Helga Szmuk

HALEY,
ASTRÔNOMO REAL
Edmondo Halley, astrônomo

Até no século 17 o céu austral não foi mapeado e registrado com muita precisão. Visto da hemisfério norte não foi possível fazê-lo. Mas, em 1676 o jovem Halley viajou da Inglaterra para ratificar isto. Ele queria mapear o céu austral com uma exatidão igual a do céu do norte. Ele tinha somente 20 anos mas já publicara 3 trabalhos na universidade de Oxford e foi aceito Centauripelo Rei Charles II como astronomer Royal. Assim, ele recebeu ajuda para executar seu plano - um navio e equipamentos - e foi para a ilha  Santa Helena, o ponto mais austral do domínio inglês (também famoso por ter sido o exílio de Napoleão). O céu não estava limpo como ele esperava, o que lhe deu enorme sensação de frustração. Ele passou um ano na ilha e retornou com um catalogo de 341 estrelas. Também usou a passagem de Vênus sobre o disco solar como medida de distâncias no sistema solar. Haley foi chamado o Tycho do Sul. Além disso ele descobriu e catalogou 3 objetos que são visíveis com instrumentos pequenos e objetos de todos os astrônomos amadores: um fica no Escorpião, uma aglomeração M7 também em Escorpião, mas o mais famoso e mais admirado é Omega Centauri, em Centauri 1.

Não existe Star Party ou reunião sem se deliciar com Omega Centauri. Eu já a vi centenas de vezes mas cada vez fico mais apaixonada pela beleza dessa aglomeração. No Texas ela aparece muito baixo no horizonte, mas todo mundo fica deitado na chão se sujando, ficando molhado, mas ninguém perde o aparecimento raro nos céus da hemisfério norte .

Texto de Helga Szmuk, astrônoma amadora


Editoria e coordenação
Irene Serra

Revista Rio Total