Francisco Simões


MEU  TESTEMUNHO


Hoje eu quero falar de vocês e para vocês. De vocês que idealizam, produzem, e mantêm na internet sites que, total ou  parcialmente, divulgam, promovem a criação literária. Para vocês que acolhem trabalhos, sejam eles crônicas, contos, poesias, ensaios etc, não só de autores consagrados quanto de ilustres desconhecidos, ou os “sem escada”, como eu.

De vocês que fazem este trabalho com muito amor, denodo, entusiasmo e bastante sacrifício pessoal, sendo que em sua grande maioria não conseguem sequer um patrocínio. Para vocês que não medem esforços em abrir espaços àqueles que, se vocês não existissem, não poderiam eles (inclusive eu) alimentar esperança de sobreviver, de sair do ostracismo, da exclusão a que são condenados sem sequer terem a oportunidade de um julgamento de sua obra literária, por mais modesta que seja.

Por causa de vocês e graças a vocês este insignificante candidato a escritor e poeta tem sido lido. Em dezº do ano passado meu poema ALELUIA foi selecionado no Concurso da Câmara Brasileira de Jovens Escritores (CBJE) e publicado no volume 8 do livro Painel Brasileiro de Novos Talentos. Em seguida o excelente escritor Luis Carlos Martins, responsável pelo site da CBJE, convidou-me a integrar a sua Biblioteca Virtual. De repente eu estava na internet com poesia, foto, capa do livro etc.

A criança esquecida num passado distante rompeu as barreiras do tempo e os grilhões da minha postura sexagenária e explodiu em festa. Eu ganhara um “brinquedo novo” e tratei de mostrá-lo a todo mundo. Em janeiro deste ano conheci as professoras e talentosas escritoras da Associação Literária ALPAS XXI, de Cruz Alta (RS), devido a um concurso em que me inscrevi e que é organizado por elas.  A fundadora e Presidente da Associação, Rozélia Scheifler Rasia, logo me convidou a integrar o site e agora em março ainda me deu o “Destaque  do Mês”. Não merecia tanto. 

Animei-me e saí a bater em algumas portas. Em minhas primeiras tentativas acolheram-me muito bem Irene Serra (Rio Total) e Leila Miccolis (Blocos). Já estando divulgando minhas poesias e meu currículo, ambas também me incentivaram a voltar a escrever crônicas. Eu parara de fazê-lo aos 21 anos de idade, no rádio paraense. Aceitei o desafio e aqui estou. E mais portas se abriram. Cheguei ao Usina de Letras e conheci Fernando Tanajura Menezes que dispensa apresentações. Trocamos algumas  mensagens e conheci melhor sua bela obra literária. Depois fui ao site da Magriça, ou Notívaga, para em seguida descobrir os bonitos trabalhos realizados por Vilgarte Larsen, a Vil do Vilgata, em cujo site se respira muita ternura, muito amor  em páginas produzidas com carinho e uma técnica aprimorada.

Um dia um amigo, querendo me orientar, sugeriu-me que eu poderia informar apenas a minha página de cada site em que estou. Facilitaria para quem quisesse ler os meus trabalhos. Agradeci mas expliquei-lhe que preferia mesmo indicar o endereço dos sites que me acolhem. Afinal entendo que quem quiser me ler não custa nada entrar pela mesma porta que eu entrei quando fui “hospedado” em cada um deles, a porta da frente e não pela, digamos assim, minha janela. Cada amigo será sempre bem recebido e terá a oportunidade de descobrir uma variada gama de autores e suas obras, além de muitos links para ter acesso a outras seções etc.  Não faço nenhuma crítica, apenas é o meu ponto-de-vista.

Um passeio pelos sites é sempre bem proveitoso. E foi assim fazendo que encontrei até colegas do Banco do Brasil, onde trabalhei por 30 anos, dedicados a esta árdua mas gratificante tarefa de vocês. O Luis Carlos Amorim, do Grupo A ILHA de Florianópolis, por exemplo, que arruma tempo, após o expediente no Banco, para administrar o seu magnífico Prosa, Poesia e Cia.

