15/05/2017
Ano 20 - Número 1.029

 

ARQUIVO SIMÕES

Francisco Simões
em Expressão Poética

Venha nos
visitar no Facebook

 

Francisco Simões

E QUANDO A INSPIRAÇÃO NÃO VEM?
 

Francisco Simões, colunista - CooJornal


Acontece, após já ter escrito milhares de textos divulgados tanto neste CooJornal como em outros sites literários durante 20 para 21 anos, de repente, pimba, cadê a inspiração?!

Irene me escreve e cobra: “E aí amigo, cadê o texto?” Vencendo alguns pequenos problemas acabei desviando toda minha atenção para outros assuntos que não mereciam ser motivo para uma crônica, de forma alguma.

O jeito foi pedir desculpas, pois isto nunca acontecera nestes vinte anos que estou sendo divulgado com a graça da amiga Irene Serra na revista RIO TOTAL. Ao contrário, sempre envio meu texto com bastante antecedência. Irene pode confirmar, mas tudo sempre tem um dia que falha, e agora falhou. Ou falhei eu, pois.

Está chegando a época de eu fazer os meus exames de rotina, uns pedidos pelo meu cardiologista, Dr. Ricardo Azevedo e outros pelo meu grande amigo e médico de Homeopatia há quase 40 anos, acreditem, o Dr. Carlos de Faria. Todo ano nesta época é a mesma coisa.

Precisamos ir ao Rio onde permanecemos uns bons dias, faço alguns exames já tendo feito dias antes outro que sempre realizo aqui mesmo em Cabo Frio com a Dra. Elisabeth, além de médica amiga também há bons anos. Eu sou assim mesmo, não fico pulando de médico para médico, isto não, nem aconselho a ninguém fazer isto.

Imagino que o assunto não deve interessar nem um pouco a muitos de vocês que eventualmente me lerão, mas tudo bem se falta assunto falemos daquilo que está mais perto de nós. Afinal como Irene sabe, eu já ultrapassei os 5.000 comentários de leitores sobre minhas crônicas faz muito tempo então vamos indo.

Passar dos oitenta anos escrevendo numa rotina menor que antes, mas sempre fiel faz muito bem à saúde mental e geral e nos faz sentir útil sempre. Até porque eu sou daqueles que costumam responder a leitores que comentam meus escritos. Sei que nem todos o fazem, porém respeito os motivos de cada um.

Muitos que começaram comentando meus trabalhos acabaram entrando para minha lista de novos amigos. Não importa a idade. Fico curioso quando me chega um comentário sobre algum texto que divulguei aqui mesmo há muitos anos. De repente alguém o leu e achou que deveria comentar o assunto com o autor. Acho ótimo e respondo esclarecendo o motivo de eu ter me atido àquele tema na época.

Reafirmo que jamais deixei alguém que me enviou algum comentário sem resposta, nunca. Faço questão de responder a todos até porque é uma questão de boa educação. Uns que me leem tanto vêm como vão, alguns somem e de repente ressurgem mais adiante. Outros ou outras costumam ser mais fiéis e do interesse pelo que escrevi acabam comentando sobre sua própria vida, sua família e perguntando sobre a minha. Eu gosto disto.

Certa vez fui criticado por um amigo que também escreve. A crítica se referia ao fato de eu também divulgar entre todos do meu catálogo (e são mais de 100 nomes) as crônicas que recebo semanalmente da jornalista de S. Paulo, a amiga Marli Gonçalves.

Confesso que fiquei pasmo, pois afinal eu jamais vi em outra pessoa que se dedica a escrever, seja sobre que assunto for, algum “concorrente”, jamais. Pelo contrário se gosto do que leio e a pessoa merece minha atenção como é o caso da jornalista Marli Gonçalves eu faço questão de divulgar o que recebo. Dei a resposta educada e justifiquei o que faço, embora sem nenhuma obrigação de fazê-lo já que é difícil eu ficar calado diante de algo assim. Continuamos amigos, claro.

Quantas vezes os que me leem já me viram prestigiar alguém que conheço quando esta pessoa me informa estar divulgando um livro que acaba de lançar na praça? Já fiz isto diversas vezes e continuarei a fazê-lo. A mim pouco importa se em alguns casos a recíproca não for verdadeira. Isto nunca me tocou no brio, jamais.

Para encerrar relembro agora que no começo, logo que apareci escrevendo crônicas e divulgando poesias minhas nesta internet primeiramente aqui na revista RIO TOTAL a convite de Irene Serra a quem devo muito, acabei por me deixar enlevar por “cantos de sereia” e escrevi para diversos sites ditos literários. Com alguns eu me decepcionei e com outros eu preferi sair a ter que aturar certas exigências descabidas.

Depois de alguns anos acabei como estou hoje escrevendo para o meu site pessoal ou www.francisco-simoes.com sempre atualizado por Irene Serra e fazendo presença, até quando eu puder, neste CooJornal desta revista RIO TOTAL também da amiga Irene Serra. Se pesquisarem direitinho vão encontrar algumas de minhas poesias em espaço apropriado aqui mesmo.

Não posso deixar de agradecer também minha presença já há alguns anos em outro lindo espaço, o GERMINA LITERATURA E ARTE, também muito bem produzido por outra boa amiga a Silvana Guimarães, mineira da melhor estirpe. Tenho lá um espaço com algumas de minhas poesias por ela escolhidas. Obrigado amiga Silvana.

Para quem estava sem assunto vejam que acabei me encontrando nestas teclas e escrevendo neste meu computador criado há uns 4 anos pelo bom amigo Diego, aqui de Cabo Frio, contando algumas vezes com a assistência técnica de outro “cobra” desta tecnologia o bom amigo Celso de Niterói. E é só. Obrigado pela atenção.



__________________________________________

Comentários sobre o texto podem ser enviados ao autor, no email fm.simoes@terra.com.br

(15 de maio, 2017)
CooJornal nº 1.029



Francisco Simões
escritor, poeta, fotógrafo (expositor), ex-radialista
Rio de Janeiro
Conheça um pouco mais de Francisco Simões
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
http://www.riototal.com.br/expressao-poetica/francisco_simoes.htm
www.francisco-simoes.com



Direitos Reservados
É proibida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor.