09/04/2011
Ano 14 - Número 730

 

Seja um
"Amigo da Cultura"



ARQUIVO
ROSA PENA



Seus poemas em Expressão Poética

 


Rosa Pena



Será que bebi ou vivi demais?



 

Rosa Pena, colunista - CooJornal

A covardia está encontrando terreno fértil em mim. Digo que prefiro o turismo interno, para não declarar que bombas, terremotos, tsunamis me prendem a esse solo varonil.
Salve-salve o Brasil.

A fraqueza também travou minha língua. Tenho deixado de devolver varadas verbais, principalmente oriundas de folhas secas de minha árvore genealógica (família é droga pesada, é crack, dependência eterna) com a desculpa de não querer alimentar rancores. Mentira! Sinto receio de me magoar mais ainda com essa herança forçada.

O temor teima em vendar meus olhos para que eu não leia tanto sobre esses tiranos da democracia. Não me falem apenas de Kadafi. Têm tantos por aí com fantasias e alegorias de paz. Ganham até Nobel!

Por onde anda minha juvenil valentia? Será que foi a idade que me fez bailarina pequenina e frágil que só se expõe dentro de uma caixinha de música? Tenho escrito pouco por total falta de ânimo. O antônimo, esse maldito desânimo, é acovardamento.
É sim. Sem exposição, sem preocupação.

E eu, que já falei tanto, briguei pra cacete, andei torta, voei alto, não sei o exato momento em que passei a guardar minhas palavras de protesto na garganta, esconder minhas asas no fundo de um baú, permitir conformada que a flor que sempre existiu em mim começasse a murchar. Também... Sem luz!

Mas, como posso teimar em continuar a querer o infinito, vendo em volta o tédio, quase geral, com a lua e o cheiro de césio, quase total, comprometendo a criança que ainda vem?

Só torço para que esse acovardamento caduco não me faça engolir os beijos que estão em meus lábios e eu ainda não lhe dei.

No mais passa a régua e fecha a conta. Será que bebi ou vivi demais?
 


(
09 de abril/2011)
CooJornal no 730


Rosa Pena
professora e escritora
RJ
rosapenarj@br.inter.net
www.rosapena.com


Direitos Reservados