Ano 11 - Semana 573


 

    21 de março, 2008
---

Tu Bishvat


 

Jane Bichmacher de Glasman
 

B”H

Tempo de celebrar a passagem do tempo
É inevitável. E infalível. Como um relógio programado para dezembro, as pessoas começam a me perguntar: - E aí: o que você vai fazer no Natal e no Ano Novo?... Ah, “vocês” não comemoram ... não é mesmo?

O que vou fazer não reflete uma mera curiosidade social. É mais um preâmbulo retórico para o “vocês” que se segue. Por “vocês” subentenda-se: judeus. Tenho um repertório considerável de respostas prontas para serem acionadas, que variam de acordo com o humor e o interlocutor. Vão desde “comemorar, ora!” a “eu não sou judia, sou levita”, passando por “vocês quem, cara pálida?”, “aproveito para emendar desde Hanuká”, etc.

Na verdade, considero o Natal e o Reveillon (sei que vou chocar mas não resisto!) as festas cristãs mais judaicas (aproveitando sua cara de espanto: da mesma forma que considero Iom Kipur a mais católica das festas judaicas, por uma série de influências conjunturais e litúrgicas desenvolvidas desde períodos inquisitoriais que não comentarei aqui por fugir do tema principal). Afinal, Natal comemora o nascimento de um menino judeu e Reveillon, o brit-milá (circuncisão) do mesmo (1). Isto, sem entrar em qualquer consideração teológica, apenas levando em conta o aspecto Jesus - humano.

Este dado também nos conduz ao caráter simbólico do calendário civil (ou gregoriano ou cristão): de entrada, ele já começa com uma semana de atraso! Jesus (Ioshua, Ieshu ou Ieshua, em hebraico) no oitavo dia de vida, na cerimônia do brit-milá citada, recebeu seu nome e passou a fazer parte de sua congregação: no dia 1º de Janeiro - como consta em todos os calendários.


Natal, Hanuká, Reveillon, Rosh haShaná...

Os judeus não comemoram o Natal nem o Ano Novo como tal, embora um Kidush e um Shehe’heianu não façam mal a ninguém nem “agridam” nenhum preceito judaico (ou não? o que você acha?) Rosh haShaná, o Ano Novo judaico se comemora entre setembro e outubro (é uma data móvel, pois o calendário judaico é luni-solar). Jesus e os primeiros cristãos também comemoravam a data, apesar de Rosh haShaná ter adquirido maior significado no período talmúdico, época que abrange o surgimento do cristianismo (2). Bem posteriormente é que os cristãos passaram a comemorar o ano novo a partir do nascimento de Jesus e marcá-lo como início de uma nova era. Os romanos comemoravam em outra data, bem como os chineses. Os muçulmanos o fazem a partir de Maomé, sendo que seu calendário é só lunar. A era vulgar (2001 d.C.) prevalece no mundo para efeitos civis.
 

Afinal, quantas vezes os judeus celebram o Ano Novo?

Na verdade, segundo o calendário judaico são comemorados... quatro Anos Novos! Em Nissan, Elul, Tishrei e Shvat...

Nissan é, na Bíblia, o primeiro mês do ano, pelo qual, por exemplo, eram contados os anos dos reinados (contagem dos anos dos reis de Israel). Além disso, por ser o mês de Pessah, que marca a comemoração da passagem para a liberdade, envolve, na minha opinião, o belo simbolismo de o tempo ter sentido, merecendo ser contado, a partir do momento que somos livres!...

Elul seria o “Ano Novo do Gado”: no primeiro dia deste mês, retirava-se o dízimo (um décimo dos animais nascidos nos últimos 12 meses) e doava-se ao Beit HaMikdash (Templo de Jerusalém).

Tishrei, sétimo mês bíblico ("No sétimo mês, o primeiro dia do mês, será um descanso solene para vocês, uma comemoração proclamada com o toque do shofar, uma convocação santa"), veio a ser considerado o começo do ano civil judaico, por ser o mês da Criação, uma espécie de “Aniversário do Mundo e do Homem”, quando é feito o julgamento divino dos seres humanos.

Ele também marca o início da contagem da Shemitá (Ano Sabático); do Iovel (Jubileu, quando eram libertos os escravos e as propriedades voltavam às mãos dos donos originais); da Orlá (3 anos a partir do plantio de uma árvore frutífera, durante os quais não se pode comer seus frutos) bem como do ano para cálculo do dízimo da colheita de vegetais e grãos. (Por curiosidade, você sabia que estamos em ano de Shemitá?)

Na verdade, na antigüidade, Rosh haShaná era época de Ano Novo não só judaico, mas para todo o hemisfério norte, quando se encerrava o ciclo anual agrícola, se fazia o balanço do ano, como fazem as empresas hoje, publicando estes balanços em jornais, etc (explicando, em parte, a simbologia do signo zodiacal - Balança- associado ao período). A partir do acréscimo de rituais, preceitos e símbolos judaicos e, principalmente, por terem os judeus continuado a comemorar a data até hoje, independente de localização espacial, Rosh haShaná ficou definido para todos como “O” Ano Novo judaico.

