DIÁLOGO CATÓLICO-JUDAICO

         
Leon M. Mayer

       

VAMOS EVITAR SINAT CHINAM
(ÓDIO INTERNO)

      
Li com muita atenção e alegria o corajoso artigo do Rabino Raphael Shammah Rosh Jeshiva Or Israel College "Ódio à Religião, Por Quê?" como também o corajoso artigo do Rabino Henry Sobel, Presidente do Rabinato da C.I.P "Convite ao Diálogo", ambos publicados no número 203 de março de 1997.
É bonito saber que o Rabino Shammah se define como um judeu que cumpre a Torá e ama todos os homens, considerando todo judeu como seu irmão.

Há muito tempo que queria escrever algumas linhas sobre um tema que nos últimos tempos causou indignação na maioria da comunidade.
Após ler a matéria do rabino Shammah, continuei sem entender o porquê de, quando o Rabino Sobel, por ocasião do assassinato do Primeiro-Ministro de Israel, Itzhak Rabin, procurou outros rabinos a fim de organizar uma Haskará conjunta, todos recusaram. Imagino que o Rabino Shammah ignorava isto, pois ali teria a resposta a seu artigo "Ódio à Religião, Por Quê?".

Eu penso que, para evitar o Sinat Chinam, devemos ir ao diálogo. Já existe o Diálogo Catálogo-Judaico que, como fruto, deu a Nostra Aetate Encíclica Papal e 30 anos depois chegou-se ao estabelecimento das relações do Vaticano com Israel.
Deveríamos promover o diálogo ortodoxo liberal, diálogo que ensine a respeitar a individualidade de cada judeu. Mas este diálogo lamentavelmente não existe e, se não dialogarmos, retrocederemos 2000 anos.
Se por um lado, o Rabino Shammad, em boa hora, acha que só o diálogo pode acabar com o ódio e o medo aos religiosos e, por outro lado, o Rabino Sobel faz um convite ao Diálogo, então o que estamos esperando?
Vehahavta Lereacha Camoha, Amarás o teu semelhante como a ti mesmo.

Vamos convocar para iniciar este Diálogo mesmo que no início seja somente entre duas pessoas Rabino Shammah e Rabino Sobel a fim de que, através do diálogo, encontrem o segundo passo. Acho que assim todos estaremos no caminho certo.
Por ocasião do acordo do restabelecimento das relações com o Vaticano, Shimon Peres, então ministro das Relações Exteriores, expressou um desejo compartilhado por muitos de seus compatriotas.
"Não desejamos que os católicos se tornem judeus, nem que os judeus se tornem católicos. Não pretendemos mudar a religião nem a crença dos fiéis, mas pretendemos, sim, mudar as relações entre as religiões".

Neste Diálogo só vamos procurar mudar as relações entre as diversas correntes do pensar judeu.
Vamos caminhar juntos para enfrentar nosso problema comum: a assimilação e o anti-semitismo.

Leon M. Mayer é
Presidente da Loja Albert Einstein da
B'nai B'rith do RJ

Revista Rio Total