Ano 14 - Semana 752
 






Esperamos por você!

    09 de setembro, 2011
---

Gelatina


É uma proteína derivada da hidrólise parcial do colágeno (então, a matéria-prima da gelatina é o colágeno), em que as ligações moleculares naturais entre fibras separadas de colágeno são quebradas, permitindo o seu rearranjo. A gelatina funde com o calor e solidifica quando o calor cessa. Misturada com água, forma uma solução coloidal.
É uma substância translúcida, praticamente insípida e inodora, que se pode obter fervendo certos produtos animais, como ossos, pele e outras partes com tecido conectivo.
Contém 9 dos 10 aminoácidos essenciais ao corpo humano.


É muito utilizada em alimentos, medicina e certas indústrias, assim como é ideal nas dietas, pois é isenta de gordura. Das variadas marcas disponíveis no mercado, cada 100g fornecem 380 kcal, estas vindas praticamente dos carboidratos. A mesma quantidade, mas na versão diet, além de ser isenta de carboidratos, fornece aproximadamente 7 kcal, obtidas exclusivamente das proteínas. A diet é isenta de carboidratos. Por isso, se você está de regime opte sempre pela versão sem açúcar. Outra vantagem da gelatina é que ela retarda o esvaziamento do estômago, deixando a pessoa saciada e hidratada por mais tempo. E, ainda, dificulta a absorção dos carboidratos e das gorduras pelo estômago e pelos intestinos.

Unhas e cabelos são produzidos por células especiais da pele, as quais, assim como as demais células do corpo, necessitam de proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas e minerais, em proporções adequadas.

A gelatina é pura proteína, mas falta-lhe um complemento de aminoácidos, o que a torna uma pobre fonte de proteínas. Portanto, é um mito se dizer que para ter unhas fortes deve-se comer gelatina. A ciência ainda não encontrou nenhum alimento específico para um melhor desenvolvimento das unhas e cabelos.

Exemplos de alimentos com gelatina são as sobremesas de gelatina, o aspic, as gomas. A gelatina pode também ser usada como estabilizante ou espessante de sorvete, geléia, iogurte, queijo, margarina, etc.

Existem dois tipos de gelatinas: a alimentar e a suplementar. A primeira é a que encontramos nos supermercados, a tradicional, que vem em caixinhas ou saquinhos, de sabores ou incolores. A segunda é vendida em lojas de suplementos alimentares em cápsulas ou mesmo em pó. A diferença entre elas é o grau de concentração de colágeno, sendo as suplementares mais concentradas.

A gelatina é recomendável para dietas de emagrecimento já que tem baixo valor calórico, não contém gordura, colesterol nem carboidratos. Além disso, ela ajudar a melhorar a elasticidade da pele, se tornando um aliado do rejuvenescimento e reparação celular. Previne as estrias e a flacidez se consumidos regularmente e é um excelente agente cicatrizante.

O colágeno é o grande bem-feitor da composição da gelatina. É a proteína que tem como função impedir a deformação dos tecidos que fazem parte da estrutura humana.
Apenas 10 gramas do produto por dia são necessários para surtir efeito, levando em conta que o organismo demora em torno de 2 a 3 meses para dar uma resposta positiva.

Quando envelhecemos ou emagrecemos, nossa pele vai perdendo elasticidade e firmeza. Isso acontece por conta do enfraquecimento gradativo do colágeno, que exerce essa função estrutural de sustentação e preenchimento da pele. Com uma dieta rica em proteínas (gelatina é proteínas), atividade física e pouca exposição solar é possível melhorar a saúde.


 

 




Direção e Editoria - Irene Serra