'
25/02/2014
Ano 17 - Número 881

ARQUIVO
CARLOS TRIGUEIRO

Follow RevistaRIOTOTAL on Twitter

Carlos Trigueiro



METEMPSICOSE (2)
 

Carlos Trigueiro - CooJornal

DIA 23

Não gostei daquele assunto do horóscopo. Não foi sério. Afinal, nos dias de hoje, horóscopo é uma das poucas coisas em que as pessoas ainda podem acreditar. Do contrário, o de sempre, promessas das autoridades sobre início e fim respectivamente dos e das: espiral inflacionária, correção monetária, desajustes salariais, justiça social, reforma agrária, corrupção, dívida externa, violência urbana etc.n Usei o etc. elevado a "n" pra ser compatível com nossa (?) economia. Pois bem, todos esses problemas são irreplegíveis. Confere no Dicionário do Aurélio - vem do Latim, era termo usado pelo Padre Antonio Vieira. Adoro os clássicos. Usavam o idioma com precisão matemática. Com um só termo equacionavam o Infinito. Agora, vive-se de verborreia bumerangueana coadjuvada por numerologia surrealista daqui e gravuras quase Dalí. Mas ia dizendo: horóscopo ainda é assunto mais ou menos sério neste país, sem nenhuma paráfrase Degaulleana, cabendo, talvez, no máximo, Pascal: "só acredito em histórias cujas testemunhas tenham sido degoladas" Como a impunidade é conivente com a nossa história, todos tendem a uma espécie de diaforismo nacional (descrença em alcançar a Vergonha, a Honestidade). Não! Isso é do Rui Barbosa - ... alcançar a Verdade, mas é melhor conferir no Dicionário do Aurélio.

Voltando ao horóscopo. Ouvi de um legítimo brazilianist: "estou preparando uma tese sobre os efeitos do horóscopo e das manchetes no leitor brasileiro". É o que anda por aí... Se eu fosse editor de jornal testava mesmo. Go ahead! Tirava as manchetes tradicionais da primeira página e colocava-as no espaçoo reservado ao horóscopo e vice-versa. Só queria ver o horóscopo garrafal na primeira página: CÂNCER SOB INFLUÊNCIA SOLAR. E, na quarta página do caderno de amenidades, as notícias sem importância a respeito da penúltima revisão constitucional ou da desconstituição dos processos dos mutuários contra as regras habitacionais. Já desabafei. Pronto.

Continuo o assunto iniciado no dia 21. Entraste pra Faculdade. 0 curso de Jornalismo foi brilhante. Aluna, formanda, estagiária modelo. Profissional nem tanto. Culpa tua. Jornalista freelancer é arriscado. Ainda mais viajando por tudo quanto é lugar. Titicaca, Terra do Fogo, La Habana, Harlem, País Basco, Creta, Chipre, Suez, Ibiza, Bósforo, Sicilia, Birmânia, Sri Lanka, Manilla, Timor, Novo México etc. Não poderia dar certo. Como não deu. Teu primeiro marido não aguentou. Largou-te por telefone. Antes do sistema "discagem direta à distãncia" Sem perder a linha. O Arnaldo. Era bom sujeito apesar de mau diplomata. Depois, o Barreto, economista. Do ponto de vista literário, adoro economistas. São os mananciais dos idiomas contemporâneos. Que seria da semântica, dos neologismos sociais sem economistas? E o Barreto era totalmente economista, ou seja, não conseguia praticar a teoria. Mas as linhas estão acabando. Volto dia 24. Assinado: "Di"

DIA 24

Outra vez alguém entrou aqui e escreveu no meu Diário. A página do dia 23 estava toda preenchida. Se é alguma brincadeira, estão indo longe demais, além de reconstituírem fatos íntimos aos quais ninguém tem acesso. Será alguém que me conhece há muito tempo? Mas quem e por quê? A brincadeira está ficando desagradável. Deixei de preencher a página do dia 21 e resumi-a na do dia 22. Vou ter que fazer o mesmo com a do dia 23. Que fiz no dia 23, além dos movimentos autômanos e fisiológicos? Bem, fui ao jornal, levei minha crônica dominical e duas matérias avulsas. Aliás, o chefe não gostou da crônica. Disse que eu andava abusando de filodoxia. Amanhã vou pesquisar o que é. Tenho a impressão de haver estudado alguma coisa sobre isso no kantismo ou em outro canto qualquer. Quando saí do jornal, dei uma passada no Cervantes, aquele bar tradicional da rua Prado Júnior. Dividi a minimesa com um economista americano naturalizado (desconheço o Direito Penal de lá). Ajudou na salada russa, mas contrariou-me no presunto à Califórnia. O cara era meio louco, contou que estava vivendo com duas mulheres sob o mesmo teto e tato. Tendo olhos azuis, estranhei. Mas ele mesmo confessou: a situação estava pondo-o demente. Tudo por causa da primeira mulher, a original. Estéril e queria um filho. Nem de roda, nem de proveta. Que tivesse ao menos 60% deles. Então sugeriu que ele arranjasse uma parideira a fim de viverem a três, ou melhor, a quatro. A mulatinha Doroteia topou e nove meses depois rebentou: trigêmeos - Jefferson, Franklin e Edison. Embora brasileiro naturalizado, era um americano - e economista. Triplicar a família em um ano foi overdose: De dois para seis. Aduziu que a convivência entre as duas mulheres era formidável. Davam-se perfeitamente bem. O tripé psicossocial OK. Revezavam-se na cama, na televisão e na cozinha. O negócio complicou quando passaram da convivência à conivência: ambas desejavam um casalzinho. Foi por isso que entrou no Cervantes desvairado por um chope. Acabara de largar as duas mulheres no consultório ao ouvir do médico: MENINAS! Maldito país inflacionário, queixou-se comigo, depois do oitavo chope. Levou-o a sua alopração. Deixou-me um cartão. Trabalha numa multinacional (head-office suíça). Bem, deixei Cervantes e lancei-me pela Rua Barata Ribeiro acima até a esquina da Siqueira Campos. Começo de noite morno. Nada de interessante. Até chegar a casa, três ou quatro assaltos, não me lembro exatamente - é tão comum... Passaram-me pela cabeça as ideias de Proudhon: "a propriedade é um roubo" E assim, encarei os assaltantes como ingredientes da Miséria da Filosofia de Marx. Cheguei sem bolsa nem relógio, embora jurasse que havia saído com ambos. Desfiz a maquilagem e o espelho devolveu-me aquela propriedade inequívoca e inassaltável. Amanhã vou atualizar o Diário. Assinado: "Gi"
 

(continua)
(Em O CLUBE DOS FEIOS & outras histórias extraordinárias-
2ª edição - Editora 7 Letras)


(25 de fevereiro/2014)
CooJornal nº 881


Carlos Trigueiro é escritor e poeta
Pós-graduado em "Disciplinas Bancárias".
Prêmio Malba Tahan (1999), categoria contos, da Academia Carioca de Letras/União Brasileira de Escritores para “O Livro dos Ciúmes” (Editora Record), bem como o Prêmio Adonias Filho (200ó), categoria romance, para “O Livro dos Desmandamentos” (Editora Bertrand Brasil). RJ

carlostrigueiro@globo.com
www.carlostrigueiro.com


Direitos Reservados