01/05/2019
Ano 22 - Número 1.123

 

ARQUIVO SIMÕES

Francisco Simões
em Expressão Poética

Venha nos
visitar no Facebook

 

Francisco Simões



SE SENTIR SOZINHO

Francisco Simões, colunista - CooJornal



Outro dia eu estava assistindo pela TV a mais um dos ótimos programas produzidos pelo meu mais novo amigo, o Zezinho, sobre quem escrevi na crônica passada. O nome do programa como devem se lembrar é “Cabo Frio, sem frescura”.

Entre inúmeros sucessos musicais de anos passados, tanto da música brasileira como de músicas estrangeiras, mais uma vez o nosso bom Zezinho exibiu todo o seu talento e eu como sempre aplaudi.

A certa altura percebi um verso cujo autor da música, certamente um bom poeta, dizia algo assim: “... pior do que estar só é se sentir sozinho...” Percebi que ali havia uma mensagem subliminar, digamos assim, e que eu gostaria de discorrer sobre ela.

Já tendo vivido até agora, como sabem, 82 anos, eu confesso ter passado umas poucas vezes por situação semelhante a que o tal verso acima se refere. Vejam bem que uma coisa é você estar só, sem nenhuma companhia, sozinho mesmo, outra é você “se sentir sozinho”.

Explico melhor: você pode até estar acompanhado, tentar falar, conversar com a outra pessoa, mas esta o ignorar, não lhe responder. Por onde andará o pensamento dela, por onde viajarão suas ideias naqueles momentos?

Quem desejar perceber melhor o que digo aqui eu sugiro que pesquise no meu arquivo de textos, neste mesmo CooJornal da nossa revista RIO TOTAL, e procurem ler ou reler uma crônica que escrevi há alguns anos cujo título é: “Conversando com o silêncio”. Creio que foi em 2003.

É apenas um exemplo, mas muito marcante é verdade. Minha segunda esposa padecia de uma doença incurável e estava há pouco tempo de se despedir deste mundo. Ela costumava ficar de olhos fechados, calada, sentada num sofá.

Eu me aproximava dela, procurava falar, puxar assunto, tentar que ela me dissesse algo para eu não me sentir tão sozinho naqueles momentos estando com ela ali ao meu lado. De nada adiantava eu insistir, ela permanecia calada, imóvel, como se fosse uma estátua ou coisa parecida.

Este foi apenas um dos momentos ou dos exemplos que eu posso relembrar em minha longa existência. Outros momentos aconteceram antes e depois dela, todavia eu confirmo que é muito triste você tentar conversar com alguém que ao teu lado te ignora.

Ainda mais se a pessoa com quem você tenta falar tem muito a ver com você, ou tem tudo a ver, digamos assim. Na continuação de minha existência estes momentos foram bem mais raros, porém afirmo que se repetiram. Poucas vezes, mas doeram e muito no meu íntimo.

Meus sentimentos estavam sendo postos à prova já que a outra pessoa com quem eu procurava falar parecia navegar em outras cenas, quase que em outro mundo, como se eu não existisse para aquela pessoa naqueles momentos.

Repito que estar só, desacompanhado, para mim sempre foi muito doído. E eu estive mesmo só desde a primeira separação, até que a morte me obrigou a uma segunda vez. Mas vida continuou para mim e até hoje, quando tenho uma terceira companhia, uma nova família, em raros momentos de solidão algumas vezes viajo no pensamento e revejo cenas que eu gostaria de esquecer, mas que me acompanham sempre.

Portanto amigos e amigas o poeta que escreveu a letra daquela música a que me refiro no começo deste texto foi sincero ao afirmar que ... “pior do que estar só é se sentir sozinho...” talvez aí eu acrescente a palavra, acompanhado. Isto é, “se sentir sozinho, mas acompanhado”.

Encerro voltando a sugerir que os amigos e amigas deem uma relida no meu texto de 2003 “Conversando com o silêncio.” Podem buscar o mesmo no Arquivo de crônicas que Irene Serra mantém no CooJornal mesmo. 




Comentários sobre o texto podem ser enviados diretamentee ao autor, no email fm.simoes82@gmail.com







Francisco Simões
escritor, poeta, fotógrafo (expositor), ex-radialista
Rio de Janeiro
Conheça um pouco mais de Francisco Simões
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
http://www.riototal.com.br/expressao-poetica/francisco_simoes.htm
www.francisco-simoes.com



Direitos Reservados
É proibida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor.