01/02/2020
Ano 23 - Número 1.159

 

Venha nos
visitar no Facebook

Fabio Lau

Volto, não volto, volto, não volto....


Uma amiga viajou para o interior de Minas. Na praça da matriz conheceu um cão vira-lata, magrinho, magrinho, e fez cafuné.
O cão se afeiçoou.
Na hora do almoço, ao sair do restaurante, se deparou com o cão.
A partir dali os encontros foram frequentes.
Com uma difereça: ela passou a reservar um tasco da comida para ele.
Mas, como tudo acaba, um dia ela precisou voltar ao Rio.
Passou por ele na praça e, coração partido, só teve tempo de acenar.
Ele viu.
Estava 12 quilômetros adiante quando o dono da pousada ligou:
- O vira-lata foi visto na estrada correndo. Tá tentando alcançar seu carro.
A dor no coração partido voltou. E forte.
Ela parou o carro na estrada, botou a cabeça ao volante, e ficou matutando se deveria ou não voltar para afagar o cão e devolvê-lo ao abandono.
Adotar? Jamais.
Outros três a aguardavam no Rio.
“Volto, não volto, volto, não volto....”
Quando se deu conta o esbaforido cachorrinho, dois palmos de língua para fora, arranhava a porta do carro pedindo para entrar.
“Mineiro” agora mora na Barra da Tijuca.
Tem mãe e três irmãos.




Fabio Lau é jornalista, roteirista, radialista
RJ



Direitos Reservados
É proibida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor.