Ano 11 - Semana 537
 



 

     14 de julho de 2007
---

Katya Farias Fratte
 

            A culinária carioca
                              sempre esquecida,
                                          apesar de tão boa

 

O Rio de Janeiro é uma Metrópole universal, com sua cozinha voltada para o mundo, mas tem também a sua cozinha tradicional.

Como carioca da gema que sou, gostaria de ver prestigiada a cozinha desta cidade, que de maravilhosa, dispensa apresentações. Pensei no que temos de mais conhecido, e, que muitas vezes passa despercebido, como por exemplo, a própria cozinha dos botequins. Existe algo mais carioca que nossos botequins? Pois então, partamos para essa cozinha, para sabermos o que o carioca come além do famoso bife com batatas fritas.

Afinal, o que eles servem? Para começar, lembrei do bife a cavalo, aquele servido com um ovo frito por cima, você lembra? Depois pensei na famosa sardinha frita, que ganha mais fama, ainda, quando nos reportamos àquele boteco na Marechal Floriano, no Centro da cidade, cuja especialidade é sardinha frita. Tem também a manjubinha frita, a casquinha de siri, a saborosa farofa carioca (pois você só saboreia esta farofa aqui, já que na maioria dos estados a farofa é a farinha de mandioca pura), o bolinho de aipim, que pode ser recheado com carne, frango ou camarão, o camarão frito, tal como se come na praia, a empadinha de camarão, que é especialidade de outro boteco famoso, o Salete, aqui na Tijuca, e, para não negar nossas raízes lusitanas em nossa culinária, o bolinho de bacalhau também faz parte da seleção.

Em matéria de doces, nós temos o maravilhoso chuvisco, que você só encontra aqui, o papo de anjo, os doces de frutas em calda, como o de banana, o de goiaba, a goiabada cascão (esta, é do norte fluminense), o doce de abóbora com coco (este doce é em pasta, e não em pedaços), e o mais tradicional em um verdadeiro boteco: o pudim de leite.

Relativamente às bebidas, temos a caipirinha, a batida de limão e a de coco, o leite de onça, além, é claro da nossa amada cerveja.

Indo aos botequins tradicionais da cidade, com certeza você estará colhendo a melhor expressão da cozinha carioca, pois, como já mencionei antes, não há nada mais tradicional, no Rio, que seus botequins, apesar da culinária carioca ter se internacionalizado.    
 

Katya Farias Fratte