13/05/2006
Ano 9 - Número 476

ARQUIVO SIMÕES

 

          

Francisco Simões

 

SALVE O COMPOSITOR

Em nosso país existe um grande desrespeito aos compositores musicais. Isso não é novidade, apenas hoje vejo esta situação numa escala ainda maior. Nos veículos de comunicação, especialmente nas rádios e nas TVs, muito raramente, e bota raro nisso, é dito o nome, ou os nomes, dos autores de qualquer música a ser executada.

Não deixa de ser um logro, propositado ou por mero desinteresse em respeitar a figura de quem compõe, seja letra seja música ou os dois. Isso é lamentável. E logo num país que pode se orgulhar de ter um tesouro imenso de lindas melodias e excelentes compositores. Parece que no exterior respeitam muito mais a nossa música, refiro-me à MPB da melhor qualidade, do que aqui. Quando vivi na Europa por quatro longos períodos fui testemunha do que escrevo.

Outro dia, ao comentar isto com uma boa amiga, fui surpreendido com uma informação que ela me passou. Disse-me que aos domingos, na TV – Bandeirantes, no começo da noite, no contexto do Programa do Sr. Raul Gil, há um quadro de longa duração onde vêm sendo homenageados os mais variados e competentes compositores da nossa música popular. Decidi conferir para formar um juízo e falar a respeito.

Quem me lê habitualmente sabe que tenho sido, algumas vezes, um crítico feroz da programação das Tvs abertas, assim como outros o têm feito, pelo baixo nível dos programas levados para a família brasileira. À tarde e à noite, então, a coisa fica ainda pior.

Já há 4 ou 5 domingos assisti ao programa em homenagem aos compositores. Tenho que fazer justiça ao Sr. Raul Gil pela idéia, o que, de certa forma, contraria o que sempre dizia o Velho Guerreiro, O Chacrinha: “Na Tv brasileira nada se cria, tudo se copia”. Enfim uma exceção que talvez confirme a regra.

Note-se que a produção é excelente, os convidados, até agora, são pessoas que convivem há muitos anos, há décadas, na MPB, autores de sucessos muitos e da melhor qualidade. Compositores que só estão aparecendo agora na mídia, especialmente na TV, graças a esta iniciativa inovadora quando deveriam sempre ser respeitados pela divulgação de seus nomes ao anunciarem suas músicas.

Eu assisti à homenagem, por exemplo, ao Guilherme Arantes, autor de “Planeta Água” e inúmeros outros sucessos que o firmaram como dos melhores compositores de nossa MPB através de décadas. Vi também quando foi convidado o grupo Roupa Nova cujo trabalho acompanhei praticamente desde que eles surgiram no cenário musical brasileiro. Saudade de sua boa música, interpretações excelentes, e percebi que a idade passou neles, mas o talento que aprendi a admirar continua brilhante.

Flavio Venturini foi outro que tive oportunidade de rever naquele programa. Lembrei-me do “Clube da Esquina”, de Belo Horizonte, onde ele, junto com Milton Nascimento e mais alguns músicos que estão por aí, iniciaram um trabalho de sucesso permanente. Ainda guardo em minha estante dos discos de 78 rotações, antigos, o álbum duplo que teve como título justamente “Clube da Esquina”. Uma jóia rara.

Flávio Venturini também criou o grupo “14 bis” que continua a fazer sucesso e do qual participa seu irmão Cláudio. Quem aprecia canções românticas não pode ter-se esquecido também de Mike Sullivan. Junto com Massadas ele compôs tantos sucessos interpretados por alguns dos melhores cantores de nossa MPB.

Igualmente eu tive oportunidade de rever e matar saudades de Evaldo Gouveia. Mais de mil músicas produzidas sozinho ou em parceria com outros brilhantes compositores como foi o caso de Jair Amorim, já falecido. Lembranças do excelente Trio Nagô onde Evaldo começou. A emoção aflorou muito forte ao poder ouvir belíssimas canções que a mídia hoje insiste em deixar no ostracismo. Saudades muitas de Altemar Dutra, um de seus intérpretes mais freqüentes. O meu coração ainda cultiva o amor e sou um sentimental incorrigível.

Outro compositor que artisticamente se destacou também como cantor e humorista dos melhores e que já esteve naquele programa foi Moacyr Franco. Tantas músicas maravilhosas, algumas que embalaram momentos românticos do meu namoro com minha saudosa Zezé. Saudade de tanta boa música que hoje anda sendo relegada por um certo lixo cultural que insiste em deseducar.

No programa entram vários depoimentos de amigos, colegas, familiares e fãs de cada homenageado. Ali também revemos gente que merece o nosso respeito, que ainda canta, mas que rádios e TVs habitualmente e insensivelmente ignoram. Pobre de quem prefere matar a memória de um passado do qual só temos que nos orgulhar.

Os intérpretes das músicas de cada compositor são os inúmeros novos talentos revelados pelo mesmo programa do sr. Raul Gil, através de muitos anos. Algumas são interpretações personalísticas que até nos surpreendem. Vozes que nada ficam a dever ao que o bom gosto exige de quem canta, especialmente quando se responsabilizam por nos trazer de volta canções realmente imortais.

Parabéns à Tv Bandeirantes, que, entretanto, em outros dias e horários não costuma primar pela mesma qualidade desse período de cerca de uma hora e meia, aos domingos. Cumprimentos ao Sr. Raul Gil e sua equipe por estar resgatando a imagem e o trabalho de nossos excelentes compositores. Honra ao mérito.




(13 de abril/2006)
CooJornal no 476


Francisco Simões
escritor, fotógrafo (expositor), radialista
Rio de Janeiro
fm.simoes@terra.com.br
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
www.franciscosimoes.com.br