06/08/2005
Ano 8 - Número 436

ARQUIVO SIMÕES

 

          

Francisco Simões

 

FAXINA GERAL


 

Pois é, amigos, toda boa dona de casa, zelosa, caprichosa, que prima por manter o seu lar higienicamente elogiável não pode descurar de rotineiras faxinas.

Mas, uma coisa é uma limpeza rápida, eventual, porém também necessária, e outra é a chamada faxina geral, completa, abrangente, total, não desprezando, não ignorando qualquer dos cômodos de uma residência.

Hoje, vivendo praticamente sozinho, passei a ser também o administrador doméstico e tive que me envolver com processos que antes eram coordenados por minha falecida esposa. Talvez o mais importante desses processos seja mesmo a faxina.

Duas vezes por mês promovo, com pessoa especializada e competente, a faxina geral de minha casa onde vivo o dia-a-dia. É uma atividade fundamental.

Até regras a serem cumpridas foram por mim estabelecidas com a ajuda indispensável da boa amiga Marlene, hoje minha dama de companhia, secretária, anjo da guarda, conselheira, longe de ser simplesmente uma doméstica, com todo o respeito a esta digna profissão pouco valorizada por tanta gente.

Eu supervisiono tudo e deixo o acompanhamento mais direto, junto à pessoa que executa os serviços determinados, à amiga Marlene, até por sua maior experiência. Outra amiga, a Alzirinha, é quem procura a sujeira, a apura, a persegue, a denuncia, a processa, a elimina. Com as duas amigas juntas, não há possibilidade alguma de “pizza”. Elas não brincam em serviço e são incansáveis e incorruptíveis.

Se você chegar em minha residência num desses dias de faxina geral poderá, de repente, até nem ter lugar para sentar, ou sentir dificuldade em transitar no interior da casa. E tem que ser assim mesmo.

Em dia de faxina geral o nosso brado é: “abaixo a sujeira”. E esse grito alcança todos os recantos da casa, com certeza. Usa-se muita água, vassouras, panos, aspiradores de pó, enfim, toda e qualquer “arma” que bem utilizada irá livrar o ambiente em que vivo de todo tipo de... sujeira. Minha renite alérgica agradece sempre, claro.

Nesse dia tenho meu ritmo de trabalho devidamente alterado porque a faxina tem todas as preferências de urgência. Submeto-me a ela e a aplaudo entusiasticamente. Até porque não há acordo que altere o ritmo e a abnegada apuração e eliminação da tratantada, ou melhor, digo, da sujidade toda.

É lógico que nossa faxina geral inclui a sala, a copa, cozinha, a garage, a escada para o segundo piso, os quartos, meu escritório, banheiros, o pátio, as janelas e respectivas telas (em Cabo Frio elas são indispensáveis) e mesmo os ventiladores de teto que estão presentes em todos os cômodos internos, com exceção dos banheiros, evidentemente.

Assim se faz uma verdadeira, uma autêntica faxina geral. Sei que, depois dela, estou livre, pelo menos por algum tempo, até a próxima, dos inconvenientes ácaros, poeira etc e tal.

Por isso eu não consigo entender como algumas pessoas se satisfazem com uma limpeza parcial. Não consigo imaginar se aceitar, por exemplo, limpar a cozinha e a copa e deixar o resto da casa de lado, fechando-se os olhos à toda a sujeira que ali habita e com a qual teremos que conviver com riscos para nossa integridade.

De nada adianta também sermos exigentes com a limpeza da sala e dos quartos fechando os olhos para o estado em que se deva encontrar a copa e a cozinha, e talvez os banheiros.

Satisfazer-se com a última limpeza ali promovida, geralmente meio às pressas, parcial, é um grande equívoco que, via de regra, até pode ser intencional. A imundície permanecerá entocada e rindo de nossa incúria, de nossa negligência, de nossa cumplicidade.

Se nos dispomos a fazer uma limpeza decente que possa inclusive nos orgulhar de exibir a casa a amigos e vizinhos, indiscutivelmente temos que ser rigorosos, intransigentes com as regras para a autêntica faxina geral. Como diriam alguns... “doa a que porqueira doer”.

Faxina geral é para limpar tudo, para caçar (que também poderia ser com 2 esses) a sujeira, esteja ela onde estiver, entendem? Sem favorecimentos de qualquer cômodo, com determinação, sem afrouxamentos.

Ih! Hoje é sábado? Caramba, hoje tem faxina geral aqui. Preciso me apressar. E já vou ensaiando o nosso lema maior: “ABAIXO A SUJEIRA”. Quem dera que todos fizessem o mesmo em seus lares, em seus plenários, com a mesma determinação.


(06 de agosto/2005)
CooJornal no 436


Francisco Simões
escritor, fotógrafo (expositor), radialista
Rio de Janeiro
fm.simoes@terra.com.br
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
www.franciscosimoes.com.br