14/06/2008
Ano 11 - Número 585

ARQUIVO
ARLETE REIS

 
Arlete Moreira Reis


Momentos de Magia!

 

O Outono se mostra com toda a sua beleza. À tarde o sol morno aquece nosso corpo, à noite vem trazendo o vento frio para que possamos nos aquecer à beira da lareira, nos braços do amado, no abraçar das crianças, o aconchego é sempre solicitado nessas noites frias. Outono e inverno são as estações que mais mexem com o meu lado romântico.
Coloco o DVD de Rod Stewart, One night only! e assisto ao magnífico show acompanhado de seus músicos, dentre eles uma jovem que toca divinamente o saxofone. As músicas vão se sucedendo, cada qual mais bonita e ritmada que a outra. Vem a saudade da juventude, dos tempos idos, como gostaria de vivê-los novamente.

Quando Rod canta They can’t take that away from me, Blue Moon e You’re in my heart, começo a dançar como se tivesse um parceiro me abraçando, inebriada, rosto com rosto e desejei muito que naquela hora o marido estivesse comigo, mas ele não gosta de dançar, daí, continuei bailando como se estivesse num salão repleto de casais enamorados, deixando entrar no coração aquelas notas musicais que magicamente moviam meu corpo num movimento vagaroso e cadenciado ao mesmo tempo, transportando-me a lugares lindos que um dia visitei, lembrando de pessoas queridas que partiram para outro plano e, terminado o show, senti-me extasiada, leve, por ter revivido momentos de grande magia, lembrado de pessoas muito importantes para mim e feliz de ainda poder sentir todo esse romantismo e desejar que todas as pessoas no mundo fossem felizes, tivessem momentos de satisfação, de alegria interior.

Alguém me disse que a solidão na velhice é muito triste, mas eu digo que depende de nós estar ou não na solidão. Se meu parceiro não gosta de dançar, danço eu, mesmo que na sala de minha casa, acompanhada de quem está dando o show. Se gosto de ler, entro para as páginas do livro e participo com o autor da trama ali contada, se não tenho um livro, vou para o computador e escrevo uma poesia, uma crônica, leio as notícias e, assim, nunca estou só, sempre tenho companhia. Não gosto da solidão, ela também não gosta de mim, assim, nunca nos encontraremos.



(14 de junho/2008)
CooJornal no 585


Arlete Moreira dos Reis
advogada, escritora e poetisa 
arletemr@ig.com.br
 

http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-020.htm