ARQUIVO
ARICY CURVELLO

 

Aricy Curvello

ARICY   CURVELLO

 

Nome literário de Aricy Curvello d’Ávila Filho. Uberlândia (MG),1945. Poeta, ensaista, tradutor. Durante o período da ditadura militar (1964-1985), embora filho de Oficial do Exército, sofreu processos policiais-militares e prisões por apoiar movimentos de reformas sociais.

Os grandes críticos Fábio Lucas e Assis Brasil o consideram um dos poetas mais importantes de sua geração.

Residiu em Belo Horizonte (onde se formou em Direito, na Universidade Federal de Minas Gerais), bem como viveu no Rio de Janeiro, na Amazônia, em outras regiões do Brasil e no exterior.

Membro do Proyecto Cultural Sur, organização internacional de escritores e artistas com sede em Montreal, Canadá. Foi correspondente no Brasil da revista literária portuguesa Anto. Sócio efetivo do IHGES- Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, bem como da UBE-União Brasileira de Escritores (S.Paulo), da Casa do Escritor (São Roque/SP) e do IAT- Instituto de Artes, Cultura e Ciências do Triângulo (MG).
Integra o Conselho Editorial de Literatura-Revista do Escritor Brasileiro  (Brasília). Consultor da Enciclopédia de Literatura Brasileira.
 

Obra em poesia: Os Dias Selvagens te Ensinam (1979); Vida Fu(n)dida (1982); Mais que os Nomes do Nada (1996); O Acampamento (2004).  
A sair: Menos que os Nomes de Tudo (2007).


Obra em prosa: Anto: revista portuguesa de poesia (Florianópolis: Museu/Arquivo da Poesia Manuscrita, 2000); Uilcon Pereira: no coração dos boatos (Porto Alegre: AGE/; S.Paulo: Ed.Giordano,2000) Prêmio Joaquim Norberto 2001 (Ensaios Publicados/Biografia) da União Brasileira de Escritores/RJ; A Dimensão que não termina (Florianópolis: Museu Arquivo da Poesia Manuscrita, 2002).


Integra importantes antologias nacionais de poesia como, entre outras: Brasília na Poesia Brasileira (org. de Joacyr de Oliveira,  INL/Brasília; Ed.Cátedra/Rio, 1980); A Poesia Mineira no Século XX (org. de Assis Brasil; Rio: Imago Editora,1998). Presente em várias antologias internacionais em Portugal, nos Estados Unidos, Espanha e França.


Em Portugal consta em cinco,
como em Um Mundo no Coração/Un Monde au Coeur  (2001) e  Povos e Poemas/ Peuples et Poèmes (2002) , ambas org. pelo poeta  ensaísta francês Jean-Paul Mestas (professor da Sorbonne), e em Antologia de Poetas Brasileiros (2000), org. por Mariazinha Congílio, sendo as três pela Universitária Editora, de Lisboa.


Na Espanha, está presente em 
Antología de Poesía Brasileña (Santiago de Compostela: Edicións Laiovento, 2001, com apoio da Biblioteca Nacional brasileira e Depto. Nacional do Livro), org. pelo especialista espanhol Xosé Lois García, e em Poemas y Relatos desde el Sur, org. pelo escritor uruguaio Federico Nogara, com prefácio de Aitana Alberti (Barcelona: Ediciones Carena, 2001).


Tem
poemas  traduzidos e publicados em espanhol, francês, inglês, italiano e sueco.


Verbete: Enciclopédia de Literatura Brasileira (Prof. Afrânio Coutinho  e  Prof. J. Galante de Sousa, 1a. ed. 1990; 2a. ed. 2001)
; Dicionário Biobibliográfico de Escritores Brasileiros Contemporâneos (Prof. Adrião J. Neto, 1998 e 1999).
 

Recebeu o Prêmio Nacional Dom Quixote 2001, outorgado pelo tablóide de cultura “O Capital – Jornal de Resistência ao Ordinário”, por seu trabalho em prol do intercâmbio literário Brasil-Portugal.


Em 2005, Jean-Paul Mestas organizou e traduziu ao Francês um volume em torno de seu poema longo “O Acampamento” (“Le Campement”), para Les Presses Littéraires, em edição bilíngüe (Francês/Português) lançada na França. O mesmo poema já foi traduzido para o Espanhol pelo escritor uruguaio Federico Nogara e publicado na revista “Malabia” nº 9 (Barcelona/Buenos Aires, janeiro 2005), bem como para o Italiano pelo escritor siciliano Marco Scalabrino e publicado na revista italiana “Il Convivio” (abril-junho 2005).