21/06/2013
Ano 16 - Número 845


 

Seja um
"Amigo da Cultura"

ARQUIVO ALBERTO COHEN

Alberto Cohen
em Expressão Poética

 

Follow RevistaRIOTOTAL on Twitter



 

Alberto Cohen


Espectros
 

 

Alberto Cohen, colunista - CooJornal

De que me servem as flores do tapete se não tenho um jardim? E as janelas com o mundo verdadeiro lá fora fazem de mim um prisioneiro por livre opção?

O fato é que perdi o jeito de viver, de ser mais um na multidão dos seres com múltiplas finalidades, desejos humanos e um saber buscar.

Homens, mulheres e crianças com um objetivo, seja ele qual for, penetram as ruas, correm, andam e cantam com a vida a chamá-los para a farra diária do ter o que fazer. É o mundo encantado do existir apenas para o dia de hoje que será hoje de novo amanhã.

Os espectros como eu fazem parte de janelas espectadoras e de flores bordadas industrialmente, sem cheiros e com mentirosas cores. Nada além de lembranças que quase nem lembram e saudades verbais do que não aconteceu. Zumbis ainda de carne que se prenderam em ambientes fechados e soturnos com olhos-mágicos nas portas.

Passar os dias sem contar as horas. Esperar pela noite para o esquecimento do sono que pode não vir. Medo das calçadas e dos imprevistos que elas podem ou não trazer.

A casa é o forte onde as ameaças e esperanças já nem batem à porta e as flores do tapete sempre estiveram lá e estarão para sempre.

 

(21 de junho/2013)
CooJornal nº 845



Alberto Cohen
advogado, poeta e escritor
Belém, PA
albertolcohen@yahoo.com.br
www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-048.htm


Direitos Reservados