31/05/2008
Ano 11 - Número 583

ARQUIVO
ARLETE REIS

 
Arlete Moreira Reis


ACORDA BRASIL!

 

Os conflitos estão a cada dia mais intensificados nas regiões que interessam às grandes Nações. A questão da demarcação das terras indígenas de forma contínua é um pretexto para que parte de nosso território com grandes riquezas naturais seja incorporado a solo estrangeiro.

O novo Ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, terá muitos problemas pela frente, lutará contra poderosos e não estou certa se conseguirá realizar a terça parte do que deseja para o nosso Brasil. Ele precisará de muito apoio político e também da sociedade brasileira para conseguir acordar esse Brasil que a maior parte dos dirigentes brasileiros insistem em deixá-lo anestesiado nesse berço esplêndido, incapaz de reagir aos seus algozes.

A Amazônia já está internacionalizada há muito tempo, as autoridades fingem não saber. Querem estar bem com os governos estrangeiros e não se importam com a nossa soberania. Ocupar a Amazônia de forma autêntica, como deve ser, apoiar, equipar e pagar bem aos militares para que tenham condições de formar grandes exércitos para vigiar fronteiras, expulsar estrangeiros que chegam travestidos de Missionários, autênticos espiões, que vão levando nossa fauna, acabando com a cultura dos índios, introduzindo a religião de seus países e depois de convertê-los, de apagar a cultura indígena, têm neles poderosos aliados para cortar nossas árvores, dilapidar nossa fauna, roubar da floresta as ervas medicinais para que os grandes laboratórios estrangeiros as industrializem e depois voltem para nós em forma de remédios pelos quais pagamos muito caro.

Naquela área nunca se viu tantas ONGS internacionais, todas querendo defender a demarcação do território indígena, mas acabando com a cultura dos índios e incutindo neles a sua religião, seus hábitos e, principalmente, dando-lhes qualquer mimo para que cortem nossas árvores de madeira nobre, como o mogno e outras. O interesse é enorme em defender a demarcação dos territórios dos indígenas que deve ser cada vez mais extenso. Será que não dá para desconfiar tanta atenção para com os silvícolas que nada têm a lhes oferecer?

Na Amazônia, grande extensão territorial pertence a estrangeiros de diversas Nações. Há alemães, suíços, franceses, japoneses, ingleses, americanos, australianos, noruegueses, chineses e tantos outros. A cada dia vão chegando mais estrangeiros tomando conta de nosso solo. Em muitas áreas o brasileiro está proibido de entrar.

O General Heleno em entrevista disse que o Brasil está colocando em risco a sua soberania com a política de demarcação de terras contínuas para os indígenas. Essa política está indo na contra-mão do que diz a nossa Constituição.

É preocupante, muito preocupante, quando o Jornal New York Times pergunta: A quem pertence a riqueza da Amazônia? Há muito estão trabalhando na surdina para dividirem entre eles as riquezas brasileiras, tais como: gigantesco volume de água potável, nossa fauna e flora e os minérios, ouro, diamante, petróleo, estanho, potássio, calcário, manganês, ferro, alumínio, cromo, estanho e nióbio, este último, utilizado na fabricação de mísseis e foguetes, do qual nossa Amazônia detém 90% de todo o nióbio existente no mundo.



(31 de maio/2008)
CooJornal no 583


Arlete Moreira dos Reis
advogada, escritora e poetisa 
arletemr@ig.com.br
 

http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-020.htm