16/12/2006
Ano 10 - Número 507

ARQUIVO
ARTUR DA TÁVOLA

 

Casa de Cultura Artur da Távola - Portal e Web Radio, 24 horas no ar.
email: turda@globo.com

Ouça aqui os Programas de Rádio de Artur da Távola

Assista "Quem Tem Medo da Música Clássica?", pela TV Senado
- Sexta-feira, às 24 h.
- Sáb, às 10, 18 e 24 h.
- Dom, às 10, 18 e 24 h.

"Repertório" pela TV Cultura, de São Paulo
- segundas, quarta e sextas-feiras depois da meia noite, perto da uma da manhã.
 

 

 

Artur da Távola



LULA E A ESQUERDA MAIOR DE 60 ANOS
 

Estou cheio de ainda mais problemas e não sabia. Reconhecia alguns, típicos desses quase setenta e um anos e triglicérides altos, isso na qualidade de um idoso semi-novo, vidros elétricos, ar de fábrica, bancos reclináveis e pneus novos. Os demais, problemas com a melhor das intenções o Presidente Lula me arranjou, num discurso aliás de bom senso, há dois dias, quando disse que qualquer maior de sessenta (e aludiu a si mesmo), se é de esquerda é porque está cheio de problemas. Esquerda é para jovens. Ele mesmo aos sessenta, diz que já foi de esquerda e hoje está “meio para social democrata”. Ora, eu sou de esquerda e aos quase 71 anos não me considero cheio de problemas mentais, políticos ou radicais. Mas disso falo ao fim do artigo.

Então aos sessenta anos Lula descobre que a tendência natural é avançar pelo centro com idéias de esquerda! Aconteceu o milagre! E o reconheceu de público num discurso que passou em branco pelos principais analistas de nossa imprensa.

Mas está na hora de dizer o que considero ser de esquerda.

Desde que terminei os anos de exílio na Bolívia e no Chile (consegui sair de lá antes do regime Pinochet, por isso cá estou: poderia ter sumido no meio daqueles crimes hediondos) aprendi que a verdadeira esquerda não é o que eu pensava, como inchação do Estado para distribuir a Justiça Social de modo equitativo, prevenção contra a empresa privada e a idéia de que cada País deveria produzir tudo o que necessita para sobreviver. Aprendi nas leituras e no amargo exílio que a verdadeira esquerda é a democracia social ou social democracia. Nada de o Estado impor o monopólio do pensamento, religião, padrões estéticos ou ditaduras do proletariado ou de qualquer tipo. Aprendi que a verdadeira esquerda é a posição de quem deseja a renovação constante da sociedade; é generosa em seu comportamento; vive da democracia, da substituição no poder e equilibra estado e iniciativa privada num trabalho reitor feito pelos governos se possível dentro do sistema parlamentarista.

Como diz Norberto Bobbio: “nem o estado máximo dos totalitários, nem o estado mínimo dos liberais: mas o estado socialmente necessário”. E nesta esquerda democrática já milito há quarenta anos, convencido de sua razoabilidade. Fico, portanto, feliz, ao ver o Presidente Lula nesta grande revisão que está a fazer de sua vida e métodos de governo, idem de idéias e pensamentos. Só falta agora o Presidente aprofundar alguns conceitos para compreender melhor ainda que a verdadeira esquerda, típica da maturidade pessoal, psicológica, espiritual e política é a social democrática. Justamente aquela que a esquerda atrasada adora ofender acoimando-a de neo liberal.E é a compreensão de que no mundo moderno só a interdependência entre os povos garante a plenitude da soberania de cada um.



(16 de dezembro/2006)
CooJornal no 507


Artur da Távola
escritor, poeta, radialista
RJ
www.arturdatavola.com