02/05/2003
Número - 313




 
Rui Martins



ATENTADO EM ISRAEL
 

O atentado suicida, em Israel, matando três pessoas e ferindo 55, é um desafio dos extremistas palestinos ao recém-nomeado primeiro-ministro Mahamoud Abbas, que prometeu acabar com o terrorismo, no seu discurso de posse, algumas horas antes do atentado.

Mahamoud Abbas, que praticamente passa a ter o poder antes nas mãos de Yasser Arafat, tinha tambem enfatizado que o caminho da paz com Israel implica em se acabar com as colônias israelenses nos territórios palestinos.

Os europeus depositam grande confiança no novo líder palestino, que prometeu desarmar os palestinos, ficando com armas apenas os policiais. O desafio é grande, pois o movimento extremista Hamas quer prosseguir com os atos de kamikases e ameaça fazer vítimas mesmo entre os palestinos, se Mahamoud Abbas prender seus militantes.

Existe até o risco de guerra civil entre os palestinos.

Se for severa a reação do primeiro-ministro palestino ao atentado desta manhã, na entrada de um bar em Telavive, ela poderá restabelecer as condições e confiança para negociações com Israel, interrompidas desde o início da Intifada 2, que, seguida da eleição de Ariel Sharon, têm envenado as relações entre palestinos e israelenses.

É claro que se o líder palestino desmilitarizar a população, Sharon será obrigado a dar o troco, se retirando das colonias. Na teoria tudo parece impossível, dada a tensão atual, depois de enterrado o Acordo de Oslo, mas existe nos dois povos o desejo de se encontrar o caminho da paz.



Leia, também, nesta edição: RELATOR DA ONU ELOGIA LULA

 

(02 de maio/2003)
CooJornal no 313
 


Rui Martins é jornalista,
correspondente internacional na Suíça
ruimartins@hispeed.ch