Ano 13 - Semana 694
 

 

     24 de julho, 2010
-

9 de av: Rompendo Muralhas


Jane Bichmacher de Glasman

 

Rupturas e angústias

O período de 3 semanas de 17 de Tamuz a 9 de Av é conhecido como bein há-meitzarim que significa entre angústias, aflições ou literalmente, estreitezas[1].


Em 17 de tamuz recordamos muitas rupturas: das tábuas por Moisés; das muralhas de Jerusalém; do santuário do Templo profanado; da oferenda diária interrompida; dos rolos de Torá queimados por Apóstomo... Não foi à toa que Sadam Hussein “batizou” seu reator nuclear de Tamuz 17!
 

Já 9 de av é a data mais sombria do calendário judaico.

 

O Talmud (Taanit 29-a) nos conta que tudo começou um ano e meio após o êxodo do Egito: antes de o povo judeu entrar e conquistar a Terra Prometida, Moisés enviou para lá doze espiões. Ao voltarem, disseram ao povo que os habitantes eram muito fortes e que os judeus tinham poucas chances de vencê-los. Segundo a Torá, "Naquela noite, o povo chorou" (Nm 14:1). D’us puniu os israelitas por essa falta de fé, decretando que iriam errar pelo deserto durante 40 anos até morrer. Somente seus filhos iriam entrar na Terra Prometida. E acrescentou: "Esta noite choraram em vão; Proclamarei este dia como dia de luto para as gerações vindouras". Era dia 9 de Av...
 

 

 

E é longa a lista de fatos trágicos que nele se registram:

 


586 a.e.c. - Destruição do Primeiro Templo pelos babilônios;

 

70 e.c. - Destruição do Segundo Templo pelos romanos e o início do Exílio;

 


135 - Queda de Betar, último reduto da Revolta de Bar Kochba, com milhares de judeus mortos ou exilados e a última esperança de reconquistar a independência dos romanos destruída;

 

136 - Jerusalém foi destruída e a romana de Aelia Capitolina estabelecida em seu lugar;

 



1290 - Assinatura do édito de expulsão dos judeus da Inglaterra;



1492 - Os judeus foram expulsos da Espanha;


 


1555 - O Papa Paulo IV força todos os judeus de Roma a se mudarem para uma área malcheirosa próxima ao Rio Tiber e a pagar pelo muro que cercava o Gueto;




1914 - Início da Primeira Guerra Mundial (e a Alemanha derrotada foi o solo fértil da Shoá);
 

1942 - Começo da deportação dos judeus do Gueto de Varsóvia.

 


No ciclo de vida judaico, que continua e se repete, foram inseridas tradições para lembrar que a alegria não está completa sem Jerusalém e o Templo:

- um prato é quebrado na assinatura de um contrato de noivado;

- o noivo quebra um copo debaixo da hupá após a cerimônia de casamento;

- uma pequena parte de parede em toda casa nova é deixada sem gesso ou sem pintura

 

Por quê?

O Talmud (Yomah 9b) explica que o Primeiro Templo foi destruído por causa de idolatria, homicídios e imoralidade sexual. Durante a época do Segundo Templo, os judeus estudavam a Torá e respeitavam suas leis; todavia, se odiavam. Ele foi destruído por uma só razão: sinat hinam ou ódio gratuito: as pessoas se odiavam sem nenhuma razão, não havia compaixão e falavam mal uns dos outros (lashon hará). Nossos sábios ensinam que esses atos são equivalentes (ou piores) do que idolatria, imoralidade e assassinato. Tanto que o Primeiro Templo foi reconstruído 70 anos após sua destruição, e o segundo, quase 2000 anos depois, ainda não...

 

O Talmud (Guitin 55-57a) conta uma estória que simboliza este ódio: no meio de um banquete dado por um homem rico, este descobre que Bar Kamtsa, seu inimigo, tinha sido convidado em vez de Kamtsa, seu amigo, e se recusa a ouvir a súplica de Bar Kamtsa para não ser humilhado em público ou mesmo sua oferta para pagar as despesas. Pôs Bar Kamtsa para fora à força, o qual, em represália, incitou Roma contra o povo judeu.

