01/06/2015
Ano 18 - Número 938


Venha nos
visitar no Facebook

 

Seja um
"Amigo da Cultura"




ARQUIVO
FLÁVIO BARRETO

Flávio Barreto


Poetas profetas


Dizia Raul Seixas, na famosa música, "eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo, eu quero dizer agora o oposto do que eu disse antes". À época, o "maluco beleza" parecia insensato, embora a grande maioria gostasse de suas letras de música, ele era motivo de brincadeiras. Não era considerado pelo povão um cidadão "normal", parecia mesmo um maluco.

Hoje tenho certeza o quanto era coerente, até ao dizer que nasceu há mil anos atrás, demonstrando que vivia no futuro e mais que isto sabia o que seria o futuro. De fato, eu quero dizer agora o oposto do que disse antes, tudo está muito diferente. Agente público não se arrepende de roubar, o clima na terra está caótico, valores sociais e ética não existem mais. Assim está difícil.

A Constituição Federal diz que casamento é a união de homem com mulher, mas o judiciário do país, hoje aceita pacificamente o casamento de pessoas do mesmo sexo. Não, nada tenho contra os tais "casamentos", mas então que se mude a Constituição.

Enchente no nordeste? Sim, enchente na região nordeste, famosa pela terra sempre seca. Culpa do El Niño, La Nina? Não sei, só sei que outro profeta (Luiz Gonzaga) já tinha dito em uma música, "Oh Deus perdoe este pobre coitado, que de joelhos rezou um bocado, pedindo pra chuva cair sem parar. Oh! Deus, será que o senhor se zangou..." Agora não é apenas muita chuva é enchente mesmo.

Em "Crime e Castigo" Dostoiévski com brilhantismo consegue nos colocar dentro da mente miseravelmente esgotada de Raskólnikov e até nos fazer sentir muita pena de sua interminável angústia. Naquela obra, criminoso sentia remorso, sentia culpa. E agora como andamos?

O Jornalista Sergio da Costa Ramos, nos conta mais ou menos o seguinte: O juiz Lalau está condenado por sentenças cumulativas de 26 anos. mas na prática, o está solto. Cumpre prisão domiciliar. Ou seja: mora numa mansão do Morumbi. O fundamento da pena leve é o "estado de saúde degenerativo" do apenado. Apesar da "degenerescência", o juiz está bem para questionar na Justiça suíça o desbloqueio dos US$ 7 milhões, que ainda mantinha numa conta de banco de Genebra. A Justiça suíça negou o pedido e baseou sua decisão numa informação da Justiça de São Paulo: "Da decisão condenatória brasileira ainda cabe recurso". Pronto. Se cabe recurso, ninguém pode ser condenado a nada no Brasil. Muito menos a devolver dinheiro roubado.

Os jornais nos informam que numa avaliação feita pelo Embaixador dos EUA Thomas Sannon a diplomacia americana considera que a corrupção durante o Governo Luiz Inácio Lula da Silva, era "generalizada e persistente" E nada acontece. Sobre o assassinato da Juíza Patricia Aciolii no Rio de Janeiro apenas três foram presos e somente depois de mais de trinta dias.

Em 1965, um comerciante de uma pequena cidade de Santa Catarina tinha guardado dezenas de sacos de farinha de trigo que não colocava à venda esperando aumentar os preços, embora a cidade estivesse sem o produto tão necessário. Um tenente do exército visitou o tal comerciante e lhe disse que se o trigo não fosse posto à venda em vinte quatro horas ele teria sérios incômodos. Antes disto, bem antes, poucas horas depois já estava à disposição dos consumidores o precioso produto, pelo preço normal, sem acréscimos.

Não, não quero que voltem regimes de exceção, eu quero é respeito à ordem, à lei, ao direito, à moral, à ética e se não for pedir muito, estações climáticas regulares. Sei, sei que os poderes públicos não regulam o clima, mas se pudessem acertar o resto seria bom. Assim espero.
 


- Comentários sobre o texto podem ser enviados, diretamente, a flavio@martinsbarreto.com.br

Texto publicado anteriormente no CooJornal em 16/09/2011.

(01 de junho/2015)
CooJornal nº 938


Flávio Barreto - Economista e advogado.
Mora e atua como consultor jurídico em Florianópolis, onde colabora com artigos em jornais.
É membro da Sociedade dos Poetas Advogados de Santa Catarina, entidade ligada à OAB/SC.



Direitos Reservados
É proibida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor.