04/11/2006
Ano 10 - Número 501

ARQUIVO SIMÕES

 

          

Francisco Simões

 

FAZENDO SÓ UM RESCALDO

Amigos e amigas, permitam-me fazer um rápido e despretensioso rescaldo dessas eleições especialmente na mudança de cenário do final do primeiro turno para o segundo. Há que dizer algumas verdades que nem todos queriam ouvir.

Pelas pesquisas o presidente Lula caminhava para uma vitória ainda no primeiro turno. Ocorreu então aquele lamentável episódio do tal dossiê, até hoje não explicado convenientemente. Digo não explicado tanto no que se refere aos nomes dos envolvidos como quanto ao conteúdo do dossiê, ao que não se deu, aliás, a devida ênfase.

Reparem que o mesmo povo que garantiria a vitória de Lula ainda no primeiro turno deve ter parado para pensar e decidiu, de forma inteligente, transferir boa parte de seus votos para o candidato da oposição, alguns para o voto nulo, e outros para as candidaturas de Cristovam Buarque e da senadora Heloísa Helena. Isto ficou muito evidente após o resultado ocorrido quando se pesquisava por dentro dos números dos Institutos responsáveis por aquelas avaliações.

Era claro o salto alto dos senhores petistas e particularmente da militância daquele partido, sempre tão atuante, julgando que a eleição já era favas contadas. Lula decidiu não ir a debates, outro grande equívoco de estratégia. Nosso povo teve uma atitude madura, diferentemente do que pensam alguns. Foi um alerta e um puxão de orelhas muito bem aplicado no presidente e na empáfia que ele já exibia.

Nosso povo quis ter mais tempo para pensar, para julgar, aguardar novas informações e depois decidir. Parabéns à nossa gente, sempre muito criticada por alguns que ainda insistem em que eles não sabem votar. Grande bobagem. Ocorre que, do outro lado, o da oposição, também houve um terrível equívoco de interpretação. Pelo que se viu, os do PSDB acharam que a virada conseguida naqueles dias por si só lhes garantiria uma vitória a seguir, no segundo turno.

Não afirmaria que abandonaram as sandálias da humildade e calçaram também alguns saltos altos, que nem os petistas no primeiro turno. Talvez não, mas ficou muito bem evidenciado, quando recomeçaram os programas eleitorais gratuitos, e mesmo os debates, que não se prepararam à altura das exigências da nova batalha. Os programas do PT venciam de goleada dos preparados pela turma do PSDB, em tudo.

Quero dizer na linguagem, na comunicação, na forma direta de se referirem aos oito anos do governo anterior, às privatizações, às CPIs que teriam sido engavetadas, a pontos eventualmente fracos, do governo Alkimin em S. Paulo, isso sem falar nas musiquinhas sempre alegres e com letras facilmente inteligíveis por todos.

Tanto nos programas eleitorais gratuitos como em grande parte dos debates pareceu-me que o candidato Alkimin não estava muito bem assessorado, muito bem orientado, na forma de reagir às afirmativas de Lula, e mesmo no esquema de ataque ao seu opositor. Desculpem, mas a mim soou o candidato Alkimin, com todo o respeito, em muitos momentos, tal e qual um samba de uma nota só.

Tornava-se cansativamente repetitivo, excedia o tempo das respostas e réplicas, algumas vezes nem as podendo concluir no raciocínio. Outras vezes nem sequer lhe foi permitido completar a pergunta a ser feita porque o tempo havia se esgotado, especialmente no debate do SBT. Quem os tiver gravado verá que digo a verdade.

Eu comentei isto com várias pessoas, mas alguns estavam numa posição tão favorável ao candidato do PSDB que não conseguiam ver e aceitar seus erros, nem os enganos de uma campanha cujos preparativos não haviam sido tão esmerados para os embates da maior significação para o Brasil. E o candidato insistia nas repetições cansativas, geralmente em forma de interrogações ao seu opositor.

Enquanto isso Lula fazia afirmações, batia especialmente na tecla das privatizações do governo tucano anterior. Da parte de Alkimin não se via uma defesa convincente desses pontos e nem sequer usava o fato de a Vale do Rio Doce estar alcançando agora um imenso sucesso na produção de aço com lucros fantásticos. Erros e mais erros.

Afinal, amigos, nosso povo não é bobo, não. Mesmo com todos os escândalos anteriormente acontecidos, levaram em consideração o sucesso de vários programas, entre eles o Bolsa Escola e o Fome zero, além da inflação totalmente controlada e de muitos preços estarem ainda em declínio, etc. E o PSDB facilitou-lhes o julgamento.

Após a apuração dos votos no segundo turno verificou-se o que eu já dizia a alguns amigos: nem precisou o Lula ganhar mais votos, o candidato Alkimin é que os estava a perder de forma vertiginosa. Foram, ao todo, cerca de 2 milhões e meio de votos que Alkimin perdeu, em relação à sua votação no primeiro turno. Alguém explica? Votos que antes eram dele e que migraram para outras plagas. Não foi à toa, não.

Pensem comigo: antes Alkimin vencera no sul, no sudeste e no centro-oeste. Agora venceu apenas e exclusivamente na região sul. Como se explica o Lula ter vencido em Minas, Estado sob o governo de Aécio Neves, do PSDB, por apenas 10% de diferença, no primeiro turno, e agora ter triplicado esta diferença para 30%? Como se explica que Alkimin, no seu “quartel general”, S. Paulo, tenha vencido novamente, sim, mas com menos cerca de 5 a 6% de votos em relação ao primeiro turno?

A mesma coisa aconteceu no Estado do Rio de Janeiro, só que aqui ele já perdera antes, e agora perdeu por ainda mais votos. É tão evidente que sua campanha no segundo turno foi, no mínimo, bem desastrosa. Concordo com as veementes críticas feitas pelo senador Álvaro Dias, do PSDB do Paraná, especialmente aos marqueteiros do seu candidato. É inegável que houve incompetência, ou avaliação muito errada.

Perder faz parte do jogo democrático, e Lula deveria até mesmo vencer, concordo, porém a “goleada” de cerca de 21 milhões de votos de diferença tem muito a ver com a estratégia bastante inoperante da equipe do candidato do PSDB. Sem dúvida e sem mais comentários.




(04 de novembro/2006)
CooJornal no 501


Francisco Simões
escritor, fotógrafo (expositor), radialista
Rio de Janeiro
fm.simoes@terra.com.br
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
www.franciscosimoes.com.br