DIÁLOGO CATÓLICO-JUCAICO


            
Revª Petra Heldt

          

Mudança de guarda?
         

No ano passado, o Deus da vida e da morte chamou a Si nossos amigos, pilares do encontro judaico-cristão: Padre Daniel Rufeisen, Profª Drª Pnina Nave Levinson, Dr. Bernard M. Resnikoff, Prof. Zeev Falk e Profª Hava Lazarus Jaffe em Israel; Rev. Dr. Jim Lyons, Prof. Dr. A. Roy Eckardt, Prof. Dr. Paul van Buren e Rev. Edward Flannery nos E.U.A. Cada um deles era um bom amigo, combinando refinado intelectualismo com fé religiosa. Esta brilhante mistura Ihes permitiu desenvolver um tipo de liberalismo que sabe honrar a paz e a memória do próximo. Num tal terreno, a paz e a reconciliação puderam crescer, a fim de modelar o futuro.

Em Israel e em muitas igrejas, nossos falecidos amigos eram considerados, nos últimos anos, como autoridades. Suas palavras modificaram teologias, linhas políticas e atitudes. Seu trabalho era consolidado, e eles fundaram conhecidas instituições.

A nova guarda encontra-se na seguinte situação: O Establisbment está se modernizando, à proporção que participantes na moda, dotados de fundos, esguicham por todo o mundo, como as palavras em suas internets. É dada pouca atenção à linguagem da memória, expressa em labor dedicado, a longo prazo, a verdadeira base da comunicação entre as pessoas. O trabalho minucioso, cuidadoso e doloroso é empurrado para o lado, sendo dada preferência a generalidades, superficialidades, e erros. As agendas são estabelecidas por considerações políticas e financeiras, e não pela realidade e por necessidades genuínas.

Isto foi sentido nas relações judaico-cristãs, que passaram por uma palpável deterioração. Poucas instituições, tanto em Israel como no exterior, estão ainda comprometidas ao trabalho a longo termo no campo das relações judaico-cristãs. A desconfiança do outro está crescendo, tanto no lado judeu em relação aos cristãos quanto no lado cristão em relação aos judeus. Haverá cristãos que desejam visitar Israel, ou que esperam estender sua estadia em Israel "não oficialmente", e que protestam que a obtenção de visas para tal se torna quase impossível e que se indagam: Por quê? E haverá judeus que chegaram com atos de anti-semitismo "não oficiais'' cinqüenta anos após a Shoá, quando eles abordam este assunto? Serão estes problemas reais, que exigem soluções verdadeiras? E estes são apenas dois exemplos. Por acaso as instituições existentes estão preparadas para enfrentar estes problemas? Para dizer a verdade. elas realmente querem enfrentá-los?

Há um crescente número de intelectuais e leigos que desejam aprofundar seus conhecimentos da Bíblia sobre o moderno Estado de Israel. Quem dará resposta a esta necessidade? A maioria das instituições cristãs e judaicas empenhadas na promoção das boas relações não dispõe nem do apoio financeiro nem dos recursos humanos necessários. Por outro lado, registraram-se algumas iniciativas bem-vindas surgidas de instituições fundadas para o incremento das relações judaico-cristãs. Assim, a Fraternidade Ecumênica apoia as Igrejas Ortodoxas em seu interesse recém desenvolvido pelo diálogo; o Pontifício Instituto de Ratisbonne está oferecendo educação acadêmica. E há outros movimentos na mesma direção.

Uma mudança de guarda? Sim, realmente! Precisamos agora garantir que as admiráveis conquistas de nossos predecessores continuem a produzir frutos também no terceiro Milênio.


Revª Petra Heldt é Secretária Executiva da
Fraternidade Ecumênica de Pesquisa Teológica em Israel
Enviado por Leon M.Mayer
Presidente da Loja Albert Einstein da
B'nai B'rith do RJ

 

 

Editoração e Coordenação:
IRENE SERRA
irene@riototal.com.br

Revista Rio Total