O REFEITÓRIO

 

As dimensões do refeitório são ainda as mesmas da época da sua construção. Medem 25,15 por 6,26 metros. É bem iluminado através de seis grandes janelas. À direita de quem entra, na altura da metade do salão, acham-se a escada por dentro da parede e a abertura que davam acesso ao púlpito, no qual se faziam as leituras durante as refeições. À esquerda pendem cinco grandes pinturas de valor artístico, mas de autores desconhecidos.

Hoje o refeitório não apresenta aspecto de especial curiosidade. Desapareceu a barra de azulejos, cujos painéis representavam cenas de caça. As grandes e aparelhadas lajes de granito, que revestiam o piso, foram arrancadas e carregadas. As mesas de grossas tábuas e as colunas de granito, que as sustentavam, não deixaram vestígios.

Não se sabe quando estas obras foram executadas, mas sabe-se quando desapareceram. Foi durante os dezesseis anos, de 1885 a 1901, quando o Convento serviu de quartel para um batalhão do exército.

 

Frei Albano Marciniszyn, OFM

 
 
     
  Rio Total