04/04/2009
Ano 12 - Número 626

ARQUIVO
ARLETE REIS

 

Arlete Moreira dos Reis


A COLUNA VERTEBRAL
 

Foram mais de trinta anos travando com ela uma luta desigual. De um lado, dizendo a mim mesma que não nasci com a dor, então, poderia vencê-la com a força da mente. Assim, trabalhava, cuidava dos afazeres domésticos, subia e descia as rampas do Forum e ela lá, teimando em me acompanhar. Reclamava da minha postura, das longas horas sentada num coletivo, dos altos e baixo dos calçamentos, dos processos pesados que carreguei e das faxinas que sempre gostei de fazer. Adoro arrumar a casa, ver tudo bonito, limpo, claro. Cuidar dos jardins, nem se fala, minha paixão.

Recebi no escritório um cliente suíço. Neste dia andava com dificuldade, ardia a lombar, dores fortíssimas. O suíço percebeu e perguntou-me se estava com problemas de coluna, porque ele sofria muito com ela. Confirmei e entregou-me um cartão: Hélio Yoshinori Taguchi, acupuntura, shiatsuterapia, moxaterapia, problemas gerais de dores, recomendando que eu não deixasse de procurar a clínica “ai,ui, ui,ai”ele a freqüentava e melhorava muito.

Dias depois, estava contando para o amável japonês minhas queixas. Durante a sessão, achei mesmo que o suíço escolheu o nome certo “ai,ui, ui,ai”, eram meus gemidos e de quantos lá chegavam. Terminada a sessão, me senti mais leve, as dores passaram, melhorei 90%. Fiz umas vinte sessões, depois só voltava quando as dores apertavam. O tempo foi passando, a idade avançando, os problemas de coluna se agravando. Resolvi procurar um ortopedista. Pediu-me uma Ressonância Magnética. Esta apontou hérnia discal e estrangulamento do canal por onde passam os nervos, daí tantas dores. Como o médico operava somente ombro, indicou-me um neurocirurgião amigo dele.

O neurocirurgião confirmou a necessidade cirúrgica. Deu-me a relação do material necessário para tanto: uma placa, quatro parafusos, broca imantada, indicando também o fornecedor. Levei o pedido à Operadora do Plano de Saúde para autorização da cirurgia, o que se daria no máximo em dez dias, me disseram eles.

Nada acontece por acaso. Acredito muito nisso. Além da demora na autorização do Plano de Saúde, houve uma cirurgia de emergência na família o que me impossibilitava de fazer a cirurgia marcada pelo médico para 30 de junho 2008. Solicitei adiar o procedimento cirúrgico, uma vez que teria de acompanhar minha filha e apoiá-la durante a recuperação. O médico não gostou, disse que minha filha se recuperaria em oito dias e que eu iria perder a vaga no hospital. Adiaria por mais oito dias. Não aceitei, pois, seria impossível alguém se recuperar de uma cirurgia delicada em oito dias. Fui à UNIMED, cancelei a cirurgia e informei a ele por escrito, dizendo que a deixaria para o final do ano. Neste ínterim, acompanho minha filha ao consultório do Dr. David Szpacenkopf, proctologista que a operou com sucesso. Conversando, demonstrei preocupação com a cirurgia de coluna. Ele me indicou o neurocirurgião Dr. José Antonio Damian Guasti, dizendo-me que assinaria embaixo o que ele recomendasse, pois, era um neurocirurgião muito competente e respeitado pelos colegas.

O médico tem agenda lotada. A secretária deu um jeitinho. Algumas semanas depois fui ao consultório na Praia do Flamengo 66/1310. Na sala de espera havia pacientes de todas as idades. Me chamou a atenção um casal de japoneses. O homem andava de um lado para o outro, impaciente. A japonesa sorriu para mim, perguntei quem ia para a consulta. Disse: - ele veio tirar os pontos, tem dez dias que operou a coluna lombar. - Puxa! Está tão bem! Duas jovens disseram-me ter operado aneurisma cerebral, fazendo elogios a atuação do médico, assim como os japoneses. Isso me deu ânimo.

Chegou minha vez. Dr. José Antonio Guasti, simpático e atencioso, olhou a Ressonância e indicou a cirurgia como o único caminho a seguir, dizendo-me que no meu caso, não precisaria nem de parafusos. Lembrei-me da placa, dos parafusos, da broca, mas não disse nada. Pediu-me os exames de praxe, sangue, risco cirúrgico e depois de vê-los marcaria a cirurgia.

No dia 2 de março fui para o Hospital São Lucas em Copacabana, confiante. O apoio do marido que não saiu do meu lado, a presença do filho Marcello e Aníbal me deram muita força. Os votos de boa sorte recebidos por e-mails dos amigos internautas, também. Fortalecendo essa corrente de energia positiva, recebo na sala pré-operatória a visita do Dr. Vivas, anestesista e do cirurgião, Dr. Guasti, reforçando minha confiança e a certeza de que tudo correria bem. A cirurgia foi realizada à tardinha. Fiquei um dia na UTI por precaução, mas tudo correu muito bem, o único incidente foram vômitos que sempre me acompanham após a anestesia. Os funcionários do hospital, educados e prestativos. Quando recebi alta, um deles me levou na cadeira de rodas até o Hotel Plaza Elysées, na Pompeu Loureiro, pertinho do hospital. Como moro em Maricá, a viagem seria longa e dolorosa para uma recém operada, por isso resolvemos aguardar no hotel o décimo dia para retirada dos pontos, e só então, regressar para casa.

Durante a permanência no hotel, recebi a visita de muitos amigos, dentre eles, Vera Manhães e Célia Loreans, trabalhamos na mesma empresa há mais de trinta anos. Levaram-me flores, frutas e calor humano. Vilma, amizade dos bancos escolares, todos os dias estava lá. Os filhos, a neta Caroline, os sobrinhos e Aníbal. Apoio dos vizinhos dizendo que não me preocupasse com o jardim, eles estavam cuidando das plantas para mim.

Em casa recebi a visita do colega de profissão, Dr. Ruy. O carinho do Dr. Ronaldo Surrage, meu médico amigo, telefonando por vários dias, preocupado em saber do meu estado e de sua enfermeira, Edna, que ficou comigo no hospital.

Me senti uma pessoa abençoada por Deus e mais uma vez foi-me mostrado que devemos sempre ajudar, ser solidários, dar uma palavra de conforto, um alô, a quem está doente ou passando por dificuldades. Eu estava colhendo o que semeei pela minha estrada. É a lei do retorno atuando no universo. Agradeço a todos pelo carinho e atenção que me dispensaram.



(04 de abril/2009)
CooJornal no 626


Arlete Moreira dos Reis
advogada, escritora e poetisa 
arletemr@ig.com.br
 

http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-020.htm

Direitos Reservados