17/02/2007
Ano 10 - Número 516

ARQUIVO
ARTUR DA TÁVOLA

 

Casa de Cultura Artur da Távola - Portal e Web Radio, 24 horas no ar.
email: turda@globo.com

Programa "Mestres da Música" Domingo às 12h na Rádio Roquette Pinto, 94,1 FM.

Programa  Esta Bossa Sempre Nossa
Domingo das 9h às 10h na Rádio Roquette Pinto, 94,1 FM.

Assista "Quem Tem Medo da Música Clássica?", pela TV Senado
- Sexta-feira, às 24 h.
- Sáb, às 10, 18 e 24 h.
- Dom, às 10, 18 e 24 h.

"Repertório" pela TV Cultura, de São Paulo
- segundas, quarta e sextas-feiras depois da meia noite, perto da uma da manhã.
 

 

 

Artur da Távola



O CARNAVAL DEPOIS DE SINHÔ
 

Por causa de minha mania de velho repórter a de guardar falas, entrevistas e documentos da música popular brasileira, há vários anos, gravei em fita uma entrevista radiofônica do pesquisador de alto mérito, Carlos Didier, autor, com João Máximo da formidável e definitiva biografia de Noel Rosa. Para o que ele disse não desaparecesse no éter, anotei na hora e agora sintetizo alguns fatos do carnaval. Com  a fala de Carlos Didier abro  a temporada de carnaval aqui neste canto de página:

 “Em 1918 entrou em cena José Barbosa da Silva, o Sinhô. Elemento da roda, freqüentador dos candomblés, pianeiro, animador de bailes, foi o compositor que mais contribuições deu ao gênero nos anos seguintes. Quem São Eles? A música tem letra irreverente na qual o Sinhô alfinetava Pixinguinha e a turma de baianos. O refrão é claro: “ A Bahia é boa terra/ Ela lá e eu aqui/ Iaiá.”

Em 1919 lançaram-se sambas em profusão. Um deles, a resposta de Pixinguinha e China, seu irmão, ao Quem são eles? de Sinhô. Quem são eles? Eu já te digo. A letra é uma caricatura do autor. “Ele é alto, magro, feio e desdentado.” A interpretação não original mas a dos Oito Batutas é de 1923. Não é à toa que os Oito Batutas fizeram nome. Sinhô lançou em 1919 três sambas: Confessa Meu Bem, Deixa Desse Costume e Só Por Amizade.  As três interpretações a cargo de Eduardo das Neves, cantor de modinhas e lundus, dos primeiros a gravar discos no Brasil. Eduardo também era íntimo do estilo que surgia. Assim nos garante Francisco Guimarães, o Vagalume, em Na Roda do Samba: “Ele sempre foi um catedrático desde os tempos de guarda-freio (era a profissão do Eduardo), daqueles bambas, daqueles que se garantiam e cujas pernas eram respeitadas numa batucada.” Vamos reservar nossa melhor atenção aos elementos musicais, à pulsação rítmica principalmente. Pode-se constatar que Eduardo das Neves está mesmo à vontade em Confessa Meu Bem, de Sinhô.

Em 1919, o samba já estava consagrado como música carnavalesca. Em 1920 os compositores de fora da roda começaram a se interessar por ele. O primeiro foi Luiz Nunes Sampaio, o Careca. O saudoso estudioso das origens do samba, o jornalista Jota Efegê, nos traçou o perfil dele: “Pianista de apurada execução, sabendo tirar das teclas o ritmo provocante, foi um carnavalesco de quatro costados. Morador do Catumbi, ligado ao Clube dos Fenianos e ao Clube dos Zoados,  de cujos bailes participava, animando-os com execução ao piano de convidativos chorinhos e desengonçantes maxixes. Como se observa, o samba atingiu em cheio o coração de carnavalescos.”

Pois é... assim falou João Didier, um mestre no assunto.




(17 de fevereiro/2007)
CooJornal no 516


Artur da Távola
escritor, poeta, radialista
RJ
www.arturdatavola.com