIO DE BOLSO FOI INVENTADO PELO  HARRISON, QUE NAO ERA ASTRÔNOMO.

A HISTÓRIA DA LONGITUDE E SUA SOLUÇÃO É UM CAPÍTULO LONGO 
E INTERESSANTE DA ASTRONOMIA    


             

Helga Szmuk, astrônoma amadora

 

Revista Rio Total

Editoração e Coordenação:
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br