Ano 11 - Semana 539



 Vinhos:

Degustando um bom vinho
Escolhendo vinhos
Vinhos - lendas sobre sua origem
Vinhos chilenos
Vinhos romenos
Vinho rosé

 



 

       28 de julho de 2007
---

Vinho Português
 


Vinho do PortoNa onda do crescimento do consumo de vinhos no Brasil, o mercado português ganha fôlego: no primeiro semestre desse ano, importaram cerca de 34,3% a mais de vinhos do que no mesmo período do ano passado, o que equivale a um acréscimo de 2,10 milhões de litros da bebida, conforme dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio do Brasil. E, segundo a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), a expectativa é de que a demanda se mantenha acima de 20% ao ano.

A comemoração dos lusitanos é justificável, já que em quatro anos, o número de importações para os brasileiros aumentou cerca de 20%. No ano de 2002, ocupavam a quarta posição no ranking dos exportadores ao país e após dois anos, conseguiram subir um patamar e se manter no posto com 15% das importações de vinhos feitas ao país, perdendo apenas para o Chile (34,44%) e Argentina (22,85). Mas ainda assim, os europeus são os maiores consumidores de vinhos portugueses (56%).

A importadora Vinhas do Douro - recém-instalada no Brasil -, é um exemplo, com quase dois anos fixada no país, já constatou um crescimento de vendas em torno de 20%, se comparado com o semestre de 2006. Em vista disso, duplicou o seu portifólio e conta com cerca de 40 rótulos. Dentre seus consumidores, bares e restaurantes são clientes bastante significativos: são ao todo 100 estabelecimentos parceiros e, segundo o diretor comercial, Sidney Black, casas como Antiquarius, Rubaiyat e Rufinos fazem parte do rol de seus clientes.

Para os fornecedores, a queda da cotação do dólar é um dos principais motivos para esse fortalecimento, já que mesmo com as compras feitas em euro, o real está mais fortalecido. O marketing dos produtores, porém, também tem boa parte da responsabilidade pelo crescimento das vendas. Portugal está investindo pesado na promoção de seus vinhos – só na primeira quinzena de julho, o IVDP (Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto), organizou degustações em São Paulo, Brasília e Curitiba, sendo que na última cidade o evento reuniu mais de doze importadoras para provas de vinhos.

Mas segundo Rodrigo Mainardi o mercado português ganhou destaque devido à evolução de seus produtos: “Na própria região do Douro [local onde se produz vinhos do Porto], não havia vinhos de mesa de qualidade. Esse aprimoramento vem de cinco anos pra cá”, ressalta o sommelier da Mistral. “Sempre tínhamos ofertas de vinhos rústicos, hoje, os produtores se modernizaram e mesclam técnicas atuais com antigas”, acrescenta, ao afirmar que muitos de seus rótulos tinham que ficar guardados por anos até atingirem a maturidade ideal, fato difícil para o gosto popular.


Vinhos do Porto


Adilson Carvalhal Junior, diretor comercial da Casa Flora, importadora há mais de 30 anos no mercado, conta que as vendas em 2006 aumentaram cerca de 30%, obrigando o investimento nas importações, que saltou para 40% a mais do que no ano anterior.

Para Carvalhal, a demanda por um vinho fortificado – característica dada à sua alta graduação alcoólica – se dá devido à melhora de informações sobre o mercado. “As pessoas compravam vinhos do Porto apenas para darem de presente no final do ano, ou tomavam como digestivo. Agora, encontraram outra função a ele: são consumidos como vinhos de sobremesa”, comenta. As garrafas oferecidas pela importadora variam em torno de R$ 35 a R$ 2.220.

Outro fator que auxilia no consumo de vinhos portugueses é que, conforme pesquisa realizada pela Cigar Club, a maioria dos apreciadores de charuto – 24,8% - acredita que a bebida ideal para acompanhar as degustações do tabaco são os vinhos do Porto. Em segundo lugar vem o conhaque (13,9%) e depois o uísque (13,3%).

“A vantagem é que, por ser digestivo, eles são bebidos no encerramento de algum charuto”, diz Waldomiro Castro, responsável pelo setor de marketing do Cigar Club. Desde o início das pesquisa, em 2004, é constatada essa preferência.

E é exatamente por esse fator que algumas importadoras como a Vinhas do Douro vêm realizando parcerias com fabricantes de charutos. O próximo evento organizado por eles será no restaurante Casa da Fazenda, no dia 31 de julho.

 

 




Direção e Editoria
Irene Serra