Helga Szmuk

Matéria das Estrelas

 NUVENS DE MAGALHÃES
 

Pquena Nuvem de Magalhães



As duas Nuvens de Magalhães foram descobertas em 1500. Num lugar longe das luzes da cidade elas parecem duas nuvens como a nossa via láctea. De fato são dois satélites-galáxias da nossa via láctea. Um dia no futuro remoto eles vão cair em cima de nós! Vão se chocar com a nossa galáxia. Dentro dessas galáxias há algumas estrelas muito velhas e “pesadas”. Uma dela explodiu em 1987, numa explosão espetacular de uma supernova.

SupernovaNós somos produtos dessas supernovas que espalham o conteúdo de toda sua matéria para o espaço e criam novas estrelas. Nosso sol e os planetas também foram criados desse modo. Somos todos irmãos! Simples produtos de supernovas! Mesmo preto, amarelo, judeu, católico, índio, somos todos da mesma matéria, verdadeiros irmãos (não parece).

Eu tive o privilégio de observar a supernova no quinto dia depois da explosão. Eu estava em Guarujá jogando cartas com amigos e não resisti de dar uma olhada no céu através do meu telescópio. Eu vi alguma coisa na Nuvem de Magalhães que me pareceu estranha! Nunca tinha visto ali uma estrela! Olhei outra vez e vi a mesma coisa. Eu liguei para os Estados Unidos, onde há uma linha para notificar coisas fora de comum (não existia ainda computador e email) e recebi a resposta: Sim, é uma supernova. Eles queriam saber meu nome e tudo. Eu fui a quinta pessoa no mundo a observar o fenômeno. As pessoas dizem que tenho sorte. Eu acho que não! Eu estava observando! Quantas pessoas mais estavam observando? Eu preferia o meu telescópio invés do jogo dentro do quarto. A vida é assim: você precisa procurar as coisas; os acontecimentos raros e bonitos não vão atrás de você!
 

Texto de Helga Szmuk, astrônoma amadora





Editoria e coordenação
Irene Serra

Revista Rio Total