22/11/2013
Ano 17 - Número 867


 

ARQUIVO SIMÕES


Francisco Simões
em Expressão Poética

 

Follow RevistaRIOTOTAL on Twitter

Francisco Simões

 

PENA DE MORTE




 

Francisco Simões, colunista - CooJornal


Este é um tema polêmico e será sempre. Lembro que em pesquisas de opinião já realizadas a população brasileira disse não à aplicação daquela pena. Creio não ter havido Consulta Oficial junto ao nosso povo até porque o Governo Federal tem se mostrado também contrário à sua aplicação.

Eu mesmo sempre fui contrário à pena de morte. Em nosso país há tantos erros de julgamento, e isto tem sido comprovado, assim como aqueles que têm mais poder econômico geralmente conseguem se sair bem por mais covarde e hediondo que seja o crime por eles cometido. Assim sendo eu nunca vi em nossa Justiça condições de confiança para que tal punição viesse a ser aplicada.

Ocorre que o crime praticado pela bandidagem tem sido chamado, até por nossas autoridades, de “organizado”. E nossas polícias seriam o quê? Aliás, de há muito os que se dedicam à prática de assaltos, seqüestros, etc, já nos decretaram e têm executado à farta a tal “pena de morte”. Estou mentindo?

Há alguns anos eles nos roubavam, faziam assaltos esporádicos, depois avançaram para os tais seqüestros relâmpagos, além de usarem truques em ligações telefônicas para darem a impressão de que alguém da família tinha sido seqüestrado. Daí eles faziam a exigência: “depositem tanto em tal conta ou ele/ela morrerá.”

Muita gente caiu neste golpe. Conheço algumas pessoas. Claro que quando telefonavam os marginais nem sabiam com quem estavam falando, apenas “chutavam”, se desse certo tudo bem, do contrário partiam para outro telefonema.

A violência não combatida, ou mal combatida, passou a um ritmo crescente com o advento cada vez maior do tráfico de drogas. A própria sociedade que se queixa deles, através de muitos de seus membros, ajuda a incrementar este comércio ilegal. Os que se atiram ao vício alimentam o “comércio”, lógico.

Enquanto isto nossas autoridades procuraram formas de combater não só o tráfico como o domínio dele em várias comunidades na Cidade do Rio. Sei que muitos aplaudem as tais Unidades Pacificadores, todavia eu sempre tive desconfianças, pois nunca os vi ter interesse em enfrentar a bandidagem.

Não obstante os argumentos do Secretário de Segurança, pessoa que respeito, eu sabia que deixar os meliantes saírem em fuga, sem sequer terem interesse em prendê-los, iria refletir logo mais adiante e é o que mais vemos agora. Os bandidos andam migrando para outros bairros ou cidades próximas à capital.

Alguns dos bandidos aparentemente “expulsos” desta ou daquela comunidade quando o aparato policial lá chega para a tal “pacificação” têm retornado para o mesmo meio e voltado a aterrorizar pessoas com ameaças e até mortes. Estou mentindo? Você só discordará de mim se não acompanhar o noticiário.

Desde que o tráfico passou a ser o inimigo maior da nossa sociedade igualmente a violência que crescia paralelamente teve um incremento assustador. Dada a fraqueza e/ou permissividade de nossas leis, a violência optou por usar menores de idade para muitos dos seus planos de assaltos geralmente com mortes de inocentes.

Àquela altura eles já matavam com ou sem “motivo”. Quer dizer, o assaltado reagindo ou não, era sentenciado à morte imediatamente pelos bandidos. Entre os “condenados” temos encontrado homens, mulheres, pessoas idosas, crianças, etc. Quantos casos nós temos visto na mídia televisiva que nos assombram?! Alguns talvez prefiram ignorar achando que certos programas só dêem espaço para efeitos de uma violência a cada dia mais crescente neste país.

Então, considerando que nós estamos todos sob o jugo da “pena de morte” da bandidagem, eu tenho repensado o assunto: por que afinal a sociedade não tem o direito de, através da Justiça, estabelecer a mesma pena para tantos que vivem a ameaçá-la no dia a dia seja nas ruas, nas estradas ou mesmo dentro de casa?

E a tal de maioridade penal, por que não é revista diante da realidade que estamos enfrentando? Sabiam que o Brasil é dos raros países no mundo onde a maioridade penal ainda está nos 18 anos? Pesquisem, por favor.

Hoje temos lei que impede menores de 18 anos de trabalhar, mas nada dizem sobre roubar, matar e outras barbaridades. Por que isso? Eu comecei a trabalhar ainda aos 16 anos por iniciativa pessoal e nunca me arrependi disto. Conheço pessoas que aos 9 e/ou aos 10 anos já trabalhavam inclusive de babá para ajudar a família que passava necessidades. Errado? Para mim não.

Quando falo em trabalho para menores de idade não incluo aí o “trabalho escravo”. Este tem que ser considerado crime e deve ser combatido sempre.

A propósito, sabiam que o Banco do Brasil foi pioneiro num projeto idealizado pelo saudoso colega e amigo Admon Ganem, nosso Chefe no Treinamento de Pessoal e depois Diretor de Pessoal do BB? Era o “Menor Aprendiz”.

Isto aconteceu há décadas no começo dos anos setenta. Para se inscrever naquele programa o jovem deveria fazer prova de que estava estudando. Deu certo e muitos que entraram no Banco por ele acabaram depois sendo funcionários de carreira do BB por concurso interno em que foram aprovados. Alguns chegaram a exercer cargos de alta relevância no próprio Banco.

Hoje em dia vejo muita demagogia na política que tenta impedir menores de exercer alguma profissão em vez de ficarem nas ruas e participarem da escola da vagabundagem. Logo se “formam” em marginais e vão incrementar a violência que nos agride e nos oprime diariamente.

Por essa e por outras hoje eu já não tenho tanta certeza de que não deveríamos adotar a pena de morte, apesar dos pesares. Alguns serão contra por motivos religiosos, eu entendo e respeito, mesmo assim ponho o assunto em discussão.

Eu gostaria de ter a opinião dos que me vão ler. Por favor, se manifestem.

 
(22 de novembro/2013)
CooJornal nº 867



Francisco Simões
escritor, poeta, fotógrafo (expositor), ex-radialista
Rio de Janeiro
fm.simoes@terra.com.br
Conheça um pouco mais de Francisco Simões
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
http://www.riototal.com.br/expressao-poetica/francisco_simoes.htm
www.francisco-simoes.com

Direitos Reservados