FUNDAÇÃO
DO CONVENTO SANTO ANTÔNIO

EM 1592, estiveram no Rio de Janeiro Frei Antônio das Chagas e Frei Antônio dos Mártires, procedentes de Vitória do Espírito Santo. Receberam em doação, feita pela Câmara, um terreno com uma ermida na Praia de Santa Luzia. Quinze anos mais tarde no dia 15 de fevereiro de 1607, aportaram o Custódio Frei Leonardo de Jesus e mais quatro frades, entre eles Frei Vicente do Salvador. Não se agradaram do lugar doado. Pediram e receberam em permuta o Morro do Carmo, chamado assim por já estar reservado à Ordem dos Carmelitas. Nessa ocasião foi-lhe devolvido o nome primitivo: Morro de Santo Antônio.

No dia 19 de abril, foi assinada a escritura pelo Governador Martim Afonso de Sá e outras pessoas. No dia 25 do mesmo mês, os frades se transferiram para uma casa cedida por Fernando Afonso, ao lado da ermida de Santo Antônio, perto do atual Convento. Ali construíram a residência provisória, que foi inaugurada aos 4 de outubro de 1607. Em seguida, o Custódio voltou para Olinda, deixando os quatro frades, e nomeando Frei Vicente do Salvador para superior.

Em 1608, aos 4 de junho, o Custódio estava novamente no Rio de Janeiro para lançar a pedra fundamental do Convento definitivo. Ao ato estiveram presentes o Governador Afonso de Albuquerque, o Vigário da Sé, o Reitor do Colégio dos Jesuítas e o Administrador Eclesiástico Mateus da Costa Alboim, que oficiou e presidiu todos os atos assistidos pelas Autoridades e grande multidão de povo.

 

Frei Albano Marciniszyn, OFM

 
 
     
  Rio Total