AS IMAGENS DE SANTO ANTÔNIO

SANTO ANTÔNIO DO RELENTO

Se na primitiva residência existiu uma imagem de Santo Antônio, deve ter sido de pouco valor. Pois Frei Luís de Santo Antônio, guardião desde 1620, tendo terminado os retábulos dos altares, encarregou a um religioso que esculpisse uma imagem do santo Padroeiro. Conta-se que, tendo ele fabricado o corpo, não conseguia esculpir a cabeça em devidas proporções. Então, no auge do seu desespero, aconteceu um fato estranho. Assim o noticia o Livro do Tombo: “Em 1621, colocou-se a imagem de Santo Antônio no altar, o corpo feito por um religioso e a cabeça por um que pediu uma esmola para jantar, como se vê no Cartório do Convento”. Não consta quanto tempo esta imagem permaneceu no altar, mas consta que Frei Serafino de Santa Rosa, guardião de 1707 a 1710, mandou fazer uma coroa que cabe exatamente na cabeça da imagem atual e não na da anterior. Contudo, a primeira imagem não foi relegada ao esquecimento. Na invasão francesa de 1710, o Governador Francisco de Castro Morais pediu proteção a Santo Antônio e mandou ao Convento uma patente que o nomeava Capitão da Infantaria. Foi esta imagem que, colocada no muro do Convento, empunhando o bastão doado pelo Governador da Colônia do Sacramento, presidiu à batalha, na qual os franceses foram derrotados.

Em testemunho de gratidão a imagem foi colocada no frontispício da Igreja. Em 1779, porém, foi transferida para o nicho que o guardião Frei José do Desterro mandou fazer no frontispício do Convento onde permanece até hoje. É conhecida como Santo Antônio do Relento.


Frei Albano Marciniszyn, O.F.M.

(Continua)

 
 
     
  Rio Total