Venha nos
 visitar no Facebook

 


 

W.J. Solha



ARQUIVO

W.J.Solha - CooJornal

 

- A beleza dOs Campos Noturnos do Coração
- A cavalgada para a Pedra do Reino
- A Chave do Tamanho
- A luta dos contrastes na caça virtual de Ivo Barroso
- A magia das histórias em quadrinhos
- A memória - mnemósine, caramba - em Ruy Espinheira Filho
- A mulher ideal
- A mulher que escreveu a Bíblia
- A Planta da Donzela
- A poesia reunida de Hildeberto
- A Suíte dos Silêncios de Marília Arnaud
- A superprodução de Wills Leal
- A terrível história de Everardo Norões e o Angelus Novus de Paul Klee
- A técnica da enumeração em Carlos Trigueiro
- A verdadeira história da Jesus (trecho da peça)
- Affonso SÍSIFO de Sant´Anna
- Alguns versos de Batista de Lima dignos de moldura
- Aos editores, um novo autor e seu belo livro
- As grandes fotos
- Biografema de Abelardo Junqueira
- Bráulio Tavares e as histórias em versos
- Braúna
- Brevíssimos ensaios muitíssimo ilustrados
- Brevíssimos ensaios muitíssimo ilustrados (II)
- Carta a Nilto Maciel
- Carta ao poeta Ruy Espinheira Filho
- Claudio B. Carlos
- Clemente Rosas
- Da arquitetura em pedra, concreto, madeira,...
- Da música erudita em DVD, sala de concerto, filme, rádio, ópera, balé
- Da política e de suas angústias
- Débora Ferraz enquanto Deus não está olhando
- Do sentido da vida
- Enigma du Bois
- Entrada proibida a pessoas com os pés no chão
- Entre moscas
- Entrevista com Sérgio Lucena

- Esdras do Nascimento entre sua Variante Gotemburgo e as Variações Goldberg, de Bach
- Eu e o cinema
- Everardo Norões, isto é sobre seu conto O Cego
- F de falso
- Fúcsia
- Gênesis e exit de José Bezerra Cavalcante
- Gonzaga,
- Hugo Almeida e o sinal dos tempos
- Investigações em torno do poema Um certo Goês, de Everardo Norões
- Ivo Barroso e a proeza de traduzir Perec
- Jorge Elias Neto
- La vida abierta
- Luciano Maia
- Memória do Fogo
- Mierdamorfose, de Carlos Trigueiro
- Narrativa em voz baixa
- Navalha na carne de Carnavalha
- O Camus do Professor Jackson
- O Dia dos Cachorros
- O frio da lâmina
- O gigantesco Dom Sertão, Dona Seca, de Otávio Sitônio Pinto
- O giuoco piano de Esdras
- O grande tema do Eclesiastes, Eliot, Jorge de Lima e Kubrick na poesia de Ruy Espinheira Filho
- O magnífico "Barroco" de Affonso
- O Silêncio do Delator
- O Voo de Paulo Vieira
- Obras primas de gênios do segundo e terceiro escalões
- Origem curiosa do Esse é o Homem
- Os fragmentos da memória de Marluce Suassuna Barreto Maia
- Paris é
- Perfeito!
- Psi a penúltima, de Soares Feitosa
- Scorpiace em Recife
- Simenon, Hammett de bombacha e mate
- Sobre Exília de Alexandre Marino
- Sobre LITURGIA DO FIM (Tordesilhas 2016), de Marília Arnaud
- Sobre RONALDO WERNECK e A MOVEABLE FEAST
- Tetelestai
- Um livro que dói

 



Waldemar José Solha é escritor, poeta, dramaturgo, roteirista, ator e artista plástico.
Recentemente, trabalhou no filme premiado internacionalmente ‘O SOM AO REDOR”, de Kléber Mendonça Filho  e em “Era uma vez eu, Verônica”.
wjsolha@superig.com.br 




Direitos Reservados