O anfitrião não aceitou Bar Kamtsa de jeito algum. Qualquer reconhecimento seria admitir que existisse um intrínseco relacionamento. Permitir que Bar Kamtsa ficasse significaria haver uma conexão, e, portanto, em algum nível, um compromisso - e isso, para o anfitrião, era impensável.

E esta é a essência do Sinat hinam, ódio gratuito: a recusa em reconhecer um relacionamento, uma conexão, um compromisso com o outro, não por causa de algo que a pessoa fez, mas tão somente por causa da pessoa, sua presença, intruso no “espaço pessoal”. Sinat hinam significa que o simples fato de a outra pessoa existir é uma ofensa.

 

Uma lenda (Midrash Eicha Raba) narra, com fins educativos, que na noite de Tisha beAv, a alma do patriarca Abrahão entrou no Kodesh há-Kodashim[2] e perguntou: D´us, onde estão meus filhos? D´us respondeu: Eles pecaram, portanto os exilei entre as nações. Abrahão insiste: Mas não havia nenhum virtuoso? D’us explicou: Cada um se regozijou com a ruína do outro...
 

As muralhas

E qual a relação disto com as muralhas de Jerusalém?

Uma muralha protege os que estão dentro de invasores indesejáveis e une os que estão dentro de seus limites, forçando o reconhecimento de um vínculo entre as pessoas. Quando ela é rompida, ambas as funções são perturbadas - inimigos podem penetrar na cidade e as pessoas podem ignorar suas obrigações, abandonar a cidade, romper sua unidade.

 

A muralha que cercava Jerusalém unia os judeus numa existência comum através de Ahavat Israel, amor fraterno, porque dentro do muro localizava-se o Templo, representando a mais elevada conexão e o mais profundo compromisso. Sinat hinam, a falta de união, de consciência da conexão essencial entre o povo judeu, provocou o exílio. Para trazermos a Redenção, precisamos praticar Ahavat chinam, amor gratuito e incondicional. Para reconstruir a muralha, precisamos reconhecer e validar nossos relacionamentos, exprimir nossa unidade essencial.
 

Um só coração...

 “Nada mais inteiro do que um coração partido[3]”...

 

Conta-se que, certa vez, Napoleão Bonaparte ouviu lamentos e choros vindos de uma sinagoga. Querendo saber o motivo, vieram lhe informar que aquele era o dia de Tisha beAv e que os judeus estavam chorando pela destruição de seu Templo em Jerusalém. “Como eu não ouvi falar? Quando aconteceu?”, perguntou Napoleão. Quando descobriu que o fato havia ocorrido quase 2.000 anos atrás, Napoleão disse: “Uma nação que recorda seu Templo destruído e lamenta tão profundamente e por tanto tempo sua perda, certamente terá o mérito de vê-lo reconstruído!”

 

É hora de unirmos nossos corações. Parafraseando Napoleão, não há outro povo no mundo cuja vida tenha sido tão influenciada por acontecimentos tão antigos. Apenas quem sabe lembrar e sofrer as dores do passado é capaz de reconstruir o seu futuro.

 


 

[1] Esta seria a origem judaica da expressão “agosto, mês de desgosto”, introduzida por cristãos-novos, pois o mês de Av costuma cair nesta época. Ver “9 de Av e Sefarad” Visão Judaica nº 70, julho de 2008 www.visaojudaica.com.br/Julho2008/artigos/4.html

[2] O lugar mais sagrado do Templo em que apenas o Sumo Sacerdote podia entrar em Iom Kipur

[3] Frase de Rabi Menachem Mendel de Kotzk (Polônia, 1787-1859)



Jane Glassman é  Doutora em Língua Hebraica, Literaturas e Cultura Judaica,
Professora Adjunta, Fundadora e ex-Diretora do Programa
de Estudos Judaicos – UERJ, escritora.

 

 



Direção e Editoria - Irene Serra