01/09/2018
Ano 21 - Número 1.091

 

ARQUIVO SIMÕES

Francisco Simões
em Expressão Poética

Venha nos
visitar no Facebook

 

Francisco Simões



POLÍTICA OU POLITICAGEM?

Francisco Simões, colunista - CooJornal



Tem muita gente escrevendo sobre a situação que nosso país atravessa. Concordo com quase tudo que traz no sentido das palavras a crítica verdadeira, correta, em cima dos fatos que não podem ser desmentidos.

Recebo, leio e repasso o que julgo merece meu apoio e porque quem escreve o faz com muito talento, conhecimento de causa e dos fatos, e nunca escorrega “na maionese”. Pelo contrário tem sempre os meus mais efusivos aplausos.

Ademais muito do que eventualmente eu repasso tem merecido de diversos amigos e amigas, leitores assíduos não apenas de meus modestos textos como do que repasso por merecerem a melhor de minhas atenções e de meus leitores.

Assim sendo, gente boa, outro dia recebi algo que veio de alguém que não consta da minha lista de uns cem nomes para os quais, como eu disse acima, eu sempre envio os meus modestos textos e os repasses que faço.

Evito citar o nome do autor ou autora, todavia desde já eu envio os meus cumprimentos sinceros a quem me enviou aquilo, pois adorei o que li e a conclusão da tal “parábola” que deve ter sido criada num momento de grande lucidez, sem dúvida alguma. Ao autor ou autora os meus parabéns.

Após discorrer sobre o assunto das próximas eleições numa análise breve, mas embora colocando o assunto como se fosse uma “parábola” incluindo marinheiros e comandantes dos mesmos, a citação final, claro que oriunda da opinião do autor ou da autora apresentou um fecho excelente que passo a citar aqui embaixo.

Está dito ao pé da “parábola” a seguinte e correta conclusão. Leiam por favor:

“É MAIS OU MENOS ISSO QUE VAI ACONTECER NO BRASIL NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES!”
"NÃO É A POLÍTICA QUE FAZ O CANDIDATO VIRAR LADRÃO. É O SEU VOTO QUE FAZ O LADRÃO VIRAR POLÍTICO".

Quando eu li fiz questão de reler algumas vezes e logo aprovei a referida mensagem que agradeço ao remetente embora eu não o conheça. Que ele saiba que aqui eu estou a repassar para meus leitores o que ele me enviou já que percebi que com seu apurado senso de humor e uma crítica brilhante e verdadeira o autor ou autora merece sim ser divulgado/a.

Quanto à parábola deixo de citá-la por não ter autorização da autoria, mas se alguém quiser conhecê-la pode me pedir que eu a enviarei tal e qual como a recebi. Garanto que vale a pena.

Confesso que não vejo no leque de candidatos à Presidência até agora ninguém que me atraia para merecer o meu voto e o de minha esposa, como ela me tem dito. Isto, pelo menos de nossa parte, justifica o que diz o autor ou autora da referida mensagem em sua conclusão brilhante, embora simples nas palavras.

Afirmo que não estou aqui a querer defender o voto nulo, ou em branco, ou lá o que seja apenas sou sincero declarando o que minha opinião, até este momento, me aconselha a fazer. Depois, mais perto das eleições posso até mudar de opinião, mas agora é o que prevalece no meu conceito.

Só sugiro a todos que deverão votar para Presidente que pensem bem, acompanhem bem os debates, ouçam as entrevistas com candidatos e candidatas e, por favor, se possível procurem “acertar” na hora do seu voto na urna.

Eu sei que “acertar” no quadro atual é muito difícil, entretanto pode ser que mais pra frente não seja tão impossível. Aguardemos então. No mais eu faço como disse fazer certa amiga jornalista em texto recente, ou seja, me calo já que o horizonte político não me apresenta maiores motivos para comentários. O que tem que ser dito já o foi agora vou ficar em silêncio. Até a próxima.






Francisco Simões
escritor, poeta, fotógrafo (expositor), ex-radialista
Rio de Janeiro
Conheça um pouco mais de Francisco Simões
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
http://www.riototal.com.br/expressao-poetica/francisco_simoes.htm
www.francisco-simoes.com



Direitos Reservados
É proibida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor.