15/01/2011
Ano 14 - Número 718

ARQUIVO SIMÕES


Francisco Simões
em Expressão Poética


 

          

Francisco Simões



CADÊ O MEU PARAÍSO?

Francisco Simões, colunista - CooJornal

Muitos de vocês já me viram enaltecer, tanto em prosa quanto em verso, as maravilhas deste meu paraíso, a cidade de Cabo Frio. Já lembrei também o que disse, logo após o descobrimento do Brasil e passando ao largo desta Região, no ano de 1501, o navegador Américo Vespúcio, italiano de Florença, (1454/1512), depois naturalizado espanhol :”Se no mundo existe algum paraíso terrestre, sem dúvida ele não deve estar muito longe dessa região.” Há registros disto.

Grande Vespúcio, sabia apreciar e reconhecer o belo. Eu já ando por essas terras desde o final dos anos 60. Tanto apreciei, tanto amei este lugar, que acabei me instalando aqui. Antes indo e vindo ao Rio, e do Rio, mas desde Junho de 2003 definitivamente. Aqui eu sempre disse me sentir mais feliz. Hoje, apesar de tudo, reafirmo o que sempre escrevi. Mas vamos então começar pelo “apesar de tudo”...

Amigos, nos últimos anos a população desta cidade tem crescido bastante. Muitos e muitos prédios novos foram ocupando áreas em que antes tínhamos casas ou espaços livres para se ver o céu, a lua e as estrelas. Alguns logo dirão: “é o progresso”. Pois é, realmente parece que estamos começando a conhecer a outra face do progresso da atual realidade da cidade grande.

Vejam só, antes atravessávamos as ruas, inclusive no centro da cidade, sem nenhum problema, agora temos geralmente que esperar que passem muitos e muitos carros para chegarmos ao outro lado da avenida em segurança. Eu disse carros, mas vamos incluir motos e bicicletas, cada vez em maior número. Também eu disse “em segurança”? Claro, se alguém não resolver avançar o sinal, o que tem passado a ser uma coisa corriqueira. Devem ser sintomas do tal progresso!

E como tem motorista nervoso, que entra na contra mão, buzina sem mais nem menos, faz zigue-zague na pista, ultrapassa pela direita, além de avançar o sinal vermelho na maior cara de pau, etc. Polícia? Eles estão mais preocupados em multar quem estaciona em local proibido, só que algumas vezes andam exagerando. Eu que o diga. Uma ressalva: eles multam sim, mas as pessoas aqui residentes, agora com as férias vão aliviar em tudo para os... “visitantes”.

Turista, aqui, pode estacionar na minha garagem, avançar sinal, entrar na contra mão, pintar e bordar, como dizem na gíria, parece que a ordem é não os incomodar, afinal eles vêm deixar muito dinheiro para estabelecimentos comerciais e para a Prefeitura, em impostos, claro. E a gente engole com IPTU e tudo o mais.

Mas já temos outros vários sintomas do tal “progresso”, querem saber? Pois olhem que têm acontecido assaltos a lojas, nas ruas, à saída de Bancos, e até mortes, à luz do dia, em ruas movimentadas. Essas parecem coisa “encomendada”. É ou não é sintoma de progresso? Começo a achar que a gente é que estava acostumado com uma vidinha bem sossegada, tranqüila, sem esses percalços, e então hoje reclamamos, mas é o progresso!

Você me pergunta sobre drogas? Não gosto de mergulhar neste tipo de assunto, porém não posso deixar de admitir que, sendo agora “progressistas”, estamos tendo que conviver com elas também. Ou você acha que isto é coisa só de cidade grande? Se liga, amigo, quando “apertam” na capital para onde julga que a turma vai? Acordou agora? Pois também “importamos” isso. Olha o “progresso” aí!

Estacionar na cidade agora virou um inferno. Além de ter carros demais nem sempre se sabe se o local é permitido ou não. Placas meio escondidas, outras proibições sem aviso, tudo como convém para arrecadar mais. Hoje, quando tenho que ir à cidade, ponho sempre meu carro num dos estacionamentos privativos. Paga-se dois reais por hora e fica-se tranqüilo. Nas ruas está mesmo proibitivo.

Fazer compras em Supermercado até está bom, temos vários e podemos escolher. Geralmente para as compras do mês uso (ou usava) o antigo ABC, agora EXTRA, perto da Rodoviária. É muito grande, com estacionamento amplo, e maior conforto. Para compras rápidas uso o novo “FRICARNES”, do bairro de S. Cristóvão, aqui perto, e aproveito para ir ao BB sacar dinheiro, e fazer outras coisas. Ali ainda se tem facilidade para estacionar, além de ter quase de tudo no bairro. Mas há outras boas opções de supermercado além do magnífico Hortifrutti.

Durante o longo período de verão nem penso em tirar o carro da garagem. O trânsito fica ainda mais infernal. É tudo difícil, somos xingados pelos apressadinhos, os sinais não dão conta do fluxo de veículos, engarrafa tudo, e os restaurantes, meus amigos, não têm hora para uma refeição tranqüila. Já durante o resto do ano pode-se comer fora, tanto à noite, como aos domingos no almoço, e escolher à vontade. O verão, aqui, é dos turistas, até nossas praias.

Algumas vezes jantamos na orla da praia, de frente para o mar, fora do verão, e outras vezes em restaurantes conhecidos no Canal de Itajuru. Hoje em dia a zona do Canal costuma ser freqüentada, logo a partir das 21 h, por jovens em atitudes estranhas, como a cheirar algo dentro de copos de plástico, lançando ao ar palavrões gratuitamente, assustando quem passa por ali. Aconteceu conosco certa noite e já foi há dois anos passados. Imagino como está agora. Progresso!!

Temos até aeroporto, e dos bons, sabiam? Durante o verão programam vários vôos de carreira não só vindo de cidades brasileiras como do exterior. Pois é. Mesmo no resto do ano há vôos entre Cabo Frio e algumas outras cidades, como o Rio de Janeiro e Vitória, por exemplo. Conforme a direção do vento os imensos aviões chegam a passar aqui perto de casa.

Se você não conhece Cabo Frio, venha até cá passar uma boa temporada. Aproveite nossas lindas praias e fotografe nas dunas, as que ainda resistem, no alto do Morro da Guia, no Canal de Itajuru, lá do Forte de S. Mateus e procure passeios de carro ou de barco, há diversos. Temos um grande comércio, muitos Bancos, alguns com duas agências, enfim, tenha uma ótima estada por aqui.

Só lhe peço alguns “pequenos favores”, sim? Não avance sinal, não dirija na contra mão das ruas, não estacione nas portas de garagem, respeite os pedestres, não faça xixi nas dunas, e não dê trabalho aos nossos salva-vidas. Boas férias, aproveite bem e deixe o nosso paraíso tal como você o encontrou. Nós e a Natureza agradecemos.
 

(15 de janeiro/2011)
CooJornal no 718


Francisco Simões
escritor, poeta, fotógrafo (expositor), ex-radialista
Rio de Janeiro
fm.simoes@terra.com.br
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
http://www.riototal.com.br/expressao-poetica/francisco_simoes.htm
www.franciscosimoes.com.br 

Direitos Reservados