Percebi que por todo o Brasil há sites que divulgam a nossa literatura e por trás deles pessoas maravilhosas, com sotaques os mais variados, que merecem um reconhecimento muito mais amplo do que realmente têm. Cheguei então a Camocim, no Ceará, ao Literário, e ao professor e batalhador Roberto Pires. Incansável, como todos vocês, sempre procurando mostrar um trabalho impecável que periodicamente vai sendo aperfeiçoado. Visitando Página Literária apresentei-me a Herbert Moura. Falei de minhas andanças por vários sites. Ele decidiu ir ao Rio Total de Irene Serra conferir e ver meu currículo e alguns trabalhos. Desta visita surgiu, da parte dele, um pedido de autorização à Irene para que pudesse colocar, na Página Literária, um link de acesso ao site dela.

Este gesto me convenceu de que vocês, todos vocês certamente, não apenas visam o mesmo objetivo, não apenas navegam na mesma direção, mas, acima de tudo, são um só time, uma equipe que unida desenvolve, em proveito de todos, de vocês, dos escritores, poetas etc, consagrados ou não, e da própria literatura brasileira uma tarefa que, posta em ombros oficiais, jamais teria o mesmo êxito, a mesma proficuidade. Nem ousaria imaginar alguém jogando contra ou vendo os demais sites como adversários, concorrentes ou rivais. Seria um absurdo.

Nesta azáfama em que me encontrava às vezes eu atrapalhava mais do que ajudava. Mandei um dia para o José Ildon Cruz, da Academia Literária, currículos, foto, dados pessoais e…. esqueci de enviar meus trabalhos. Aliás, trabalho, eu dei ao bom José para procurar em seus arquivos o que não saíra do meu!  Confesso-me, por vezes, um “internauta atrapalhado”. Só agora estamos consertando isto. Recentemente conheci a simpática pessoa de Malva de Barros, do Armazém Literário. Uma guerreira para quem 24 horas por dia é pouco para o muito que anseia sempre realizar. No site dela fui recebido com a habitual festa que Malva oferece a todos que hospeda.

Um outro amigo, amante fiel da boa leitura, comentou comigo que na internet ele conseguia ler muita coisa de real valor mas ressalvou: “…nem tudo é de boa qualidade.” Argumentei com ele  que quando vamos a uma livraria nem todos os livros nos atraem, nem por isso deixamos de freqüentá-las. Ademais prefiro a ampla democratização a dar oportunidade a todos do que a seleção, geralmente estribada em elitismos ou mesmo preconceitos. O que tiver valor será sempre lido e relido. Afinal não estamos obrigados a ler por inteiro nada que, nas primeiras linhas, não estimule o nosso interesse. É simples.

Minha poesia SORRISO BRASILEIRO levou-me ao site “Cantinho do Poeta”, de Londres, ao ser selecionada em concurso organizado por aquela equipe. Tive o prazer e a honra de conhecer então Marc Fortuna. Trocamos várias mensagens, conheci parte de sua obra e aplaudo com entusiasmo seu empenho incansável em divulgar e premiar a cultura literária no seu mais amplo sentido. Excelente escritor e poeta, um gentleman no trato pessoal, jamais me dispensou uma atenção menor mesmo sabendo da minha insignificância no cenário da literatura em que ele é um dos expoentes.

Falando de vocês e para vocês eu incluiria aqui também o trabalho exemplar da amiga Aline Ponce com sua Agenda de Concursos Literários. Através do site dela descobri concursos, participei e pontilhei minha pequena trajetória com várias premiações. Nesta relação não deixaria de incluir o jornal da escritora Cristina Garrido, de Santos. O D.C.L.  me tem ajudado e muito também a escolher eventos para tentar mostrar meus trabalhos e, se a sorte permite, levantar mais alguns troféus.

De vocês e para vocês o meu reconhecimento, a minha gratidão. Se já consegui alguns “degraus” foi graças ao apoio de vocês todos, sem distinção,  subir a escada sei que depende só de mim, mas estou bem longe disso. Ainda sou um sem livro, sem homepage pessoal, sem histórico literário, mesmo publicado em várias Antologias e Coletâneas pela seleção em concursos, mas estou feliz porque voltei a fazer uma das coisas que mais gosto, escrever e também porque tenho a amizade de vocês. Não preciso de mais nada, vocês me deram a oportunidade de que necessitava para recomeçar aos 64 anos de idade. De vocês e para vocês, o meu testemunho.

(Março/2001)


Francisco Simões
escritor, fotógrafo (expositor), radialista
(Janeiro/2001)
fmsimoes@vento.com.br