04/10/201
Ano 17 - Número 860



ARQUIVO ALBERTO COHEN

Alberto Cohen
em Expressão Poética

 

Follow RevistaRIOTOTAL on Twitter



 

Alberto Cohen


Múltiplos caminhos
 

 

Alberto Cohen, colunista - CooJornal

Quantos caminhos tem a vida? E as escolhas, que feitas de forma errada podem transformar uma existência em não existir, de que lado estão? Do lado do coração que pulsa descontrolado de paixão, ou no hemisfério do cérebro onde são arquivados os preceitos da fria razão?

Os "normais" seguirão as ruas asfaltadas, sólidas, em que os pés vão incólumes ao encontro do previsível. Os loucos e os poetas preferirão sempre os caminhos sofridos de uivar para a lua, como se ela pudesse ouvi-los e descer até eles.

As estradas (inclusive as vicinais) pavimentadas com letras são mais premonições que opções e, ao final, deixam aos leitores o desafio do seguir em frente, fazendo suas próprias interpretações subjetivas.

Pergunta-se novamente quantos caminhos tem a vida? E a poesia de qual deles emerge? Ela é destino ou consequência predestinada? O mais prodigioso dos cérebros ainda não conseguiu definir os motivos (se é que existem) que levam um indivíduo a transformar-se numa multidão sedenta de exaurir-se em letras, palavras, versos, enfim nos poemas ansiados.

Juntar pedaços distintos como se eles fossem notas musicais de uma sinfonia transmitindo a todos os seres a paixão até aquele momento contida em uma só alma. Esse é o resultado, jamais o fundamento.

A surpresa do poeta-leitor com aquilo que acabou de emergir do seu mais secreto íntimo é a prova indiscutível da existência da Poesia como entidade independente e com discípulos inesperados. Defini-la é quase definir o sobrenatural. Nada menos!



(04 de outubro/2013)
CooJornal nº 860



Alberto Cohen
advogado, poeta e escritor
Belém, PA
albertolcohen@yahoo.com.br
www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-048.htm


Direitos Reservados