30/09/2006
Ano 10 - Número 496

ARQUIVO
ARTUR DA TÁVOLA

 

Artur da Távola



A INTELIGÊNCIA E O CHORO

Estou deslumbrado com os Serviços de Inteligência norte-americanos.! Após alguns anos a destruição do Iraque em nome de retirar um sanguinário ditador que esconderia armamentos atômicos, em relatório da semana passada, informaram creio que ao Departamento de Estado, que a invasão do Iraque gerou efeitos contrários ao inesperado, aumentou o ódio ao ocidente e o número de organizações terroristas no Oriente, dando-lhes uma causa justa para defenderem. Estou deslumbrado com tanta “inteligência”.... Aliás há muitos anos os serviços de inteligência norte-americanos (o novo nome de espionagem), desde a guerra do Vietnam demonstram a excelência de sua burrice. Saídos da Segunda Guerra Mundial como heróis da democracia, de lá para cá, Os Estados Unidos se transformaram no mais detestado país pelo resto do mundo. Aí entrou o senhor Bush no governo, logo ele, a mais alta “inteligência” (basta prestar atenção no seu olhar) de quem se tem notícia na história. Para fazer jus ao título, ele começou por desorganizar o já precário equilíbrio mundial e despertou reações que redundaram no aumento do terrorismo. Conseguiu ajudar a enterrar o justo prestígio de uma nação com tantos aspectos positivos em seu plano interno, grandes universidades, professores luminares, muita cultura. Tudo acabou em John Wayne.

Agora, a mesma “inteligência” que levou o genocida Bush a mentir para o mundo sobre os armamentos atômicos (in)existentes no país governado pelo tirano Saddam, depois de profundas meditações, chega à conclusão que o efeito da invasão do Iraque foi um tiro que saiu pela culatra.

Aliás, cá pelos Brasis, em matéria de inteligência, a do Partido do atual governante não fica atrás....

RAZÕES PARA O CHORO
Foi lançado ontem um livro sensacional e de grande utilidade para a cultura brasileira: Na Cadência do Choro. Ele segue a tradição do Na Cadência do Samba, escrito por esse grande brasileiro que é o Haroldo Costa. Este, o do choro, foi escrito em dupla por dois craques, seja como músicos, seja como escritores: Afonso Machado e Jorge Roberto Martins, o nosso Jorginho. É um trabalho completo e fartamente ilustrado por fotografias de época e talvez o primeiro estudo sobre este maravilhoso gênero musical que o aborde além do habitual saudosismo. Possui um capítulo só sobre São Pixinguinha (única e justa exceção pessoal), no mais acompanha toda a evolução do choro (que é notável) até os nossos dias. É livro da mais alta qualidade, em edição primorosa (merecia uma edição popular) que honra qualquer biblioteca e indispensável às velhas e novas gerações de músicos de resistência diante do aluvião de músicas do Bush, digo do Rock.

Como vêem, temos vários motivos para o choro.




(30 de setembro/2006)
CooJornal no 496


Artur da Távola
escritor, poeta, radialista
RJ
www.arturdatavola.com