VULTOS NOTÁVEIS

I

FREI JOSÉ MARIANO DA CONCEIÇÃO VELLOSO

“Data do tempo do guardianato de Frei Francisco da Conceição Valladares, o interesse que o Vice-Rei D. Luiz de Vasconcellos tomava pelos estudos de Frei José Mariano da Conceição Velloso. Vasconcellos era um homem culto, favorecia as ciências e artes. Frei Velloso, por sua vez, revelava grande saber na botânica e daí a particular amizade que o Vice-Rei dedicava ao douto Franciscano e a eficaz proteção que lhe dispensou.

Vem por isso a pêlo darmos alguns apontamentos sobre a vida e as obras deste sábio naturalista no humilde burel franciscano, glória do Convento de Santo Antônio. Fazemo-lo, transcrevendo o que resumidamente disse o dr. Moreira de Azevedo. “Frei Mariano da Conceição Velloso, chamado no século José Velloso Xavier, nasceu e batizou-se na Villa de São José, comarca do Rio das Mortes, em Minas, no ano de l742.

Entrando na escola com a idade de 6 anos, freqüentou o estudo primário, cursou as aulas, matriculado no latim, familiarizou-se com as dificuldades dos clássicos; destinado pelos pais à vida monástica (destinado pelos, não; com o consentimento dos pais dedicou-se, sim) recolheu-se ao Convento desta cidade, vestiu o hábito no Convento de São Boaventura em Macacu, em 11 de abril de l761, e um ano mais tarde professou.

Resolvido a transformar sua cela em gabinete de estudo, consagrou-se ao cultivo da botânica, classificando as flores, os arbustos, que enfeitavam o jardim do Convento.

Matriculou-se em 1766 na aula de filosofia do Convento do Rio de Janeiro, e nesse mesmo ano conferiu-lhe o bispo as ordens sacras; ocupou com brilho o púlpito, e em 1768 foi eleito pregador; em 27 de junho de 1771 foi escolhido para passante de geometria, do Convento de São Paulo, e mereceu o título de confessor.”


(Continua)

 

                                                “O Convento de Santo Antônio do Rio de Janeiro”
Frei Basílio Röwer, O.F.M. - 1937 – Pág. 166 a 167

 

 

 

 

 

 

 

Rio Total