03/12/2005
Número - 453

ARQUIVO
ALBERTO COHEN




   

Alberto Cohen



Belos tempos


 

 

Você ainda lembra, amigo, como os caminhos do certo e do errado eram tão bem demarcados que as escolhas não deixavam dúvidas, nem se justificavam em questionamentos?

Sem querer fazer a apologia do antigamente, tudo era sólido e definido naquela época. Os valores eram passados de geração em geração como preciosidades tribais que seriam o norte da existência inteira.

A autoridade amorosa do pai, a firme ternura da mãe, o apoio certo e afetuoso dos irmãos formavam o círculo de proteção em que a família crescia como um todo, fazendo crescer, também, cada um de seus membros.

E as amizades feitas para toda a vida? E os grandes e belos amores em que as moças eram princesas e os rapazes cavaleiros andantes a serviço delas? Havia uma ordem natural das coisas apontando estradas e definindo rumos, sem jamais excluir o romance e o sonho tão necessários à alma.

É certo que a perfeição não era alcançada, mas, pelo menos, as gerações eram rios que corriam para o mar e não se perdiam nos desertos.

Hoje o mal está solto. Meninos se drogam e se matam apenas porque torcem por times contrários. As moças dos bailes funks são chamadas de “cachorras” e se orgulham disso. Pais e filhos guerreiam como adversários. E a poesia? Onde anda a poesia? E o romance? Em que brejo se esconde?

O que pode iluminar a escuridão destes tempos? As lembranças. Nada nos pode tirá-las, pois as vivemos. Como deixar de sorrir ao lembrar aquela mocinha ensinando-me dançar o bolero, dois pra lá, dois pra cá? E o primeiro beijo da primeira namorada enternecendo-me toda vez que o recordo? E meus grandes amigos, que cresceram comigo e, até hoje, são meus grandes amigos?

Vivemos em mundos paralelos: o de agora, em que assistimos estáticos o caos, e o de antes, quando sonhávamos, sonhávamos e sonhávamos. O sonho acabou? Não, ele apenas está guardado e retorna todas as vezes em que precisamos de um sorriso.


(03 de dezembro/2005)
CooJornal no 453


Alberto Cohen
advogado, poeta e escritor
Belém, PA
AlbertoLCohen@aol.com
www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-048.htm