Mas meu objetivo é falar de outro, do quarto: Tu biShvat, o “Ano Novo das Árvores”, este ano (2001) comemorado no dia 8 de fevereiro. Mas pelo calendário judaico, não apenas o dia é fixo, como define o nome da festa: as letras hebraicas tet e vav, que formam o Tu, têm valor numérico 9 e 6; como 9+6= 15, significa que se comemora no 15º dia do mês hebraico Shvat.

Celebrando: costumes e simbolismos... politicamente corretos!

Um antigo costume de Tu biShvat era plantar um cedro para cada varão que nascia e um cipreste para cada menina. Quando cresciam e se casavam, os ramos destas árvores, plantadas em sua homenagem, eram usados para a hupá (dossel nupcial). Assim a árvore era associada ao ciclo da vida judaico (3).

Celebra-se também preparando-se uma mesa com frutos, tipo um luau kasher, especialmente os sete enunciados na Torá (Dt 8:8) como especiais de Israel: trigo, cevada, uva, figo, romã, azeitona e tâmara.

Outro costume é ter 15 frutos diferentes na mesa para simbolizar o 15 de Shvat. Além deles, procura-se encontrar uma fruta da estação, que ainda não se comeu neste ano, para recitar a bênção Shehe’heianu.

Podemos também simplesmente fazer passeios, nos colocando em contato com a natureza – política e ecologicamente correto, além de saudável!

Hoje em dia, em Israel, é costume plantar árvores, para aproximar as pessoas da terra e para o reflorestamento, marcando a data como uma das mais antigas práticas ecológicas. Este ano, como mencionei, sendo de Shemitá, no qual o plantio de árvores é proibido, foi criada uma alternativa cibernética pelo Keren Kayemet LeIsrael: um “site de plantio virtual”... (sério mesmo! http://www.kkl.org.il/virtual_planting/default.htm)

Ainda atinente ao binômio Judaísmo & Ecologia, a Torá proíbe cortar ou danificar uma árvore que dá frutos (Dt 10:19) ou cruzar árvores em crescimento para produzir uma nova classe de frutos.
A Torá compara o ser humano às árvores: “Pois o homem é como uma árvore do campo” (Dt 20:19). Assim como as pessoas são julgadas em Rosh haShaná, as árvores são julgadas em Tu biShvat. Nesta data também devemos repensar os exemplos que as árvores inspiram:

1.Uma árvore se compõe de raízes, tronco e frutos; o homem também. As raízes, não se vê; estão escondidas sob a terra, mas é delas que a árvore tira sua força e vitalidade. Quanto mais fortes forem, mais forte será a árvore. No homem, as raízes são a fé e também por onde absorve o saber. O tronco, a parte mais evidente da árvore, é por onde também o homem pode se definir, se mostrar ao mundo. Quanto aos frutos, a plenitude de uma árvore só é atingida quando começa a dar frutos. Para que serviriam raízes profundas e um tronco imponente, se nada vivo saísse dos mesmos? No homem, esses frutos são a capacidade de ajudar e ensinar, tornando-os também árvores sólidas.

2.Das árvores podemos (e devemos) tirar também outro ensinamento: a humildade. As árvores são diferentes no inverno e no verão (embora aqui em “Pindorama” seja menos evidente...) No inverno, quando os frutos já foram colhidos e as folhas caíram, as árvores ficam retas, os galhos apontando para cima. No verão, carregadas de frutos e folhas, as árvores se inclinam com o seu peso. O mesmo acontece com os seres humanos. O homem vazio de conhecimento é arrogante e orgulhoso. O homem sábio se curva, pois quem é realmente grande é verdadeiramente humilde. Conhecer a palavra humildade todos conhecem, difícil é aplicá-la na vida prática... Ela é necessária não só no convívio com os outros, mas no relacionamento com Deus. Só o humilde encontra inspiração na oração. O sucesso cega as pessoas a ponto de perderem Deus de vista. Na presença da doença ou da morte, todos são humildes, mas quando a sombra negativa se afasta, o antigo orgulho volta e Deus sai de cena. Todos nós podemos ter tido esta atitude alguma vez...

E você ... o que acha?

 
Notas:
(1) Politicamente incorreto, um pouco de marketing pessoal: leia mais sobre o assunto em “`A Luz da Menorá - Introdução à Cultura Judaica”, da autora deste artigo, Capítulo V: O Ciclo Vital Judaico.
(2) Ver “Interseções - Relações do Judaísmo com outras culturas e religiões na Antigüidade”, da autora do artigo, que trata do assunto.
(3) Correndo o risco de dar uma de árvore no inverno, ver (1), Capítulo IV: Festas e Feriados Judaicos.  


 
 
Colaboração de Jane Bichmacher de Glasman,
janeglasman@terra.com.br
professora da UERJ e do ISTARJ, escritora 
 

 



 

    

 

Direção e Editoria
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br