03/05/2008
Ano 11 - Número 579

ARQUIVO
ARTUR DA TÁVOLA


Casa de Cultura Artur da Távola - Portal e Web Radio, 24 horas no ar.
email: turda@globo.com

Programa "Mestres da Música" Domingo às 12h na Rádio Roquette Pinto, 94,1 FM.



 

 

 

Artur da Távola



RESPOSTA À SUA CARTA



 

A você que me escreveu na suposição de que sou melhor do que sou porque escrevo textos com os quais tem afinidade profunda, desejo dizer-lhe o seguinte:

Não exija muito de mim. Nem me creia melhor do que sou. Conhecer é "desilusionar" (embora possa ser, também, perdoar). Por enquanto (e talvez para sempre), sou apenas um garimpeiro do Absoluto. Não me peça para definir. Nem pergunte por que o escrevo com letra maiúscula. Quer a verdade? É por medo. Já sentiu medo e esperança ao mesmo tempo? A gente tem mais medo (e mais esperança) daquilo que não conhece. No fundo, é porque mais se teme a própria fantasia do que a realidade. Esta, a gente enfrenta, a realidade. Já a fantasia, o imaginário, enquanto perduram, assustam muito.

A vida é um grande garimpo feito brincadeira pelo homem sério. Garimpamos a terra em busca da verdade do homem. A da Justiça. Garimpamos o Absoluto em busca do ouro da Verdade. Desta, só nos foi dado ter intuições, percepções, lampejos. A Verdade é a Infinitude. Porque a Infinitude é a Perfeição. Já nossa mente é finita como a vida, logo imperfeita.

A vida não é a Verdade. É mero espaço de tempo inserido entre Ela. Que está antes e depois. É flash que espocou no meio da Verdade e fulgura por breve tempo. A Verdade está no antes e no depois da vida. Durante esta, a Verdade aparece, existe, pode até salvar os homens: mas como o ouro do garimpo, sempre em pedaços.

O jeito é garimpar. Quem lhe pode garantir que a Verdade não nasça da trama íntima de nossos erros e os da própria natureza?

Não exija muito de mim.

Não jogue na minha cara as verdades do mundo. Estas eu sei. E o que doem, embora continuem encantando a minha esperança.

Não cobre do garimpeiro o ouro. Cobre-lhe a procura. A honesta procura. Por mais que saiba e por melhor que seja, o homem é apenas um garimpeiro e esperança de poucas respostas.



(03 de maio/2008)
CooJornal no 579


Artur da Távola
escritor, poeta, radialista
RJ
turda@globo.com
www.arturdatavola.com