01/08/2020
Ano 23 - Número 1.183



ARQUIVO SIMÕES

Francisco Simões
em Expressão Poética

Venha nos
visitar no Facebook

 

Francisco Simões



O SER SEM ESTAR



Francisco Simões, colunista - CooJornal


Nesta já longa fase de pandemia, eu, tendo quase 84 anos, confesso que nunca antes vivi algo parecido. Nos muitos anos em que estou neste planeta, é verdade que já atravessei outras situações semelhantes, porém jamais tão rigorosas.

Por outro lado eu era bem pequeno quando ouvi falar da Segunda Grande Guerra Mundial e também da sobra da tal Gripe Espanhola que ceifou, segundo eu li, mais de 50 milhões de vidas.

Quanto a vírus já houve vários que intentaram contra os seres humanos, mas sempre eles levaram a pior. Em verdade é a primeira vez que percebo o quanto este vírus não só nos assusta como nos aprisiona pela idade e o fato de sermos considerados do tal “grupo de risco”.

Há meses nem me atrevo a sair de casa. Quando acordo e tomo meu café trato de, a seguir, se não chove, fazer minha caminhada diária aqui mesmo em nosso ambiente, sem maiores riscos. O mesmo faz minha esposa. A seguir ela ainda faz exercícios que hoje não faço mais.

Afinal para isto não preciso usar máscara e se sair de casa aí sim é necessário usá-la, como também o faz sempre minha esposa, esta 20 anos mais nova que eu. Ela é muito cautelosa e faz muito bem.

A lamentar pela necessidade das providências relacionadas com a quarentena da pandemia os inúmeros casos de desempregos. Muita gente deixa de arrecadar ou diminui sua renda nesta fase e aí não vê como saída outra coisa que não seja despedir funcionários.

Acompanho os noticiários daqui e os lá de fora para tomar conhecimento de como as coisas andam. Afinal há uma providência, justo a que eu estou submetido e minha família também, que oferece mais segurança. Como dizem nos anúncios: “Não saia de casa.”

Não vejo, todavia certos chefes de Estado controlarem ou manterem sob sua orientação e cuidados a atual situação. E não pensem que estou a falar mal deste ou daquele governo, absolutamente não, pois um dos piores dos exemplos vem justo da Nação considerada a mais forte do mundo. E o Presidente de lá pretende se reeleger. Eu não creio nisto.

Desculpem os que pensam o contrário, mas eu não acredito mesmo. E a verdade é que se lá mudarem a situação governamental atual isto deve influenciar em boa parte do mundo. Com certeza. Tem sido assim e não será agora que veremos algo diferente. Podem esperar, a eleição dos EUA é em Novembro.

Mas eu ouço algumas reclamações como se “ficar em casa” fosse uma condenação que nos priva da liberdade. Em parte sim, porém se queremos viver temos, acima de tudo, que ser cautelosos e seguir as normas corretas. Muita gente reclama, mas como diz um velho ditado é de barriga cheia.

Para essas pessoas eu recomendo usarem a imaginação e tratarem de impulsionar sua criatividade. Cuidem bem disto e verão que muita gente até está meio agradecida por esta grande oportunidade que o tal vírus está dando aos seres humanos. O mundo, amigos e amigas, não será mais o mesmo daqui para a frente.

Ouvi isto de um sociólogo que admiro muito pela sua inteligência, pelo seu preparo e por ser quem é. A verdade é que outros já também disseram o mesmo e nós temos que ouvi-los, pensar bem, e seguir sua sugestão. Veremos que estão certos.

Mas eu sei por ter lido em reportagens que há aqueles que através da desinformação usando a crença alheia começam a jogar no ar notícias que não merecem crédito. Cuidado amigos e amigas, muito cuidado com estes que lhes oferecem curas mirabolantes sem sequer apresentarem provas de origem científica.


Esta história de “ser sem estar” não é bem assim gente boa. Pensem bem, pensem melhor e impulsionem vossa imaginação para vos levar, e a nós também, para outro destino dos seres humanos que não aquele a que estávamos acostumados.

Não vamos olhar para a atual situação a que nos submete o tal vírus Covid 19 como se ele fosse apenas um algoz. Não, não é bem assim. Muitos que morreram resolveram enfrentar a tal situação de forma equivocada e outros sequer tinham chance de um viver digno como boa parte da humanidade o tem.

É verdade que cada um cuida de si como acha melhor e assim por aqui eu e minha esposa vamos tomando diariamente duas doses do “Própolis verde, do campo”. Geralmente nós misturamos pouco mais de 10 gotas de cada vez num pouco de Gatorade. Pode-se e deve-se tomar em qualquer líquido, mas damos preferência a este tipo de refrigerante.

Ademais eu não abro mão de fazer a respiração yoga duas vezes por dia. Poucos dão importância a yoga, mas eu a valorizo há muitos anos. Como creio que já contei aqui houve tempo em que eu fazia quase diariamente tanto a respiração como a Hatha Yoga (posicionamentos) e o relaxamento total. É muito bom, acreditem. Não há idade para começar, mas quanto mais cedo melhor, claro.

Acredito que esta situação ainda vá demorar um pouco então vamos tratando de nos adaptar a outra realidade que não a que estávamos acostumados. Cada um pensa como quiser, mas eu creio que até descobrirmos algo como vacina realmente confiável e durável, deve demorar um pouco. Enquanto isto, vamos vivendo e não vegetando ou reclamando todo dia.   





Comentários sobre o texto podem ser enviados diretamente ao autor, no email
fm.simoes@terra.com.br 






Francisco Simões
escritor, poeta, fotógrafo (expositor), ex-radialista
Rio de Janeiro
Conheça um pouco mais de Francisco Simões
http://www.riototal.com.br/escritores-poetas/expoentes-021.htm
http://www.riototal.com.br/expressao-poetica/francisco_simoes.htm
www.francisco-simoes.com



Direitos Reservados
É proibida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação eletrônico ou impresso sem autorização do autor.