08/08/2009
Ano 12 - Número 644

ARQUIVO SIMÕES


Francisco Simões
em Expressão Poética


 

          

Francisco Simões



ESPÍRITO SANTO –
GENTE BOA, TERRA LINDA – V
Reserva Florestal da Vale

O Hotel Fazenda a que me referirei faz parte da imensa Reserva Florestal da Vale do Rio Doce. Ela fica a cerca de 35 km de Linhares e apenas 5 da pequena cidade de Sooretama, no sentido norte. Da estrada entra-se uns 800 metros até a primeira portaria. O funcionário nos identifica e libera a entrada. Por pequena estrada de chão, entre muitas e muitas árvores, um quilômetro e meio depois descortina-se a bela vista do complexo. Ali vive o silêncio, é um autêntico paraíso, acreditem.

É possível que eu não consiga fazer um retrato completo de tudo de bom que ali vivenciamos por 4 dias, de tudo de lindo que vimos, de tudo que aprendemos com tantas pessoas que ali vivem e trabalham há muitos anos, mas farei o retrato mais fiel da realidade que eu conseguir. Apoiarei os textos por algumas fotos como o tenho feito com outras crônicas. Também filmei muito por lá.

Nós escolhemos ficar em quartos feitos com toras de madeira. Cada unidade tem 4 quartos confortáveis com frigobar, tv, ar condicionado, etc. Eles se erguem sobre pequena estrutura de cimento e muitas pilastras de madeira. Quase à sua volta inteira cada grupo de 4 quartos eleva-se a uns 2 metros do solo, todo gramado, já na entrada de uma passarela que os cerca por inteiro, eles se nivelam com o caminho. Algo muito original. O aquecimento da água é feito por energia solar. Nessas primeiras fotos terão uma idéia do que digo. Entrem por este link: http://www.franciscosimoes.com.br/vale1.htm

Há três conjuntos desses por todo o parque e outros de alvenaria. Os de madeira são mais charmosos, confortáveis e bonitos, por isso um pouco mais caros. Os de alvenaria têm preços mais em conta em dois ou três níveis diferentes e se localizam mais afastados do restaurante, da piscina principal, do estacionamento, da sala de estar, da sala de jogos, da recepção, etc.

Cada apartamento, de madeira ou de alvenaria, tem nome de árvore. Cada conjunto de apartamentos também leva o nome de árvores. Veja a identificação dos mesmos nas fotos a seguir, neste link:
http://www.franciscosimoes.com.br/vale2.htm

O Hotel Fazenda, além de duas piscinas para adultos e uma para crianças, nos oferece também sauna e um local com hidroterapia natural. É isso mesmo, amigos, hidroterapia natural. Andando uns 600 a 700 metros, sempre entre muitas árvores, nos deparamos com um imenso lago fruto de uma represa. Eles canalizaram parte dessa água e construíram dois ambientes onde ela cai, com força total, através de diversos canos bem largos. Ali, com segurança, nos é proporcionado massagem pelo corpo inteiro, e natural.

À pequena distância da hidromassagem há uma forte correnteza que desliza sobre piso de pedras, faz uma queda d’água, e após mover uma grande roda que gera energia para um motor, segue seu curso qual um rio meio caudaloso. É outro espetáculo bonito de se ver como tudo no ambiente total do Hotel Fazenda da Vale.

Ver imagens do lago, da hidroterapia natural e do rio neste link:
http://www.franciscosimoes.com.br/vale3.htm

Por entre os conjuntos de quartos, tanto os de alvenaria como os de madeira, há muito gramado, passarelas com piso de placas de cimento, decoradas, árvores de várias espécies, próximas aos conjuntos e ao largo deles.

É comum vermos muitos macacos, conhecidos como sagüis, brincando entre as árvores sem se incomodarem com a nossa presença. Há aves em profusão e em determinados horários oferecem um autêntico concerto da natureza para os privilegiados hóspedes que tenham a sensibilidade de permanecer em silêncio. Imagens gerais do belo parque neste link:
http://www.franciscosimoes.com.br/vale4.htm

Despertou minha curiosidade a grande quantidade de árvores de cupuaçu e também de açaí, naturais do norte do país e em especial do meu Estado natal, o Pará. Às refeições chegamos a beber suco de cupuaçu e a comer sorvete e musse da mesma fruta. Foi também um reencontro com minhas raízes. Fiz registros em fotos mas que serão mostradas no próximo texto da Reserva Natural da Vale.

Tanto eu quanto Lena e Julinho, ficamos encantados com a qualidade da comida que nos era servida todos os dias, tanto no almoço como no jantar. O sabor, o delicioso tempero caseiro empregado, jamais usando condimentos, tão comuns em outros hotéis, agradaram por demais ao nosso paladar e mereceram sempre uma nota dez. Nós cumprimentamos os cozinheiros com prazer, tanto ao Luciano como à d. Luzia. Podem conhecê-los em fotos que verão neste link: http://www.franciscosimoes.com.br/vale5.htm

Sempre de bom humor, felizes por estarmos num ambiente maravilhoso, paradisíaco, eu diria mesmo, de quando em vez tanto eu como Lena fazíamos alguma brincadeira que registrávamos em filmes ou em fotos. Verão neste registro fotográfico uma “grande defesa” minha ao segurar uma “penalidade máxima” cobrada pelo nosso Julinho. Confiram neste link:
http://www.franciscosimoes.com.br/vale6.htm

Visitamos também o imenso viveiro de mudas onde trabalham diversos funcionários e alguns pesquisadores. Sobre isso, além da diferenciada iluminação noturna que respeita a fauna local, e outros aspectos do imenso parque, tenho mais a contar, porém fica para o próximo capítulo sobre a Reserva Florestal da Vale. Me aguardem, e não percam, amigos.



(08 de agosto/2009)
CooJornal no 644


Francisco Simões
escritor, poeta, fotógrafo (expositor), ex-radialista
Rio de Janeiro
fm.simoes@terra.com.br
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
http://www.riototal.com.br/expressao-poetica/francisco_simoes.htm
www.franciscosimoes.com.br 

Direitos Reservados