26/04/2008
Ano 11 - Número 578

ARQUIVO SIMÕES

 

          

Francisco Simões
 


FANTÁSTICO, NÃO É?


 

Pois é, sabem que eu nunca vi ou ouvi alguém que roubou, admitir o que fez? Mesmo com as evidências, eles costumam sempre jurar inocência. Se tiverem poder, então, ainda saem ameaçando quem os denuncia.

Pois é, sabem que eu nunca vi ou ouvi alguém acusado de corrupção confessar que realmente praticou a dita? E se tiver poder, então, não só mente, mente e mente até o fim, como ainda acaba conseguindo, muitas vezes, escapar de qualquer punição.

Pois é, igualmente jamais vi ou ouvi alguém acusado de ter traído a esposa confessar que o fez. Se não me engano nem o Clinton, que teve até a bênção de sua generosa esposa. As evidências? A amante? Ora, que se danem, eles juram inocência e pronto.

Pois é, o que digo acima parece que andou acontecendo aqui, neste país também, mas... ora, se lá, nos EUA, eles juram inocência e se dão bem, porque aqui não fazer o mesmo? Ainda que o acusado seja político? Lógico, se ele o é com mais razão terá uma proteção que pobres mortais nem podem sonhar. Deixa pra lá.

Pois é, e os caras que desviam dinheiro público, milhões e milhões de reais ou de dólares? Ah, a Polícia Federal trabalhou bem e tem todas as provas? E daí? Eles vão continuar jurando inocência e ainda serão capazes (porque tanto tem acontecido assim) de conseguir hábeas corpus sem maiores dificuldades. Duvida? Ah, você acredita em Papai Noel? Então tá bom.

Pois é, e pessoas que também roubam dos cidadãos comuns milhões de dólares, através de um Banco do qual participavam? Dão um baita calote, fecham o Banco e se dão bem. Mesmo que a Polícia ponha as mãos no cidadão e o prenda, logo haverá algum douto Juiz que o soltará alegando que ele tem endereço certo, e que assim não representa nenhum perigo, podendo ser preso a hora que for necessário. Aí o cara, que de bobo não tem nada, pega um jato particular e... só salta na Europa. Vai morar, digamos, na Itália. Depois é visto e preso, digamos, no Principado de Mônaco. E por mais que a justiça de cá tente traze-lo de volta, como fica difícil conseguir isso, não é? E o Juiz que o soltara garantindo que ele não fugiria??? Oh.... quem vai cobrar isso de um Juiz? Vamos deixar pra lá.

Pois é, e quando alguém, de nível social alto, dá um tiro à queima roupa numa mulher, digamos que sua ex namorada, só para exemplificar, sem fazer referência a nada nem a ninguém? Você acha que ele vai a julgamento? Que vai ser preso? Quando? Hummm, você acredita também em histórias do boi tatá, não?

Pois é, e se algum causídico, digamos que exercendo cargo de Juiz, atira também à queima roupa num simples e coitado dum vigilante? Ah, houve câmeras que gravaram tudo? Bom, se o suspeito fosse você, azar seu, cana dura, mas.....

Pois é, digamos que alguém ou um casal, e isso tem acontecido tanto, abusando da fé de milhões de pessoas, usando a religião, rouba milhões e milhões de dólares? Que golpe, não? Será que devolverão os “dízimos” de tantos que acreditaram neles, numa certeza de “salvação eterna”??... Presos? Onde? Você gosta mesmo de acreditar em histórias da carochinha, não??

Pois é, e se duas pessoas se unem para matar a sangue frio uma outra, enquanto um segura a vítima o outro, ou outra, enfia uma tesoura na vítima diversas vezes? Vão presos? Por quanto tempo? Ah, criaram uma lei pela qual eles acabaram sendo favorecidos e libertados? No Brasil? Que maravilha, não? Ou melhor, que tristeza, que molecagem, quanta in-justiça.....

Pois é, poderíamos esticar e muito esta relação, não é verdade? E como poderíamos, a realidade nos oferece exemplos e mais exemplos de safadezas premiadas, de corrupção enaltecida e premiada, e de tantos crimes monstruosos que geralmente acabam por dar a volta nas leis e ficam impunes, não é verdade?

Pois é, mas afinal a tudo que eu tenha me referido, como real ou exemplificando, acima, pertence ao passado. É, ao passado, embora alguns ainda estejam a rolar por aí qual capítulo de novelas que nunca terminam. É verdade.

Pois é, mas e quanto ao presente? É, amigo, quanto ao presente? Vai dizer alguma coisa? Ah, não vai dizer nada não? Sei, não tem opinião formada? Prefere ficar calado? Vamos respeitar.

Só começo a ter muito receio do futuro, sabe? É, do futuro, meu, seu, de tantos e tantos amigos. De uma bala perdida, de uma bala endereçada, de ..... desculpe, você não quer ser incomodado, eu ia esquecendo. Está cansado, mas eu também. Pelo menos parece que você dorme bem.

Pois tenha um ótimo sono e bons sonhos, mas cuidado com os pesadelos ..... acordados, amigo. Boa Noite.



(26 de abril/2008)
CooJornal no 578


Francisco Simões
escritor, poeta, fotógrafo (expositor), ex-radialista
Rio de Janeiro
fm.simoes@terra.com.br
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
www.franciscosimoes.com.br