VARIEDADES


   
Osias Wurman


Homenagem ao Iom Hatzmaut
 
Ser independente é viver em paz !


Esta é a semana em que o povo israelense comemora seus 52 anos de independência. Nascido sob imenso bombardeio de seus vizinhos árabes, o Estado Judeu já enfrentou 4 guerras e a operação "Paz para a Galiléia " , que foi deflagrada em l982, sendo que as tropas israelenses permanecem ocupando parte do sul do Líbano até nossos dias. Os motivos que originaram esta última ação continuam a perturbar a fronteira líbano-israelense. São os bombardeios às regiões limítrofes, transformada em alvo de foguetes Katyusha, lançados agora pelos guerrilheiros xiitas, pró-Irã, do movimento Hezbolah, preferencialmente sob as tropas de Israel ou em alvos civis na cidade de Kyriat Shmonah.

O povo de Israel construiu na sua pátria ancestral, em pouco mais de meio século a maior democracia do Oriente Médio, numa nação pluralista, com uma pujante economia, uma sociedade estável, um forte e independente Poder Judiciário e um alto padrão de desenvolvimento tecnológico.

Foi transformada em "terra segura " para os 50 mil imigrantes que chegaram nos primeiros quatro meses de sua independência , vindos rotos e esfarrapados física e moralmente , a maioria sobreviventes do Holocausto . Nesta semana , o país comemorou o desembarque do um-milionésimo imigrante chegado da antiga União Soviética. Já são mais de 2,5 milhões de imigrantes recebidos em apenas 52 anos de existência , transformando o sionismo ( a volta à Sião – nome bíblico e poético de Israel) no maior fenômeno revolucionário do século XX.

Na população atual de Israel de 5,5 milhões de habitantes , a idade média desta jovem sociedade é de 27 anos , onde 81% são judeus , sendo mais de 50% nascidos no país e , o restante , imigrantes oriundos de mais de 70 países . Os árabes totalizam 17,3% e são , em sua maioria , muçulmanos.

Todos os israelenses , independente de suas origens , compartilham dos avanços que foram alcançados pela jovem nação multi-étnica , multi-religiosa , multi-linguística e pluri-cultural. Aos 5 anos de idade , todos os israelenses têm a obrigação de freqüentar o jardim de infância , sob o regime de gratuidade total. Em Israel não existem analfabetos.

Em l948 , antes da independência , estudavam em Israel 1600 estudantes em suas duas universidades : o Technion de Haifa fundado em 1924 e a Universidade Hebraica de Jerusalém , fundada em l925 . Hoje são mais de 150 mil alunos no ensino superior , sendo 100 mil em universidades , 24 mil em faculdades isoladas e 28 mil em cursos da Universidade Aberta. As universidades israelenses produzem mais que o dobro de patentes obtidas pelas similares americanas e nove vezes mais do que as canadenses.

Como produto desta filosofia de ensino altamente democratizada , os diversos segmentos da economia israelense vem se destacando nos mais variados campos de ação . A agricultura é quase auto-suficiente , baseada nos avanços das pesquisas. As vacas leiteiras de Israel são as campeãs mundiais de produção de leite , chegando a mais de 10 mil litros anuais como média por cabeça. Os israelenses são pioneiros em biotecnologia agrícola , na irrigação por gotejamento e na reciclagem de águas de esgoto para uso na agricultura. Os mais modernos sistemas de irrigação e de fertilização já são controlados inteiramente por computadores.

Na industria , os produtos de alta tecnologia representam 65 % da produção , sendo que 50% são direcionados para a exportação. É o líder mundial em fibras óticas , bem como na lapidação de diamantes . A robótica é amplamente usada em aplicações industriais . Os equipamentos computadorizados na impressão , computadores gráficos e sistemas de imagem são exportados para os principais centros mundiais de edição e publicações. Israel é o segundo maior exportador de software para computadores , logo após os Estados Unidos. Nomes famosos como o programa de "chats" ( conversa em tempo real via computador ) ICQ e o tradutor simultâneo de textos mais usado na Internet – o Babylon , são produtos israelenses.

O turismo em Israel representa uma importante fonte de divisas e gerador de empregos . São mais de 50 mil pessoas trabalhando neste segmento , que receberá neste ano cerca de 3 milhões de visitantes. Cerca de 90 % provenientes da Europa e das Américas.

Da pesquisa médica tem saído importantes avanços como os scanners para tomografia computadorizada , a micro-computação usada na medicina , os instrumentos cirúrgicos a base do raio laser , a monitoração computadorizada dos pacientes , a ressonância magnética , os scanners de ultra-som . O turismo médico é bastante ativo nas especialidades em que os tratamentos são os mais eficientes do mundo como do reumatismo , psoríase e da asma. Todo este arsenal tecnológico está à disposição da população em todas as faixas etárias. O tratamento médico integral e vitalício é garantido por lei em Israel. Em conseqüência , a expectativa de vida é alta sendo de 80 anos para as mulheres e de 76 anos para os homens.

O Seguro Social é institucional e garante uma renda mínima individual e familiar , que é suplementada sempre que atinge o patamar mínimo. O salário mínimo em Israel é de 800 dólares , sendo o governo o maior empregador do país.

Todos estes avanços se refletem na economia do país , que apresenta o mais alto índice de crescimento do PIB de todo o mundo ocidental na década de 90. A renda per capita é superior a 16.000 dólares , a inflação anual é inferior a 2% , e o PIB anual é de 100 bilhões de dólares. O déficit comercial é de 6 bilhões de dólares com as exportações somando 21 bilhões e as importações em 27 bilhões de dólares.

Mas todos os avanços e conquistas acima relatados , construídos em 52 anos de independência política da nação judia , não permitem dizer que a sociedade israelense é inteiramente independente . Sua dependência à ajuda externa , que já acumula o total de mais de 110 bilhões de dólares recebidos nos 50 primeiros anos , é motivada pelo permanente estado de guerra com seus vizinhos . Atualmente as frentes síria , libanesa e palestina , obrigam Israel a gastar mais de 10% de seu PIB ( 10 bilhões de dólares) em defesa. Este é um valor muito alto que é pago , em parte, pelo contribuinte israelense.

Também as perdas humanas vêm sendo dramáticas para o povo de Israel. Foram mais de 20 mil jovens , com idade entre 18 e 23 anos , que tombaram defendendo a nação . São mães que não dormem , viúvas e filhos inconsoláveis e uma multidão de enlutados . Do lado árabe também é grande a dor pelo sangue derramado pelos seus jovens.

Chegou a hora dos líderes políticos da região entenderem que o preço pago está sendo alto demais. Que todos as nações da região têm o legítimo direito de se tornarem independentes , mas de nada adiantará esta independência política se não vier acompanhada de um mútuo respeito das nações limítrofes e de um construtivo relacionamento entre todos os povos da região.

Ser independente é viver em paz !

Osias Wurman – é jornalista.
O Globo - Opinião - 12/05/00.
Enviado por Leon M.Mayer
Presidente da Loja Albert Einstein da
B'nai B'rith do RJ

                

       

Esta página é parte integrante da Revista Rio Total

       

Editoração e Coordenação
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br