Ano 17 - Semana 861

 



 

        11 de outubro, 2013
---

A alimentação pode preservar a memória

 



André Veinert

Uma alimentação saudável significa manter o corpo e a mente em forma. Alguns alimentos podem dar uma ajudinha ao cérebro, evitando aquelas famosas situações: “Onde será que deixei a chave do carro?” ou “De onde será que eu conheço aquela mulher?”.

Se você vem enfrentando esses lapsos de memória com frequência, talvez esteja na hora de mudar seus hábitos, principalmente os que estão relacionados ao cardápio. Trocar os fast foods por peixes de águas frias e a carne pelo frango são estratégias que podem melhorar o funcionamento da sua memória.

O aumento do consumo de alguns alimentos é importante para a formação e funcionamento do sistema nervoso. Além disso, seguir com um estilo de vida que inclua mudanças na alimentação e exercícios físicos facilita a captação dos neurotransmissores essenciais para preservar a memória.

Estudos realizados pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), comprovam que a alimentação saudável contribui tanto para preservar a memória como também na recuperação das funções motoras em portadores da doença de Parkinson, que afeta o sistema nervoso central e é caracterizada por tremores e rigidez muscular. Houve casos de 90% de melhora.

Com o avanço das pesquisas, a lista de compras no supermercado não vai mais se limitar aos peixes, que são famosos por serem ricos em ômega 3 e também por fornecer ácidos graxos que protegem os neurônios contra os radicais livres, notórios destruidores de células. Carnes, aves, oleaginosas, grãos integrais, leguminosas, leite e derivados também podem fazer parte da lista de alimentos que garantem o bom funcionamento do cérebro.

Dê vitaminas ao seu cérebro!

Elas também têm um papel muito importante para o cérebro. As vitaminas são essenciais para o organismo e também para o funcionamento do cérebro. A vitamina do complexo B, por exemplo, protege os tecidos nervosos contra a oxidação; a vitamina D auxilia na regeneração dos neurônios e regula a fixação do cálcio em receptores importantes para a memória; e as vitaminas C e E são antioxidantes que combatem e neutralizam os radicais livres.

Para evitar os esquecimentos, procure alimentar a sua memória com os alimentos certos, veja quais são eles:

Ovo
A gema do ovo é uma das principais fontes de colina, que ajuda a reparar as células cerebrais e ainda se constitui de acetilcolina, neurotransmissor responsável pelo aprendizado e memória. Uma gema tem cerca de 130 mg de colina. Salmão, soja, fígado, germe de trigo e feijão também apresentam colina, porém, em concentrações menores.


Peixes
Salmão, sardinha, anchova, atum, arenque e cavala, fornecem ácidos graxos, do tipo ômega 3, que são benéficos ao cérebro e à memória por conter uma ação anti-inflamatória.

Arroz
O arroz é responsável por regular a glutationa, um dos protetores celulares contra a ação dos radicais livres. Além disso, também contém magnésio e outros receptores que existem no hipocampo, onde se dá a formação da memória.


Leguminosas

Possuem vitamina B6, considerada importante para a formação de neurotransmissores (mensageiros do cérebro).


Frutas vermelhas
Ricas em antioxidantes, como bioflavonoides, carotenoides, vitamina E e selênio. As frutas também têm a sua parcela de responsabilidade em relação ao cérebro. O seu consumo ajuda a evitar lesões e doenças neurológicas. Procure consumir acerola, morango, amora, pitanga e também outros tipos de frutas como laranja, limão, manga e maçã”.


Oleaginosas
Castanhas, nozes, amêndoas, avelãs, amendoim são ricas em vitamina E e selênio, também fontes de antioxidantes. Essas oleaginosas contém vitamina B3, B2 e B1, que regulam a glutationa e ainda participam da manutenção de substâncias químicas nervosas e hormônios que protegem a memória.

Carnes e aves
As carnes magras e os frangos, por exemplo, são ricos em vitamina B3 (niacina) e podem ser consumidos durante as refeições. Mas carne vermelha deve ter um consumo moderado.

Leite e derivados
Ricos em vitamina B12 e ácido fólico, que participam de forma conjunta da síntese do DNA. O seu consumo diário pode ser muito benéfico para a formação da memória.


O que evitar?

Gorduras saturadas, açúcar e o consumo de álcool são grandes vilões quando se trata do cérebro. A gordura saturada em excesso acelera a perda de memória devido ao seu processo inflamatório que afeta o funcionamento das células nervosas. Em relação ao açúcar, ele pode aumentar a produção de insulina rapidamente no organismo, promovendo reações químicas que podem danificar as células cerebrais.

Se você seguir uma alimentação balanceada é possível manter a memória em boas condições em longo prazo. Portanto cuide da sua alimentação para que o seu cérebro não seja prejudicado e evite que os lapsos de memória voltem a atormentar a sua rotina.
 

Dr. André Veinert, é nutrólogo


 




Direção e Editoria
Irene Serra