22/03/2013
Ano 16 - Número 832


 

ARQUIVO SIMÕES


Francisco Simões
em Expressão Poética

 

Follow RevistaRIOTOTAL on Twitter

Francisco Simões


ORA DIREIS, ACEROLAS?

 

Francisco Simões, colunista - CooJornal

No ano de 2006, ou seja, há exatos sete anos, eu escrevi uma foto crônica e a coloquei na atualização daquele mês no meu site pessoal. Alguns que me escreveram provaram que já a conheciam enquanto uns poucos disseram que nunca a tinham visto, nem em foto.

Na época nós tínhamos em nosso quintal dois pés da pequena, mas muito vitaminada acerola. Curiosamente eu percebi que quando um dos pés nos oferecia uma vasta safra o outro permanecia sem fruto algum. Se aquilo era coincidência eu não sei, porém o fato se repetiu algumas vezes.

Esclareço que a acerola é mais rica em vitamina “c” do que a laranja ou o limão, o que, de certa forma, prova também que tamanho não é documento, certo? Aliás, ela é rica também em vitamina “a”, ferro e cálcio. O poder vitamínico da pequenina acerola é fantástico.

Conheci melhor essa fruta acompanhando o desenvolvimento e a produção dos dois pés que tivemos no quintal cuidados por Lena. A cada safra uma árvore chega a nos oferecer algo em torno de mil frutos ou mais.

Em pouco tempo a árvore fica toda coberta e penetrada por frutos verdes, amarelos e vermelhos. Encanta-me aquele espetáculo. Elas crescem numa velocidade que eu nunca vira antes.

Se as vermelhas começam a ser maioria e você se descuida na colheita logo verá o chão coberto de acerolas maduras feito um lindo tapete vermelho. Parece que quanto mais frutinhas você colhe mais elas se reproduzem a seguir.

Há que ter cautela ao se enfiar por entre os seus galhos para pegar as acerolas. Ocorre que fica difícil não esbarrar os braços nas folhas e mesmo nos finos galhos. Este contato pode provocar coceira que demora a passar.

É necessário explicar que normalmente nós chamamos a frutinha vermelha de acerola, todavia este é o nome da árvore, ou arbusto que a produz. Tecnicamente o nome das frutinhas é cereja-das-antilhas, entretanto ninguém as chama por esse nome e sim por acerolas.

No meu site pessoal tenho uma quantidade e uma variedade imensa de fotos dessas frutinhas, variando sempre o enquadramento das mesmas. A visão é sempre muito rica e linda. Para vê-las vá a este endereço www.francisco-simoes.com  e entre primeiro por FOTOS e depois em Pomar.

Agrada-me muito estar em paz com a Natureza e também usufruir do que ela vive a nos oferecer desde que saibamos plantar e cuidar. O trabalho é compensado pela alegria de vermos o resultado que é sempre gratificante.

Na foto em que vocês verão muitas, mas muitas frutinhas mesmo, os amigos e amigas devem pensar que de uma só investida podemos retirar todas elas. Aviso que não é bem assim não. Não há condição para isso.

Além das acerolas serem muitas, o trabalho de colheita, especialmente na maioria que costuma estar nas partes mais altas da árvore, não é nada fácil. Temos que nos contentar em colhê-las em vários dias e acreditem quanto mais nós as colhemos parece que mais elas amadurecem.

É verdade que assim muitas acabam indo ao chão, caindo no gramado. Dessas costumamos aproveitar algumas e outras apenas as recolhemos e jogamos fora, pois algumas vezes já estão bicadas pelos passarinhos ou até pisadas por nós no afã de fazermos as colheitas.

O suco das acerolas é bem gostoso. Lembro mais uma vez que elas têm mais vitamina “c”, segundo consta, do que a laranja e o limão. Sem falar em outras vitaminas e elementos que as pequeninas possuem.

Para encerrar digo que a mais recente novidade das plantações feitas por Marlene e que vingou com sucesso é a fruta do conde. Mas este assunto fica para outra ocasião.


(22 de março/2013)
CooJornal nº 832



Francisco Simões
escritor, poeta, fotógrafo (expositor), ex-radialista
Rio de Janeiro
fm.simoes@terra.com.br
Conheça um pouco mais de Francisco Simões
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
http://www.riototal.com.br/expressao-poetica/francisco_simoes.htm
www.francisco-simoes.com

Direitos Reservados