08/10/2005
Número - 445

ARQUIVO
ALBERTO COHEN




   

Alberto Cohen


Nazarezinha


 

 

A relação do povo paraense com sua Santa Padroeira vai muito além da subserviência religiosa. É intimidade, quase cumplicidade respeitosa, que se observa até na forma carinhosa como é tratada: Mariazinha, Nazaré, Nazarezinha...

Independente dos milhões de acompanhantes e do que representa o Círio para todo um povo, sempre me impressionou a expressão personalíssima e individualizada do amor de cada fiel pela Santinha. É o amor do filho único que tem a mãe somente para si mesmo. A multidão ruge, a corda esmaga, os pés descalços tropeçam no asfalto, mas não importa, ele é menino de novo e segue a mãe, confiantemente, no caminho de retorno ao lar.

Esse amor tão grande e individual torna-se imediatamente coletivo e solidário se o interesse final for o da Senhora e suas tradições. Tremem governantes, políticos e até mesmo religiosos, frente a qualquer perspectiva de mudança no roteiro da procissão, no tamanho da corda dos promesseiros, enfim, em qualquer mínimo detalhe que se pretenda alterar. Se depender do povo tudo permanecerá como sempre foi, até que Nazarezinha não queira mais e dê um sinal de que deseja a mudança. Ela é quem sabe, não o governador, o prefeito ou o padre.

Na realidade, para o paraense o Círio não é uma procissão. É muito mais um deleite, quanto mais demorado melhor. Encurtar o percurso e diminuir a duração? Nem pensar! Pouquíssimas vezes algo parecido foi tentado e as conseqüências foram quase as de uma revolução popular. O trajeto tem que ser o de sempre e o tempo aquele que durar a caminhada, horas e relógios simplesmente ignorados.

O que importa, afinal, é que Mariazinha sinta o quanto é amada por seus filhos, no sacrifício da corda, nos pés descalços, no pagamento das promessas de cera e até nos brinquedos de miriti. Ela é a Mãe generosa das dádivas do ano inteiro, a grande esperança de tantos que não têm outra esperança. Nazaré, Nazarezinha, Senhora de Nazaré!


(08 de outubro/2005)
CooJornal no 445


Alberto Cohen
advogado, poeta e escritor
Belém, PA
AlbertoLCohen@aol.com
www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-048.htm