25/08/2007
Ano 11 - Número 543

ARQUIVO
HELGA SZMUK

 
Helga Szmuk



Culpa de quem?

 

Porque é tão difícil de admitir uma culpa? Todos nós gostamos de culpar o professor que deu uma nota baixa no ginásio, culpar o médico por falecimento de um doente, a mudança do tempo ou a chuva por nosso resfriado, etc. (apesar de não entendermos nada de medicina). Hitler teve jogo fácil em culpar os judeus capitalistas ou comunistas durante uma crise brava depois da primeira guerra mundial, Stalin culpou os ricos e não é raro ouvir entre nós que a culpa é dos americanos.


De quem e a culpa afinal? Tem um provérbio que diz que uma maçã podre contaminar as outros. Se for assim, então a solução seria separar todos os criminosos de uma vez e o resto seria bom. Mas seria simples demais. Sempre vão surgir novos criminosos. Então, é a cesta que está contaminando os maçãs? Também não!

Eu conheço somente na história da Alemanha fatos que mostram o contrário: Beethoven teve um pai alcoólico e ele se tornou um dos maiores gênios da história da música. Em compensação, o sobrinho dele (de uma cesta excepcional) era um vagabundo. Goethe a mesma coisa. O filho dele somente trouxe dor de cabeça para o pai genial. Newton, um de muitos irmãos, se tornou grande e os outros irmãos medíocres.
Não conheço a história brasileira, mas tenho certeza que não está sendo diferente. Pais de mau caráter com filhos bons e vice-versa.

Não acredito que Deus criou filhos bons e filhos ruins! Por que faria isto? Então a resposta seria que depende de nós e somente de nós escolher um caminho bom ou um caminho errado.

Eu li um artigo sobre pessoas cruéis, em que um guarda de uma prisão nos Estados Unidos maltratava os prisioneiros. Ele freqüentava a igreja ao domingos, tinha a bandeira dos Estados Unidos na frente da casa dele e teve lágrimas nos olhos quando ouviu o hino nacional.
Por que os torcedores batem um ao outro por causa de um jogo perdido ou ganho? Também adoram a bandeira e o hino do clube.
Os japoneses maltrataram os prisioneiros durante a segunda guerra mundial, também em nome da bandeira e do rei. Será isto a culpa de todos os males? Não sei, mas tenho certeza que depende de nós e somente de nós escolher o caminho.

Está muito na moda, também, culpar os pais por tudo. Eu me lembro - e nunca vou esquecer - quando em Viena o pai de um amigo do meu irmão, um discípulo direto de Freud, disse para mim quando perguntei se era verdade que eu me parecia com minha mãe. A resposta foi: "mas isto não é nada de se orgulhar!!" Nunca até hoje vou esquecer o choque que senti. Hoje eu sei que ninguém é responsável por meus atos senão EU mesma. O resto é falta de responsabilidade por seus atos, nem o pai nem a mãe, menos ainda a chuva ou o sol são responsáveis.


 


(25 de agosto/2007)
CooJornal no 543


Helga Szmuk
astrônoma amadora, professora de idiomas
Florianópolis, SC

helgasz@uol.com.br
 http://www.riototal.com.br/astros/