21/04/2007
Ano 10 - Número 525

ARQUIVO
ARTUR DA TÁVOLA

 

Casa de Cultura Artur da Távola - Portal e Web Radio, 24 horas no ar.
email: turda@globo.com

Programa "Mestres da Música" Domingo às 12h na Rádio Roquette Pinto, 94,1 FM.

Programa  Esta Bossa Sempre Nossa
Domingo das 9h às 10h na Rádio Roquette Pinto, 94,1 FM.

Assista "Quem Tem Medo da Música Clássica?", pela TV Senado
- Sexta-feira, às 24 h.
- Sáb, às 10, 18 e 24 h.
- Dom, às 10, 18 e 24 h.

"Repertório" pela TV Cultura, de São Paulo
- segundas, quarta e sextas-feiras depois da meia noite, perto da uma da manhã.
 

 

 

Artur da Távola



BUSCANDO VÁRIAS VIDAS NA PRÓPRIA

 

Um dos dramas do ser humano é este: todas as vidas que a gente tem não cabem em toda a nossa vida.

Quanto mais complexo o ser humano, maior a impossibilidade de conciliar internamente, e/ou de viver as várias vidas existentes.

Pessoas há que, para dar vazão às vidas que se tumultuam por dentro da gente, partem para a arte. Nesse sentido, a arte é puro processo de criação, porque permite a existência das várias vidas que - paralelas - vivemos internamente.

Escrever, pintar, representar, poetar, musicar, cantar, tocar, fabular são a vazão que o artista dá a todas as vidas que tem e não cabem em toda a vida vivida, porque toda a nossa vida vai sendo ocupada, desde cedo, com deveres e idéias que adotamos (ou nos fizeram adotar) e com os quais, de alguma forma, cimentamos compromissos, deveres, responsabilidades.

Outras pessoas, porém, em vez da forma projetiva, exorcista, econômica, encapsulada, simbólica ou representativa, sem a possibilidade da forma artística citada, jamais partem para viver todas as vidas que têm.

Quem se sente artista, porém, em qualquer campo, ou mesmo cientista,ou inventor consegue (não sem sacrifício) viver o máximo de vidas possível. E sem entrar na esquizofrenia, ou nela entrando no ato criativo, consegue dela sair ao concluir a criação.

Quem tenta viver todas as vidas que tem, pela coragem, pelo desprendimento, pelo impulso de enfrentar o impossível, estes, mesmo quando não merecem a adesão ou apoio dos demais (pois necessitam de muita solidão), ganham-lhes o respeito, ora invejoso ora admirado. É que são capazes de sofrer para se expor a tudo aquilo que, embora seduzindo, provoca natural temor no homem médio.

Ter muitas vidas, as tantas que não cabem em toda a nossa vida, é saber-se pouco diante do muito que se é capaz de sentir, fabular, criar. É conseguir sair da rigidez ou do empacotamento impostos na infância por adultos, escola, sociedade, classe social, todos repressores e tornar-se parte de outros mundos humanos, aos quais deve percorrer com a emoção de criança em viagem de férias.

É ser amigo de sua diversidade interior e nela encontrar, ao amadurecer, a própria identidade, alcançável (mesmo com imperfeições) no ápice do processo de desenvolvimento humano.




(21 de abril/2007)
CooJornal no 525


Artur da Távola
escritor, poeta, radialista
RJ
www.arturdatavola.com