Helga Szmuk

Vida em outros lugares do universo?



Tem alguém lá fora?   As possibilidades são enormes!

Nossa Via Láctea tem 200 bilhões de estrelas e nós podemos observar 125 bilhões de galáxias, mas é bem possível que existam mais ainda e nós não temos capacidade de observar todas. Mas nós conhecemos somente uma estrela com um planeta com vida. É possível que o resto dos trilhões de estrelas não tenham planetas com vida?

A questão é como podemos reconhecer se eles existem? Espectro da luz vindo de outras estrelas ou planetas podiam revelar biomoleculares, ou estruturas de dentro das rochas de outras planetas podiam nos revelar vida que já existiu e já extinguiu. O que nós sabemos de nosso único exemplo é que a vida se replica e evolui com o tempo. Vida usa energia, precisa de água e é baseado em carbono. Existe em lugares quase inacreditáveis, em baixas temperaturas ou em temperaturas altíssimas. Nos fundos do oceano escuro, a vida existe sem a luz do sol. Micróbios existem no gelo da Antártica numa temperatura baixíssima e sobrevivem por milhares de anos para ressuscitar no luz do sol e oxigênio. Nós vivemos na época da exploração do sistema solar. Nossas espaçonaves viajaram até o ponto mais afastado do nosso sistema, descobrindo centenas de novas luas, mas vida até agora em nenhum.


Mesmo que a vida fosse possível em milhões ou bilhões de lugares, temos a distância que nos separa. A estrela mais próxima, Alfa Centauri, está a mais de 4 anos luz de distância de nós. O Voyager ainda não está no Helio Pausa onde o vento solar não existe mais e vai chegar lá depois de mais de 100 anos.
A única possibilidade de receber sinais seria na velocidade da luz. Ondas de rádio. A NASA tem antenas ao redor da Terra para receber um sinal de uma emissão de rádio artificial que precisa ser repetida para ter valor como verdadeiro. Mas até agora, nada!

Não somente as distâncias são inimaginavelmente grandes, o tempo também é. Alguns dados: se consideramos a idade da Terra que é 4.5 bilhões de anos e diminuirmos o tempo para 1 ano, a vida na Terra começou no último dia do ano no 31 de dezembro no ultimo minuto,.

Nossos telescópios e sondas descobriram um monte de luas que nós não conhecemos antes.
Mercúrio = 0
Vênus = 0
Terra = 1
Marte = 2
Júpiter = 63
Saturno = 50 (a última lua foi anunciada esta semana como sendo a S/2005 S1)
Urano = 27
Netuno = 13
Plutão = 1
Total = 157 luas


Planetas extra-solares:
136 sistemas planetários
155 planetas
14 sistemas planetários múltiplos
5 planetas em torno de pulsares.

E até agora, vida somente na Terra e somente no último minuto.

Carl Sagan, que era fanático por achar vida ou sinais de vida de qualquer lugar do universo, um dia falou: - Achei uma coisa fantástica!
Todo mundo ficou de boca aberta!
- Achei que tem vida inteligente aqui na Terra, pois o único lugar até agora que tem rádio como comunicação!

Desde quando temos este meio de comunicação? Um pouco mais de 100 anos! A Terra existe há 4.5 bilhões de anos. É muita coincidência achar outra civilização que tenha rádio ao mesmo tempo que nós. Nada é impossível, mas as probabilidades são mínimas.

Nós existimos por muitos fatores especiais.

A nossa posição no sistema solar, não muito perto e não muito longe do Sol.

Um Cometa que destruiu os dinossauros e deixou a vida começar de novo até chegar hoje. Se não fossem os dinossauros nunca teriam um Voyager ou um telescópio Hubble.

Também temos um Júpiter que recebeu o impacto de um cometa 11 anos atrás ao invés de bater na Terra e destruir tudo. Cada buraco em Júpiter era maior do que a Terra e tinha 21 buracos.

E muitos outros fatores nos ajudaram a estar aqui hoje, mas um dia vai acontecer. Um sinal repetido, regular, mandado de uma civilização há muito tempo extinta, mas mesmo assim este momento vai mudar tudo. A ciência, a religião, nossa atitude conosco mesmo, Inimaginável, mas um dia vai acontecer!

 




Texto de Helga Szmuk,
astrônoma amadora

 

Outros temas de ASTRONOMIA





Editoria e coordenação
Irene Serra

Revista Rio Total